Apple não deve aumentar preços de produtos devido a nova tarifa imposta à China pelos EUA, diz analista

Segundo Ming-Chi Kuo, a maçã conseguiria atender a demanda de seus consumidores com outras instalações da empresa fora da China. Os únicos produtos que seriam afetados seriam os Macs.

Por Apple Pular para comentários
Apple não deve aumentar preços de produtos devido a nova tarifa imposta à China pelos EUA, diz analista

Além de dizer que iPhones devem voltar a ter leitor de impressões digitais em 2021, o analista de mercado Ming-Chi Kuo também falou um pouco sobre as consequências das últimas tarifas impostas à China pelo governo norte-americano nos produtos Apple. O analista publicou um relatório nesta segunda-feira (05) com as informações.

Segundo Kuo, a Apple está preparada para absorver as despesas extras e as tarifas não vão levar a um aumento do preço dos produtos da maçã - pelo menos a curto e médio prazo. 

Além disso, o analista também disse crer que a Apple vai trabalhar para impulsionar sua produção não-chinesa, fazendo com que a demanda do mercado norte-americano seja atendida sem a necessidade da maçã de pagar tarifas extras.

iPhones não devem ter seus preços afetados pela nova tarifa imposta à China pelos EUA.
iPhones não devem ter seus preços afetados pela nova tarifa imposta à China pelos EUA.

Para contextualizar melhor, recentemente o presidente Donald Trump impôs uma nova tarifa de 10% sobre o valor de US$300 bilhões em produtos chineses que entrarem em solo americano.

Isso fez com que os estoques da Apple caíssem em 2%, já que a maçã informou que esta atitude por parte do governo aumentaria o preço de todos seus produtos no futuro. 

Mas para Kuo, isso não deve ocorrer. Segundo ele, o motivo seria a automação de produção avançada da Apple junto da sua dominância no mercado norte-americano.

Macs infelizmente dependem da China para terem sua demanda atendida.
Macs infelizmente dependem da China para terem sua demanda atendida.

Kuo ainda detalhou como cada produto deve sobreviver a esta mudança. Para ele, o iPhone terá sua demanda atendida nos Estados Unidos por causa de suas produtoras na Índia e no Vietnã. Já o iPad poderá ser desenvolvido pelas instalações não-chinesas da empresa - isso graças a automação da produção. AirPods e Apple Watches também devem ter as demandas atendidas por meio de produtoras fora dos EUA. 

Já o Mac infelizmente não segue esta linha. Para Kuo, as instalações responsáveis pela produção do computador fora da China não serão capazes de atender a demanda americana até 2021. 

O jeito é esperar o desenrolar da guerra entre EUA e China para saber como será o futuro da maçã. Seja como for, uma coisa é óbvia: ela não deve perder seu posto de uma das maiores empresas de tecnologia tão cedo.

Fonte: gsmarena

Leia também: Comprou um novo Macbook? Confira 10 configurações que você deve ajustar. Acompanhe as últimas notícias de tecnologia aqui no Oficina da Net. Sempre trazendo conteúdos novos e produtos interessantes.

Compartilhe com seus amigos:
Comentários:
Minha foto