Pesquisas alertam, os smartphones podem estar causando alterações ósseas em nosso corpo

Leve sua mão a parte de trás de sua cabeça, exatamente onde sua espinha se junta ao fundo do crânio. Se você sentir uma protuberância, como uma pequena cauda óssea, pode ser um sinal de que seu corpo está respondendo aos smartphones do século XXI.

Por Smartphones Pular para comentários
Pesquisas alertam, os smartphones podem estar causando alterações ósseas em nosso corpo

Um estudo publicado na revista Scientific Reports em 2018 argumentou que o uso constante de smartphones e dispositivos portáteis pode explicar por que um número crescente de jovens tem um estímulo ósseo incomum na parte de trás de seus crânios.

Cientistas da Universidade da Costa do Sol, na Austrália, observaram que um número crescente de jovens tem um crescimento ósseo anormal que aparece na parte de trás do crânio.

Normalmente, essa protuberância óssea tem cerca de 2,6 centímetros de comprimento, mas observaram até até 3,1 centímetros (1,2 polegadas) de comprimento.

Protuberância occipital externa aumentada (EEOP)Protuberância occipital externa aumentada (EEOP)

Conhecidas como entesófitas ou protuberância occipital externa aumentada (EEOP), as projeções ósseas surgem dos locais onde o ligamento ou tendão se liga a um osso. 

Essa protuberância occipital geralmente é esperada em indivíduos idosos, visto que esse crescimento é demorado e pode levar até décadas. 

No entanto, eles encontraram exatamente o oposto. Em um estudo de 1.200 pessoas, com idade entre 18 e 86 anos, essas protuberâncias ocorreram em 33 por cento dos participantes, mas mais comumente em homens de 18 a 30 anos de idade. De fato, a cada dez anos o aumento da idade resultou em uma redução de 1,03 na probabilidade de crescimento.

Estudos anteriores também sugerem que este é um fenômeno relativamente novo, como não foi visto em adultos jovens durante a década de 1990, pelo menos não na mesma medida.

"Sou médico há 20 anos, e somente na última década, cada vez mais, tenho descoberto que meus pacientes têm esse crescimento no crânio", disse David Shahar, cientista de saúde da Universidade da Costa do Sol em Londres. Austrália, recentemente disse ao BBC Future.

A pesquisa não procurou uma clara relação de causa e efeito; no entanto, o fato de ser um fenômeno tão recente entre os jovens adultos começou a fazer os pesquisadores pensarem.

Com base em outros estudos que sugeriram que o uso de smartphones está associado a más posturas, eles sugeriram que smartphones e "pescoço de texto" poderiam ser os culpados.

Pesquisas anteriores já alertavam para a síndrome do pescoço de textoPesquisas anteriores já alertavam para a síndrome do "pescoço de texto"

Passar horas a cada dia com o pescoço curvado para baixo, sem parar folheando os mesmos três aplicativos repetidas vezes, aplica novos estresses à base do crânio, aos quais o corpo responde depositando novos ossos. O resultado, eles hipotetizam, é este estranho estímulo ósseo.

"O desenvolvimento do EEOP pode ser atribuído e explicado pelo uso extensivo de atividades baseadas na tela por indivíduos de todas as idades, incluindo crianças, e a postura pobre associada", concluem os autores do estudo.

"Nossa hipótese é que o uso de tecnologias modernas e dispositivos portáteis, pode ser o principal responsável por essas posturas e subsequente desenvolvimento de características cranianas robustas e adaptativas em nossa amostra."

E não é só isso, do outro lado do mundo, na Alemanha, cientistas descobriram outro desenvolvimento anormal: os nossos cotovelos estão encolhendo. Christiane Scheffler, antropóloga da Universidade de Potsdam, estudava as medidas corporais tiradas de crianças em idade escolar quando percebeu a tendência.

Para ver exatamente o quanto seus esqueletos haviam mudado ao longo do tempo, Scheffler realizou um estudo de como as crianças eram grandes, entre 1999 e 2009. 

Isso envolvia o cálculo do "índice de quadros", que é como a altura de uma pessoa se compara à largura dos cotovelos. Em seguida, ela comparou seus resultados com os de um estudo idêntico que era 10 anos mais velho. Ela descobriu que os esqueletos das crianças estavam se tornando cada vez mais frágeis a cada ano.

"E então estávamos pensando sobre isso, qual poderia ser a razão", diz Scheffler. Sua primeira ideia foi que poderia ser genética, mas é difícil ver como o DNA de uma população pode mudar tanto em apenas 10 anos. 

A segunda foi que talvez as crianças estivessem sofrendo de má nutrição, mas isso não é realmente um problema na Alemanha. A terceira foi que os jovens de hoje são uma geração de viciados em televisão. Temos aqui o bom e velho problema de falta de exercício e, claro, a diversão digital, em grande parte, os smartphones, tablets, videogames e afins, também tem grande parcela de culpa.

Definitivamente a busca tecnológica por facilitadores da vida moderna, causam um grande problema, o aumento do ócio. Logo, problemas de saúde tendem a aumentar, principalmente os ligados diretamente ao uso de dispositivos portáteis, então olhos, coluna, pescoço e agora, até nossos cotovelos e ombros, estão na lista.  

Compartilhe com seus amigos:
Bernardo Silva
Bernardo Silva Louco por tecnologia, amo velocidade e sou apaixonado por comida.
FACEBOOK // INSTAGRAM: @androidplaceblog // TWITTER: @bgssilva
Quer conversar com o(a) Bernardo, comente:
Minha foto
    Últimas notícias de Smartphones