10 jogos que farão ou já fizeram você chorar

Prepare a caixinha com os lencinhos para enxugar as lágrimas, esta é a nossa lista de jogos que já te fizeram, fazem ou farão você chorar enquanto joga.

Por | @grasiel_grasel Games

Engana-se quem acha que jogos foram feitos apenas para diversão, muitos deles são feitos para inspirar, educar e, especialmente, emocionar. Se você já teve uma experiência com um game que te fez chorar, seja por sua história, ambientação ou até mesmo por seus mistérios, sabe muito bem do que estamos falando.

Caso você ainda não saiba o que é sentir o mais variado mar de sensações ao jogar um simples jogo, aqui vai a lista do Oficina da net de jogos que certamente vão te fazer chorar (isso se você já não chorou jogando eles).

Gears of War

Ao longo de toda a história dos primeiros games de Gears of War acompanhamos a missão de Dom, o melhor amigo do protagonista Marcus Fenix, em busca de sua esposa Maria, a qual desapareceu quatro anos depois do E-Day. O momento em que o personagem encontra a sua amada é um dos mais emocionantes de toda a saga.

Como se os momentos de dor do personagem em busca de Maria já não fossem o suficiente, em Gears of War 3, uma cena ainda mais triste é protagonizada por Dom.

ATENÇÃO: O VÍDEO ABAIXO CONTÉM SPOILERS DE GEARS OF WAR 2

Leia também:

Life is Strange

São poucos os jogos que ousam falar de tantos assuntos delicados quanto Life is Strange, praticamente todas as situações complicadas pela qual um jovem pode passar são abordadas no game, mas isso não é tudo, a mecânica escolhida para o jogo como “diferencial”, de voltar no tempo para reaver suas decisões, faz você pensar muitas vezes qual delas é a “menos pior”. A maneira que o jogo aborda assuntos como o “efeito borboleta” ou a “teoria do caos” é genial, mas o que realmente chama a atenção no game e o torna emocionante é a relação entre Max e Chloe, que passa por diversos momentos que podem fazer até o jogador de coração mais duro chorar.

Bioshock

Bioshock é uma das sagas de jogos mais bonitas já feitas, o próprio conceito de criação do game é algo absolutamente incrível, e isso nos é provado já nos minutos iniciais do primeiro jogo, quando ouvimos Andrew Ryan, o criador da cidade submersa de Rapture, contando os motivos que o levaram a isolar uma sociedade criada por ele da crueldade do mundo. Não se emocionar com esta cena inicial já é uma tarefa difícil.

Em ambos os dois primeiros jogos de Bioshock temos que tomar a dura decisão de aumentar o poder do protagonista ao sugar a vida das pequenas “Little Sisters” ou salvá-las de sua insaciável busca por ADAM usando um de seus poderes para “curá-las”, ouvindo a promessa de um dia sermos recompensados por isto. O que realmente emociona no game são as consequências de suas decisões tomadas nestes momentos, mudando completamente o final do jogo a cada little sister salva ou drenada.

Ori and The Blind Forest

Nem sempre a história de um jogo precisa ser a mais complexa possível para ser emocionante, e isto Ori and The Blind Forest deixa bem claro desde o começo com a morte de Naru, figura materna de Ori, já nos primeiros 10 minutos do game. É incrível acreditar que você construiria uma relação de afeto pelos personagens em apenas alguns minutos, mas segurar as lágrimas nesta cena inicial é uma tarefa tão difícil quanto qualquer fase do jogo mais difícil.

Valiant Hearts

Falar sobre guerras é sempre muito difícil, afinal, todas as atrocidades de um conflito armado só geram coisas ruins para ambos os lados, e é exatamente isso que Valiant Hearts busca mostrar. O jogo conta com a história de quatro protagonistas, um de cada principal país participante da 1ª Guerra Mundial: o fazendeiro francês Emile, o soldado americano Freddie, a enfermeira belga Anna e o soldado alemão Karl, sem contar com a parceria do cãozinho Walt.

Cruzando os destinos dos protagonistas em um mundo aos pedaços, o seu objetivo no game é manter os personagens vivos enquanto enfrentam os horrores de uma guerra, mostrando que, por mais que o seu fim possa ser um alívio, ela ainda terá terminado depois de muitas mortes.

Shadow of The Colossus

Considerado por muitos como um dos melhores jogos de todos os tempos, Shadow of The Colossus possui uma base narrativa simples, do clássico herói que busca salvar a sua amada, no entanto, o enredo vai muito além disso, criando uma mitologia única dentro de sua própria história e dando outros sentidos para a trama que vão além do incansável objetivo do protagonista Wander em trazer Mono de volta à vida.

