Os 25 tipos de paradoxos temporais e o derretimento do seu cérebro

Quem nunca assistiu De Volta Para o Futuro e ficou imaginando como seria viajar no tempo?

Por | @Evilmaax Ciência

E mais, quem não ficou louco com o Marty McFly lá no primeiro filme da trilogia, quando ele volta no tempo, e depois de uma confusão precisa fazer com que seu pai e sua mãe se encontrem, apaixonem, e então ele e seus irmãos possam nascer? Isso nos leva a pensar uma coisa: ele só pode voltar ao passado porque “estava nascido” no presente, porém, se havia nascido foi porque ele próprio já havia voltado anteriormente e feito tudo isso, mas como ele voltaria e organizaria seu próprio nascimento se ainda não existia para voltar e fazer tudo acontecer??? De algum forma o ciclo não consegue iniciar, afinal para ele nascer ele precisaria voltar ao passado, mas como voltar ao passado sem antes nascer??? AAAAAAAAAARGH

E mais, porque seus pais não lembravam, no presente, de terem conhecido ele, 20 anos antes? Se você já está com a cabeça fritando, nem vou me aprofundar no outro paradoxo que acontece no 3º filme, quando o Doutor é morto no Velho Oeste (cerca de 200 anos antes do presente), impedindo que ele estivesse vivo no presente e construísse a máquina do tempo no 1º filme para que então pudesse voltar ao Velho Oeste para morrer!!

Enfim, o que estou querendo dizer é que viajar no tempo não é tão simples como parece e este ato gera MUITOS paradoxos, e são alguns deles que vamos ver hoje.

01 - Paradoxo do Avô

Esse é com certeza o mais famoso de todos, tanto que, é aquele que ocorre no filme. Funciona assim: Imagine um viajante temporal que volta ao passado com a missão de matar seu próprio avô enquanto este ainda é uma criança, desta forma o pai do viajante não nasceria, tão pouco o viajante. Ok, digamos que ele tenha feito tal ato, o que aconteceria agora ao viajante? Será que ele deixaria de existir? Bom se ele deixasse de existir então não poderia voltar ao passado e matar seu avô, logo seu pai nasceria, ele nasceria e então, poderia voltar no tempo para cometer o assassinato.....BANG!!!

02 – Paradoxo das Linhas de Tempo Alternativas

Segundo esse, o passado não pode ser modificado, de forma alguma, impossível. Assim, qualquer tentativa de mudá-lo por um viajante irá causar a o surgimento de uma linha de tempo alternativa, ou seja, um universo paralelo. Um local coexistente ao presente de onde ele veio, paralela à linha temporal original a partir daquele ponto de mudança, onde ele mudou as coisas. E não precisaria ser um grande evento, não, como a morte de Hitler ainda bebê, por exemplo, a simples chegada do viajante ao passado já causaria sua mudança e faria surgir uma nova dimensão, tão real quanto aquela da qual ele veio.

03 – Paradoxo dos Loops de Informação

Origina-se quando uma certa informação é enviada do futuro para o passado, de modo que, a mesma passa a se tornar a fonte inicial da informação, tal como existia no futuro.

04 – Paradoxo da Acumulação

Vamos imaginar Imaginemos que você volte a um determinado ponto do seu passado, onde, originalmente esteve, digamos que seu aniversário de 16 anos. Nessa realidade você encontraria sua própria cópia, ou seu original, enfim, a partir dali, uma outra cópia sua passaria a existir. Teria 2 de você por aí nesse momento, aí digamos que nesse universo a cópia chegasse ao presente e também voltasse ao mesmo passado. Pronto, teríamos 3 de você...

05 - Paradoxo da Causa e Efeito

Esse é o caso clássico de viagem no tempo. Afinal, quem não gostaria de voltar no tempo e fazer alguma coisinha de modo diferente? Assim, caso você viajasse para o passado com este objetivo, ao alterar um evento para mudar o presente, por exemplo, impedir que alguém da sua família morra, o motivo pelo qual você viajou iria deixar de existir, e, consequentemente a viagem também não teria necessidade de ocorrer, então ela não estaria viva, e bem, como você deve estar imaginando, voltamos àquele ciclo sem respostas.

06 – Paradoxo do Deslocamento em Trânsito

Segundo teorias, a cada viagem, os aventureiros levam consigo seu próprio tempo, ou, entre outras palavras, levam o presente do modo exato como estava no momento de sua viagem, e por isso, não poderiam ser afetados por alterações ocorridas depois de sua partida. No entanto, quando voltarem ao seu presente sofrerão os efeitos das alterações por retornarem a um presente agora modificado. Essa é uma possível solução ao paradoxo 1, o do avô.

