Prédio da Sony em Nova York é vendido para grupo por US$ 1,1 bilhão

Buscando arrecadar fundos para novos investimentos, Sony anuncia venda de sede nos Estados Unidos para grupo imobiliário. Negócio deverá injetar quase US$ 800 milhões no caixa da empresa.

Por | @adrianomaas Negócios

Num período de forte crise global, mais uma gigante da área de eletrônicos sente os efeitos da diminuição de faturamento. Buscando aumentar sua liquidez frente a um mercado cada vez mais concorrido, a Sony anunciou a venda de sua sede em Nova York por US$ 1,1 bilhão. A ação, dentro da estratégia da empresa de melhorar as finanças, vem de encontro também com o anúncio feito recentemente da venda de um outro local, em Tóquio, por valores que também devem superar US$ 1 bilhão.

Segundo a empresa, foram mais de 20 ofertas para aquisição do prédio localizado em Nova York, entre elas de empresas como Boston Properties e Mitsubishi, mas o negócio foi fechado com um consórcio imobiliário liderado pelo grupo The Chetrit. Ainda assim, a empresa pretende utilizar o prédio (locá-lo) por um longo período, em torno de três anos. O negócio deverá resultar no ingresso de recursos líquidos de aproximadamente 800 milhões de dólares no caixa da empresa.

A negociação será umas da maiores nesse ramo nos EUA. O prédio de 37 andares foi adquirido em 2002 por 236 milhões de dólares. O presidente executivo da companhia Kazuo Hirai, alega que a medida se faz necessária para alavancar os negócios da empresa, que deverá investir pesado no ramo de celulares, tablets e video games, buscando enfrentar produtos de Samsung e Apple.

A Sony vem sendo fortemente afetada pela crise, e seus resultados anuais já somam quatro anos de prejuízos em sequência.

Mais sobre: sony, crise global
Share Tweet
DESTAQUESRecomendado
Mais compartilhados
Comentários