Internet pela tomada

Imagine se, além da batedeira, do freezer ou da televisão, a tomada da sua casa fosse utilizada também para conectar seu PC à internet. Pois essa não é mais uma realidade tão distante. Nesta segunda-feira (13/04), a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) publicou resolução que aprova o uso da rede elétrica para conexão à internet banda larga, tecnologia conhecida como BPL (Broadband Powerline).

Por | @oficinadanet Hardware
Imagine se, além da batedeira, do freezer ou da televisão, a tomada da sua casa fosse utilizada também para conectar seu PC à internet. Pois essa não é mais uma realidade tão distante. Nesta segunda-feira (13/04), a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) publicou resolução que aprova o uso da rede elétrica para conexão à internet banda larga, tecnologia conhecida como BPL (Broadband Powerline).

Internet pela tomada

A tecnologia é testada há mais de dez anos por distribuidoras nacionais, uma vez que a eletricidade atinge quase 100% do território nacional. Com a aprovação, quase todos os brasileiros podem, na teoria, ter acesso a internet em alta velocidade.

Um dos principais aspectos para o atraso na regulamentação são os problemas técnicos que o BPL poderia ocasionar, como sofrer ou causar interferências em radioamadores ou na radiodifusão de sons e imagens.

O documento da Anatel determina critérios e padrões técnicos para o uso da tecnologia na faixa de radiofrequência entre 1.705 kHz e 50MHz. E os sistemas precisarão contar com mecanismos para o desligamento remoto, a partir de uma central de controle, do que estiver causando a interferência (caso não haja outra técnica de atenuação).

Além disso, o uso do BPL não poderá provocar radiações indesejadas em faixas de exclusão (outra preocupação), que abrangem faixas de radiofrequências em que operam serviços móvel aeronáutico e radioamadores. Em áreas de proteção de estações terrestres, a operação em faixas de 1.750 kHz e 30 MHz estará proibida.

Equipamentos deverão ser homologados pela Anatel e atender normas da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Os que estiverem em desacordo podem operar até o final de junho de 2010, quando serão desativados.

A prestadora que usar o BPL deve apresentar à Anatel, em até 30 dias antes de início de operação, informações necessárias para a criação e manutenção de uma base de dados pública, disponível a quaisquer interessados, atualizando-a na entrada de operação do serviço e sempre que houver alterações.

Já em testes
A AES Eletropaulo Telecom, braço do grupo empresarial, estuda o BPL desde 2006 e promete oferta do serviço ainda este ano. Desde novembro de 2007, a companhia teste a tecnologia em 20 edifícios do bairro de Moema, em São Paulo. Cerca de outros 300 prédios, totalizando 1,5 mil domicílios, já estão aptos a receber a tecnologia.

Fonte: B2B Magazine

Mais sobre: redes, power over ethernet, tecnologia
Share Tweet
DESTAQUESRecomendado
Mais compartilhados
Comentários