Oficina da Net Logo

Copa do mundo 2018: FBI diz que Rússia pode hackear smartphones de quem viajar para a Copa

O anúncio, claro, deverá deixar ainda mais as relações diplomáticas estremecidas entre as regiões.

Por | @oficinadanet Segurança digital

Na era tecnológica, além de todas as modernidades apresentadas aos usuários, o FBI também precisa estar sempre um passo à frente. O órgão, em razão dos métodos de desbloqueio de celulares, necessitou inclusive, a usar a digital de um morto para desbloquear um iPhone.

Agora, após iniciada a Copa do Mundo, o FBI pede a atenção dos seus cidadãos. O órgão está recomendando que quem viajar para a Rússia não leve os seus smartphones usuais, já que eles poderão ser vigiados pela Rússia.

O anúncio, claro, deverá deixar ainda mais as relações diplomáticas estremecidas entre as regiões. William Evanina, agente do FBI, foi enfático ao dizer que quem precisar usar os telefones em território russo devem fazer isso em aparelhos alternativos, que devem permanecer sem bateria enquanto não estiverem sendo usados.

William EvaninaWilliam EvaninaNão podemos esquecer que a Rússia está sendo acusada de interferir nas eleições de 2016 em que Donald Trump foi escolhido como o novo presidente dos Estados Unidos.

Os atritos entre os países, após um tempo de paz, voltaram a ganhar força, com acusações de que a Rússia estaria atacando importantes empresas norte-americanas.

Como podemos perceber, o FBI está realmente preocupado com o que os agentes externos podem causar à privacidade dos cidadãos norte-americanos. Vale mencionar que, recentemente, o Facebook foi alvo de uma série de escândalos envolvendo a segurança dos usuários, porém, não contou com qualquer tipo de aviso prévio por parte do FBI.

Leia também:

Não sabemos ainda se as recomendações do FBI são exageradas ou não, ou se existe algum indício real de que a Rússia poderia mesmo hackear os aparelhos dos cidadãos norte-americanos enquanto estiverem no país. Talvez essa seja apenas uma medida especulatória ou mesmo um modo de manter o atrito entre os países.

COMPARTILHE
Comentários
Carregar comentários