Primeiro os taxistas, agora empresas de ônibus pedem o fim do Uber Juntos

Em 15 cidades do Brasil, as operadoras de ônibus alegam sofrer perdas de passageiros e pedem compensação financeira, pois o serviço “caracteriza-se como transporte coletivo irregular”.

Por | @nmuller99 Uber Pular para comentários

Final de 2017, início de 2018 foi um terror para o Uber, a disputa com os taxistas em diversas cidades, criou regras e regulamentou o serviço. Depois de muita discussão, agressões, protestos e afins, o Uber por fim pode circular e hoje presta um serviço que na maioria das vezes é mais elogiado que o próprio serviço de táxi.

Com o lançamento do Uber Juntos, uma forma de você compartilhar o Uber com outras pessoas, geralmente existem rotas onde você pode pegar um Uber Juntos e pontos onde você desce. Nesse período que utilizou o serviço, você paga. Bem, esse serviço, segundo as operadoras de ônibus, figurou como “transporte coletivo irregular”. 15 cidades tiveram o poder público acionado para tentar barrar essa nova modalidade.

Empresas de ônibus pedem o fim do Uber JuntosEmpresas de ônibus pedem o fim do Uber Juntos

Nas cidades de Aracaju, Belo Horizonte, Fortaleza, Maceió, Porto Alegre, São Paulo, e nove cidades metropolitanas do Rio de Janeiro. Em São Paulo, as operadoras de ônibus pedem compensação por prejuízos decorrentes da perda de passageiros.

Segundo a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), o Uber Juntos causa a perda de 5 a 7% dos passageiros de coletivos. Otávio Cunha, disse: “o serviço é o “táxi lotação travestido de tecnologia”.

O Uber nega que a modalidade Juntos seja transporte coletivo. Ela explica que é um serviço de combinação de viagens individuais com trajetos semelhantes. A ideia do Juntos é colocar mais pessoas em menos carros, auxiliando como um complemento ao transporte público, não concorrente.

Uber Juntos é o antigo UberPool. E você, acha que é válido o novo meio de transporte? Comente.

Fonte: G1

Assista ao nosso último vídeo:
Inscreva-se no canal