Google desenvolve processo para aperfeiçoar resolução de imagens

A companhia tenta encontrar os elementos que geralmente constam nesse tipo de foto a partir de um processo de análise.

Por | @RafaelaPozzebon Tecnologia

Fotos com resoluções ruins podem estar prestes a acabar. O Google está treinando uma de suas inteligências artificiais para aperfeiçoar as imagens que não estão nítidas, como borradas.

Para isso, a companhia tenta encontrar os elementos que geralmente constam nesse tipo de foto a partir de um processo de análise. Até então, o Google Braian consegue transformar imagens de 8X8 pixels, com detalhes recriados que lembram muito o arquivo original. O resultado pode ser visto abaixo:

Google desenvolve processo para aperfeiçoar resolução de imagens

Leia também:

O funcionamento envolve duas redes neurais que estão em constante processo de aprendizado. A primeira delas pega a imagem em baixíssima resolução e praticamente sem detalhes e compara com um banco de dados de fotos em altíssima resolução, porém, que foram comprimidas para ficarem menores.

Já a segunda rede neural tem a função de aplicar pixels adicionais às fotos de baixa resolução baseada nos resultados do primeiro teste. O aprendizado ocorre assim: Os pixels vermelhos abaixo dos olhos provavelmente são os lábios, já uma forma retangular de pixels na cor preta na foto de um quarto indica uma televisão. Em suma, é uma forma de completar um trabalho inacabado baseado nas informações pré-existentes.

Google desenvolve processo para aperfeiçoar resolução de imagens

O algoritmo usado é o Pixel CNN, desenvolvido pela Universidade de Cornell.

A inteligência artificial está longe de ser perfeita, já que os resultados ainda não são 100% satisfatórios, sendo que várias imagens ficam deformadas e até, em fotos de humanos, o rosto fica ainda mais borrado. Em testes com humanos, 10% dos participantes acabaram sendo enganados pelas imagens de celebridades aperfeiçoadas através do computando, acreditando serem fotos reais. Em relação a fotos de quartos, os erros foram de 28%.

Mais sobre: google, redes, neurais
Share Tweet
DESTAQUESRecomendado
Mais compartilhados
Comentários