Oficina da Net Logo

Google registra recorde de pedidos de governos sobre dados de usuários

Google informou que governos de várias partes do mundo realizaram um total de 40.677 pedidos.

Por | @oficinadanet Internet

De acordo com o Google, as solicitações de governos para conseguir dados de usuários junto ao Google registraram número recorde na metade 2015.

Em um relatório divulgado na segunda-feira (18), o Google informou que governos de várias partes do mundo realizaram um total de 40.677 pedidos, que estão associados a mais de 81 mil contas entre julho e dezembro de 2015.

Google registra recorde de pedidos de governos sobre dados de usuários

Leia também:

Nos seis meses anteriores ao período relatado, o Google registrou 35 mil pedidos, que estavam vinculados a quase 69 mil contas.

"O uso de nossos serviços aumentou a cada ano, assim como as solicitações de dados dos usuários", disse o Google. A empresa informou ainda que atendeu aos pedidos de 64% dos casos.

A maioria dos pedidos partiu dos Estados Unidos, somando 12.523 solicitações. A Alemanha aparece em segundo lugar (7.491), França (4.174) e Reino Unido (3.497).

O Brasil, por sua vez, aparece na oitava posição, com  912 pedidos, vinculados a 2.041 contas. Entre janeiro e junho de 2015, o governo brasileiro realizou 774 pedidos relacionados a 1.547 usuários.

"O respeito com a privacidade e a segurança dos dados armazenados pelo usuário é o que sustenta nossa abordagem de divulgação de dados em resposta a essas solicitações oficiais. Quando recebemos essas solicitações, nossa equipe as analisa para garantir que elas seguem os requisitos legais e as políticas da Google."

O Google disse que a entrega de dados é realizada de acordo com os processos legais dos países onde opera, isso tudo para manter a privacidade dos usuários.

"O Google se orgulha de ter saído na frente na publicação desses relatórios, ajudando a divulgar as leis e práticas de vigilância governamental no mundo todo", disse Richard Salgado, diretor legal do Google.

"Esta mudança ajuda a responder as preocupações sobre a capacidade dos não americanos de corrigirem reclamações relativas a dados coletados e armazenados pelo governo dos Estados Unidos sob a lei americana", disse Salgado sobre um acordo entre Estados Unidos e União Europeia sobre privacidade.

"De fato, as distinções que as leis de privacidade e vigilância dos Estados Unidos fazem entre cidadãos americanos e não americanos são cada vez mais obsoletas em um mundo onde as comunicações ocorrem principalmente em um meio global: a internet", completou.

COMPARTILHE
Siga no instagramHistórias DigitaisComparador de SmartphonesLançamentos da Netflix
Comentários
Carregar comentários