Banco de dados em nuvem da Kaspersky já possui um bilhão de itens maliciosos

Por surgirem novas ameaças todos os dias, é impossível processar cada uma delas de forma manual.

Por | @oficinadanet Segurança digital

O banco de dados em nuvem da Kaspersky Lab contém um bilhão de itens maliciosos, como vírus, trojans, ransomware, backdoors, bem como aplicativos de publicidade e seus componentes.

O Astraea, um sistema de análise automática de malware que opera dentro da infraestrutura da Kaspersky Lab, foi responsável pela descoberta de um quinto do total de itens. Ele analisa automaticamente as notificações recebidas de computadores protegidos e ajuda a descobrir ameaças ainda desconhecidas.

Banco de dados em nuvem da Kaspersky já possui um bilhão de itens maliciosos

Leia também:

Por surgirem novas ameaças todos os dias, é impossível processar cada uma delas de forma manual. A automação, portanto, é muito importante no processo de descoberta e análise do malware, tudo isso associado ao conhecimento humano. Em conjunto, é a melhor alternativa para combater as ameaças virtuais modernas.

Nos últimos cinco anos, a porcentagem de malwares descobertos e adicionados automaticamente ao banco de dados em nuvem da Kaspersky Lab pelo Astraea tem aumentado regularmente. Em 2012 foi 7,53% e em 2016 saltou para 40,5%. A proporção aumenta em sincronia com o número de novos arquivos maliciosos descobertos diariamente pelos especialistas e sistemas de detecção da kaspersky Lab, com crescimento de 70.000 arquivos por dia em 2011 para 323.000* por dia em 2016.

“Ter um bilhão de arquivos maliciosos exclusivos é um marco incrível. Isso mostra a dimensão do submundo do crime virtual, que evoluiu de vários fóruns pequenos que ofereciam ferramentas maliciosas personalizadas para a produção em massa de malware e atividades cibercriminosas feitas sob medida. Esse marco também destaca a qualidade e a evolução de nossas tecnologias automatizadas de análise de malware. Desse bilhão de arquivos, mais de 200 milhões foram adicionados pelo sistema de análise automática Astraea. Nossos sistemas avançados não somente detectam a grande maioria dos malware conhecidos encontrados diariamente como também descobrem ameaças desconhecidas. Embora os outros 800 milhões de arquivos tenham sido adicionados por outros sistemas internos de detecção ou por nossos especialistas, a contribuição para a base de dados em nuvem da Kaspersky Lab feita por meio do sistema de análise automática é significativo e continuará aumentando”, diz Vyacheslav Zakorzhevsky, chefe da equipe de antimalware da Kaspersky Lab.

Os dados fazem parte do Boletim de Segurança de 2016 da Kaspersky.

Mais sobre: malwares ameacas virus
Share Tweet
Recomendado
Comentários
Carregar comentários
Destaquesver tudo