Facebook passa dos limites e coleta dados sobre vida sexual de mulheres

Facebook passa dos limites e coleta dados íntimos relativos à vida sexual de mulheres, através de aplicativos de controle de ciclo menstrual.

Por Segurança digital Pular para comentários

Acho que não é mais novidade para ninguém que, estar na Internet e nas redes sociais quase certamente tira nossa total privacidade. Mas, até que ponto o Facebook e o Google podem espionar a vida dos usuários, e que tipo de dados eles podem coletar? De acordo com as pesquisas mais recentes, o Facebook coleta dados até mesmo da atividade sexual das usuárias.

O Facebook já não tem um bom histórico em relação ao respeito à nossa privacidade, mas informações como essas atinge de forma ética e moral.

Quem revelou esse fato foi a Privacy International, uma organização britânica sem fins lucrativos que luta por mais privacidade na Internet. A instituição investigou a atividade que vários aplicativos enviam para o Facebook. Ao selecionar esses aplicativos, destacamos os usados ??pelas mulheres para registrar o ciclo menstrual, a atividade sexual e outras informações confidenciais.

Os aplicativos que compartilham informações pessoais de mulheres são o Maia e MIA. O objetivo dessa coleta de dados do Facebook seria apenas para fins publicitários, mas vários problemas morais surgem em consequência.

De acordo com as descobertas, o compartilhamento de informações e dados por meio do SDK do Facebook vai muito além do aceitável. Além disso, é desconhecido o que eles fazem de fato com essas informações.

Os dados compartilhados incluem mudanças de humor na TPM e atividade sexual das mulheres, como no caso abaixo, aonde o app Maia compartilhou com o Facebook a informação de que a usuária estava "ansiosa".

O aplicativo Maya incentiva os usuários a entrar no clima e isso é compartilhado com o Facebook, neste caso

Além disso, os aplicativos também compartilham a intenção do usuário de engravidar dessas mulheres, bem como hábitos rotineiros das usuárias, como se bebem café, fumam ou usam drogas. No exemplo abaixo, o aplicativo informa ao Facebook que o objetivo da usuária é engravidar.

maya

Ao especificar os dados transmitidos, a Privacy International descobriu que os aplicativos compartilham a atividade sexual da usuária. Essas informações, que devem ser hospedadas localmente, são compartilhadas com o Facebook sem o conhecimento da usuária do app.

Além das atividades sexuais, hábitos e intenção de engravidar, os aplicativos também informam ao Facebook se a mulher usa métodos anticoncepcionais , e quais deles usa.

O Facebook disse ao BuzzFeed News que estava investigando a situação e que poderia ser uma violação dos termos de serviço pelos desenvolvedores de aplicativos. Para fins publicitários, informações confidenciais que não são necessárias para a operação normal do serviço não podem ser transmitidas.

Via BBC

Compartilhe com seus amigos:
Priscilla Kinast
Priscilla Kinast Estudante de Ciência e Tecnologia na UFRGS - Universidade Federal do RS, apaixonada por inovações tecnológicas, mistérios da ciência, bem como filmes e séries de ficção científica
FACEBOOK // INSTAGRAM: @priscillakinast // TWITTER: @prkinast
Quer conversar com o(a) Priscilla, comente:
Carregar comentários