A relação que o jogador começa a ter com as criaturas gigantescas ao longo do game, começando a perguntar a si mesmo se destrui-las e salvar Mono é realmente o correto a fazer, é algo inexplicável. A ligação do protagonista com sua égua Agro é igualmente forte e, em cada momento que você precisa se separar dela, a sensação de estar realmente sozinho é muito presente. A trilha sonora e a direção de arte são absurdamente incríveis, e aliadas ao enredo misterioso e emocionante do game, segurar as lagrimas com a conclusão da história é uma tarefa bastante difícil.

ATENÇÃO: O VÍDEO ABAIXO CONTÉM SPOILERS DO JOGO

Journey

Embora que servir de referência em elementos visuais seja realmente muito importante, este não é nem de longe o objetivo de Journey. A maneira como o jogo relaciona a jornada do protagonista com a vida real é algo praticamente indescritível, você pode estar em um deserto completamente vazio, mas ainda assim poderá ver alguma beleza nisso, talvez encontre um companheiro em sua caminhada, mas talvez acabe se perdendo dele em algum momento. Por mais que o protagonista seja mudo ou não demonstre nenhum tipo de emoção, a possibilidade de criar vínculos com outras pessoas que encontrar jogando o mesmo trecho que você é simplesmente inexplicável, e a sensação de ver que ela pode não estar mais do seu lado no próximo capítulo é tão dura quanto ver de fato ela desaparecer.

Journey vai além dessa experiência de criar vínculos entre jogadores somente por gameplay, sem troca de palavras ou gestos. O final da sua jornada é uma verdadeira filosofia de como vemos e lidamos com a morte, os elementos visuais que acompanham esse pensamento mexem com as suas emoções de tal maneira que é difícil não lembrar dos caminhos que você trilhou até o fim dessa caminhada.

Red Dead Redemption

John Marston pode até ser um cowboy durão do velho oeste, mas quando se trata de família, nem o coração mais duro suporta a emoção de ter que lidar com o assunto. Em Red Dead Redemption você pode viver as aventuras incríveis em um ambiente western, no entanto, nada chama mais a atenção do que a história do protagonista que luta pela segurança de sua família desde o começo, sendo obrigado a fazer coisas que jamais faria só para poder velos vivos novamente.

A maneira como a história se desenrola, mostrando o desespero de John em tentar fazer o que a justiça corrupta do velho oeste lhe obriga, é realmente tocante, porém, é o desfecho da história, depois que você acha que já está tudo bem, que realmente parte o coração. Conduzir os personagens para um cenário final que você acabou de sair é tão difícil quanto domar o pior cavalo selvagem do oeste.

ATENÇÃO: O VÍDEO ABAIXO CONTÉM SPOILERS DO JOGO

The Walking Dead (Telltale Games)

Esqueça o que você conhece sobre qualquer produto ambientado no universo de The Walking Dead, esse jogo da Telltale Games pode te surpreender e emocionar tanto quanto qualquer seriado ou HQ, pois ele tem a sua própria história e seus próprios personagens.

A relação entre Lee e Clementine é uma das mais fortes que você verá em qualquer game, como se ambos fossem realmente pai e filha. O joto te obrigado a tomar decisões que afetam pessoas que estão a sua volta e, claro, a convivência entre os protagonistas, no entanto, nada se compara a difícil decisão que você precisa tomar no final do jogo, que talvez seja a mais difícil a ser tomada em toda a sua vida como um amante dos games.

The Last of Us

Uma verdadeira obra prima dos videogames, a combinação perfeita de uma trilha sonora espetacular com uma história incrível, não há como descrever melhor The Last of Us se não dessa forma. Introduzir o jogador a um ambiente apocalíptico, onde um fungo está transformando a humanidade em mortos vivos e a única esperança para a salvação está em suas mãos, parece algo fácil, mas a Naughty Dog sempre prefere investir mais, aplicando enredos mais complexos e emocionantes.

Ellie é a única esperança para a salvação da humanidade, e é Joel quem precisa leva-la até um local seguro, onde uma cura possa ser estudada, no entanto, é obvio que essa jornada não é nada fácil, obrigando os dois a trabalharem juntos para sobreviverem, o que acaba criando uma relação muito forte entre os dois, como a de um pai com uma filha. Ao longo da história de The Last of Us você vai se surpreender, se assustar e, com absoluta certeza, você vai chorar. O peso da trama e o quão forte o jogo investe em forçar emoções ficam bem claras nos 15 minutos iniciais do game, quando Joel vê a própria filha morrer em seus braços.

Leia também:

Essa foi a nossa lista com alguns dos jogos mais emocionantes de todos os tempos. Você acha que ainda falta algum título? Deixe um comentário abaixo!

Mais sobre: games, jogos, listas
Share Tweet
DESTAQUESRecomendado
Mais compartilhados
Comentários