GPS: Entenda como são feitos os mapas para os aparelhos!

Olhe para o céu numa noite bastante escura, preferencialmente de um ponto isolado, sem luz e nem poluição, no meio do campo, tente perceber as estrelas numa linguagem antiga, pergunte a si mesmo se você seria capaz de se locomover no Oceano Atlântico baseado nelas.

Por | @oficinadanet Tecnologia

Olhe para o céu numa noite bastante escura, preferencialmente de um ponto isolado, sem luz e nem poluição, no meio do campo, tente perceber as estrelas numa linguagem antiga, pergunte a si mesmo se você seria capaz de se locomover no Oceano Atlântico baseado nelas. Acredito que seria difícil não é mesmo? Embora seja "romântico" esse método da antiguidade era a revolução tecnológica da época! Mas, imagine hoje você conhecer cada centímetro de um percurso, saber exatamente onde irá entrar e sair para chegar a um determinado destino? Pois é, já é possível viver essa realidade, utilizando o seu aparelho GPS! Mas, como esse aparelhinho, que, aliás, hoje pode estar num simples celular ou Smartphone, é feito?

GPS: Entenda como são feitos os mapas para os aparelhos!

Vamos entender a forma que os mapas são criados, saber cada pequeno detalhe da formação de um roteiro e entender, sobretudo, o que isso implica na vida das pessoas! Antes, porém, vamos entender o GPS (Global Positioning System) uma forma de mapeamento que é monitorado por satélites. Essa tecnologia que existe desde 1973, está diferente, ágil e muito avançada neste despontar do século XXI. Ela foi criada para superar às antigas formas de mapeamento, embora inicialmente às finalidades fossem mais militares, passou a ser utilizada civilmente dentro de uma das 02 freqüências de rádio que ela emite. Assim, aos poucos o GPS foi se adaptando e modernizando, custando inicialmente em 1995, cerca de 10 bilhões de dólares, para se tornar totalmente operacional.


Conceito de mapeamento para aparelhos móveis:


Ao programar seu aparelho GPS para chegar a um determinado ponto, você já parou para pensar como aquele mapa de sua cidade foi feito? Acredito que muitos curiosos já pensaram nisso, mas, poucos tentaram descobrir de verdade, não é mesmo? Nós nos incubemos de lhe informar passo a passo à forma de mapeamento de uma cidade, para disponibilizá-lo no seu aparelho. Quem imaginou que existe um segredo guardado debaixo de sete chaves se enganou, porque na verdade o que existe são dois grandes processos, por sinal, muito trabalhosos.

Para a criação de um mapa que será programado em seu aparelho, empresas especializadas como a Digibase, desenvolvem mapas das cidades utilizando-se de dois processos: Compilação e pesquisa de campo. Esta última exigirá muitos profissionais e um trabalho que o próprio nome já explica tudo! Obviamente devemos ter em mente que no mapa vetorial às linhas que representam às ruas, podem informar em movimento geral um determinado ponto em latitude e longitude, mas, precisa de complementação, isso se dá através da pesquisa in loco!

Compilação:
A compilação é um levantamento sistemático de uma infinidade de fontes de informação geográfica da cidade, esta por sua vez, se utiliza de mapas hidrográficos, plantas oficiais, planejamentos administrativos de obras, posicionamento de logradouros, etc. Neste processo os desenvolvedores do mapa contam ainda com a ajuda de imagens de satélite em alta resolução. Essas ferramentas vão formando à primeira parte do mapa que será montado e desenvolvido.

Pesquisa de campo:
No segundo momento da formulação do mapa será necessário que o roteiro ganhe precisão, isso através da numeração de vias, posicionamento de faixas, sinalização de trânsito, e localização. É importante que informações de locais que podem ser utilizados como referências sejam copiladas, por isso, hotéis, restaurantes, shoppings, hospitais, entre outros, são minuciosamente estudados em cada roteiro. Este trabalho é totalmente realizado pelo analista geográfico, que de dentro de um carro, utilizando uma câmera, computador e caderneta, traça todos os detalhes.


Leia também:

É preciso que no mapa não ocorra de o percurso apresentar algum erro, como um avanço por uma rua na contra-mão, entrar em uma zona de perigo, como trechos de favelas, que, aliás, são apresentadas nos mapas, como "região de perigo". Neste processo o analista geográfico, conta sempre com um motorista que conhece bem a região e que pode orientá-lo com uma maior precisão.


Finalização do processo:


Após essas duas etapas, o mapa é formulado dentro do software de navegação e utiliza-se dessas coordenadas para que o indivíduo possa criar o roteiro que fará! Atualmente estamos bem avançados e qualquer pessoa, mesmo andando a pés, pode utilizar o navegador, até porque de um simples celular podemos traçar um roteiro e realizar o deslocamento seguro do destino final. Apostando nessa modernidade foi que a Nokia comprou a maior desenvolvedora de mapas para GPS, Navteq, por mais de 8 bilhões de dólares. Atualmente às empresas fabricantes de celulares disponibilizam os mapas gratuitamente, como a Nókia que dispõe do Ovi Mapas, a Motorola do Motonav TN20. Não existem mais dificuldades de locomoção estando de carro ou a pés, basta que esteja sempre com o celular e com um bom software de navegação.

Mais sobre: gps, como funciona
Share Tweet
DESTAQUES
Mais compartilhados
Comentários