Oficina da Net Logo

Facebook admite ter inflado estatísticas de consumo de vídeo por dois anos

A companhia define que um vídeo tenha sido visto quando o internauta para três segundos com ele rodando. Porém, houve confusão entre essa definição e o que ocorre na realidade.

Por | @oficinadanet Redes sociais Pular para comentários

O Facebook admitiu ter calculado de forma errônea as suas estatísticas sobre consumo de vídeo na rede social, um dado bastante relevante para que os anunciantes possam decidir sobre o investimento em publicidade na plataforma.

Após Facebook reconhecer equívoco, anunciantes poderão reavaliar suas estratégias.
Após Facebook reconhecer equívoco, anunciantes poderão reavaliar suas estratégias.

"Recentemente descobrimos um erro na forma de calcular uma de nossas estatísticas de vídeo. O erro foi resolvido, não afetou o faturamento e informamos a nossos parceiros. (...) Esta estatística é uma das muitas que nossos parceiros utilizam para planejar suas campanhas de vídeo", informou a companhia através de comunicado.

A companhia define que um vídeo tenha sido visto quando o internauta para três segundos com ele rodando. Porém, houve confusão entre essa definição e o que ocorre na realidade.

A ferramenta que calculava a média de tempo gasto pelos usuários assistindo os vídeos levava em consideração os vídeos que eram vistos por mais de três segundos, os outros eram ignorados, o que acabou produzindo resultados falsos.

O jornal Wall Street Journal foi o responsável por antecipar e informação, e conforme a publicação, o Facebook inflou o tempo médio de visualização dos anúncios em vídeo durante dois anos e não levou em consideração as peças que duraram menos de três segundos.

A companha de Mark Zuckerberg, nos últimos anos informou sobre o aumento expressivo de consumo de vídeos na plataforma, bem como o aumento no número de usuários a cada trimestre e do tempo em que eles passavam na rede social.

No último trimestre, a empresa arrecadou US$ 6,24 bilhões em publicidade, 63% a mais que nos mesmo período de 2015. 

Assista ao nosso último vídeo: