Sonda Rosetta e Cometa Tchouri chegam a ponto mais próximo ao Sol

Cometa chega ao ponto mais próximo do Sol. Objetivo do estudo é descobrir a origem da vida na Terra.

Por | @oficinadanet Ciência

Na quarta-feira (12), o cometa “Tchouri”, acompanhando da sonda europeia Rosetta, alcançou o ponto mais próximo ao Sol em sua trajetória. A missão está em busca da origem da vida na Terra.

O cometa 67P/Tchouriumov-Guerasimenko se encontra a 186 milhões de quilômetros do Sol e a 265 milhões de quilômetros da Terra. O cometa atingiu o periélio, ou seja, o ponto mais próximo ao Sol, às 23h03, pelo horário de Brasília.

Vale notar que esta é a primeira vez que uma sonda espacial acompanha um cometa até o ponto mais próximo do Sol.

Para a missão, os cientistas esperam que os jatos de gás, que são extremamente poderosos sob o efeito do calor, façam com que seja possível a captura de partículas orgânicas deixadas pela formação do sistema solar e presas há 4,6 milhões de anos no gelo do “Tchouri”.

Sonda Rosetta e Cometa Tchouri chegam a ponto mais próximo ao Sol

Leia também:

Os cometas são pequenos corpos do sistema solar que são constituídos de um núcleo feito de gelo, de materiais orgânicos e pedras, e ainda envoltos de poeira e gás. Por isso, com a proximidade do Sol, o gelo subterrâneo do cometa se transforma em vapor, o que provoca tempestades de gás e poeira e projeta partículas.

"Este é o momento de mais ação", declarou à agência France Presse Mark McCaughrean, assessor científico da Agência Espacial Europeia (ESA).

O cometa em questão tem forma de pato, diz o cientista. De acordo ele, um ótimo cenário aconteceria se o “pescoço do pato” se partisse, e com isso revelando o material que há enterrado nele. "Este seria realmente o Santo Graal... ver o interior do cometa", afirmou entusiasmado McCaughrean.

O 67P/Tchouriumov-Gerasimenko, após atingir o periélio, se afasta do Sol seguindo uma longa curva elíptica de sua órbita de seis anos e meio.

"Estamos à procura de matérias-primas virgens que podem escapar" da parte de baixo da camada de poeira deixada pelo último periélio, explica Mark McCaughrean.

MAIS SOBRE ciencia terra origem
SHARE
Comentários
Você precisa lerver tudo
Mais recentesver tudo
 
  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER

    As melhores publicações no
    seu e-mail