Qualcomm diz que espera receita de US$ 4,5 bilhões de acordo legal com a Apple

A Qualcomm divulgou ontem seus ganhos para o segundo trimestre fiscal de 2019, revelando alguns detalhes novos sobre o acordo com a Apple. Segundo a Qualcomm, ela registrará receita entre US $ 4,5 bilhões e US $ 4,7 bilhões como parte do acordo.

Por | @Vitor_Valeri Qualcomm Pular para comentários

A Qualcomm divulgou ontem seus ganhos para o segundo trimestre fiscal de 2019, revelando alguns detalhes novos sobre o acordo com a Apple. Segundo a Qualcomm, ela registrará receita entre US$ 4,5 bilhões e US$ 4,7 bilhões como parte do acordo.

A Qualcomm explica que continua avaliando os impactos contábeis de seu acordo com a Apple, mas incluiu uma receita adicional estimada de US$ 4,5 bilhões a US$ 4,7 bilhões em sua orientação para o próximo trimestre.

Por meio do acordo com a Apple, a Qualcomm é liberada de sua obrigação de reembolsar a Apple ou seus fornecedores:

“Enquanto continuamos a avaliar os impactos contábeis dos contratos, nossa orientação financeira para o terceiro trimestre do ano fiscal de 2019 inclui receitas estimadas de US$ 4,5 bilhões a US$ 4,7 bilhões resultantes da liquidação (que serão excluídas de nossos resultados Não-GAAP), consistindo de um pagamento da Apple e a liberação de nossas obrigações de pagar ou reembolsar a Apple e os fabricantes contratados de certos passivos relacionados ao cliente.”

Central da QualcommCentral da Qualcomm

A Apple e seus fornecedores retiveram estimados US$ 7 bilhões da Qualcomm ao longo de sua batalha legal com a fabricante de chips. Analistas especularam que a Apple pagou à Qualcomm cerca de US$ 6 bilhões como parte do acordo.

A Apple informou seus lucros no segundo trimestre de 2019, anteontem, mas permaneceu quieta em detalhes de seu acordo com a Qualcomm. Luca Maestri disse que os termos do acordo exigiam que as duas empresas mantivessem os detalhes financeiros em sigilo, embora a Qualcomm aparentemente tenha uma interpretação diferente do que isso significa.

Fonte: 9to5mac

Mais sobre: Qualcomm, Apple, Luca Maestri

Siga nossas redes sociais