Alibaba lança o TBO, serviço de stremaing destinado para o mercado local

De acordo com a agência de notícias Reuters, o maior serviço de e-commerce da China e quem sabe do mundo, Alibaba, anunciou na última semana que irá se aventurar em um novo campo, o de streaming de vídeo.

Por | @oficinadanet Entretenimento

Segundo a referida agência de notícias, o anúncio foi efetuado pela empresa local, onde em comunicado, a mesma informou que o novo serviço deverá estar funcionando já nos próximos meses e terá a denominação de TMall Box Office – TBO e segundo a própria companhia criadora do novo serviço, esta versão de streaming será uma versão semelhante para o mercado chinês dos famosos HBO Go e Netflix.

Alibaba lança o TBO, serviço de stremaing destinado para o mercado local

Ainda de acordo com o Alibaba, os conteúdos que serão oferecidos pelo seu serviço, terão produções locais, ou seja, comprados na China e também produções do exterior, ambas como criações da própria TBO. O novo serviço de streaming de vídeos que chegará ao mercado local chinês oferecerá 90% do seu conteúdo de forma “paga”.

A ideia inicial do Alibaba com este serviço é a de oferecer programações como filmes de ação conhecidos no ocidente, séries românticas semelhantes as nossas “novelas” e outros conteúdos.

Em uma breve explanação em relação ao TBO, o responsável pela divisão de entretenimento digital do grupo, Patrick Liu, disse que: “Queremos nos tornar num serviço como a Netflix nos Estados Unidos, criando uma nova experiência de consumo de entretenimento em casa”. A TBO irá enfrentar uma concorrência muito grande no mercado Chinês, não apenas da Netflix e HBO Go, mas também de empresas como o Tencent, Baidu e Sohu, que em breve poderão dar a sua cartada.

Vale salientar que o anúncio do TBO por parte do serviço de e-commerce, neste segmento, veio após o Netflix informar que está negociando com distribuidores de conteúdos chineses para a sua entrada no país em questão, mercado este que possui diversas barreiras para empresas estrangeiras devido às suas leis protecionistas, sejam elas de internet ou de televisão.

DEIXE SEU COMENTÁRIOComente aqui
Assine a nossa newsletter

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Comentários