07 – Paradoxo da História Retroativa

Esse é mais simples de se entender – ou não. Ocorre quando pessoas do futuro (digamos que hoje), que não haviam nascido na época de algum acontecimento (digamos que a Revolução Francesa), volta à essa época e acaba se tornando protagonista desse evento.

08 – Paradoxo dos Loops Sexuais

Esse é fácil de imaginar, e ocorre quando um viajante temporal volta ao passado, acaba fazendo sexo com um ancestral e, por fim, torna-se um ancestral de si mesmo.

09 – Paradoxo da Descontinuidade

Esse não envolve 1 viajante do tempo, mas 2, 3, ou sabe-se lá quantos você conseguir imaginar. Acontece assim: Alguém viaja e encontra no passado um conhecido que partiu de um ponto do futuro diferente do dele. Essa pessoa pode não reconhecer o viajante, pois no presente dela, eles ainda não se encontraram, ou pode ocorrer o contrário, o viajante pode encontrar alguém que veio de um tempo mais à frente do que o seu, e que, por isso, sabe o que vai ocorrer com ele dali para a frente.

Os 25 tipos de paradoxos temporais e o derretimento do seu cérebro

10 – Paradoxo Final

Quero ver você achar uma resposta para esse. Segue: Um viajante volta ao passado e muda a História de modo que viagem no tempo nunca venha a ser inventada; exemplo: volta e mata o avô do criador da tecnologia, e o pai do financiador do projeto, fazendo a fortuna dos investidores nunca existir. E agora???

11 – Lei dos Paradoxos Menores

Se dois paradoxos mutuamente exclusivos puderem ocorrer ao mesmo tempo devido a uma só viagem do tempo (digamos que o do avô e o da causa e efeito), acontecerá primeiro o menos paradoxal deles. Sim, até os paradoxos temporais têm regras a serem seguidas.

12 – Paradoxo da Fraude

Um dos meus preferidos. Digamos que certo viajante volte ao passado e efetue uma ação qualquer. Essa ação no passado, causada pelo viajante do futuro, afeta a linha do tempo, que se desenrola até chegar novamente ao viajante em seu tempo atual (antes da viagem), e esse, decide fazer tudo de modo diferente, ou seja, não realizar tal ação que mudou tudo.

13 – Paradoxo da Duplicação

Ocorre quando alguém volta ao passado, encontra-se consigo mesmo, e por causa de algo que faz, impede sua versão passada de viajar futuramente ao passado, tal como fez, alterando assim sua própria História e criando uma duplicata permanente e uma nova realidade.

14 - Paradoxo da Alteração da História 

Estabelece-se quando um viajante volta ao passado e altera a História. Não satisfeito, ele volta no tempo outras tantas vezes e altera ou reverte a própria alteração, editando assim a História. Praticamente um paradoxo dos paradoxos.

15 – Paradoxo da Propagação

Este paradoxo envolve variáveis físicas de tempo e espaço. Exemplo: Será que a velocidade na qual a alteração da História irá se propagar será constante? Será instantânea? Irá seguir uma taxa de propagação arbitrária e imprevisível? Ou será que vai depender de um certo fator, como a probabilidade de que a alteração feita seja irreversível? Façam suas apostas.

16 – Paradoxo dos Loops de Objetos e Pessoas 

Como o nome sugere, esse acontece no momento em que um objeto ou pessoa é aprisionado em um loop temporal, como no Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, ou quando a própria existência da pessoa no futuro depende de ações causadas por ela no passado, como no filme “O Exterminador do Futuro” e a Skynet e os ciborgues.

17 – Paradoxo dos Loops de Repetição

Acontece quando a viagem no tempo não se dá no sentido tradicional como vimos até aqui, onde a pessoa entra em um Delorean ou qualquer outra máquina do tempo e se transporta no sentido físico da palavra – com seu corpo – para um outro ponto do passado ou futuro, mas quando ela “revive” várias vezes em um intervalo aleatório de tempo, como acontece no filme “Feitiço do Tempo”. Dois paradoxos estão envolvidos aqui. São eles: O loop de repetição em si que é inexplicável pelas nossas leis da física, e o fato de que a pessoa envolvida mantém as mesmas memórias após cada volta do loop e ressurgimento em um ano aleatório.

Os 25 tipos de paradoxos temporais e o derretimento do seu cérebro

18 – Paradoxo Genético 

Acontece quando um viajante do tempo tenta propositadamente tornar-se seu próprio pai ou ancestral (aqui está a diferença do paradoxo sexual). Como sabemos, para que possamos nascer, metade dos genes do nosso pai se unem a metade dos genes da nossa mãe e voilá, temos carga genética para surgir um novo ser.

Acontece que para se tornar pai de si próprio, o viajante terá que obter metade de seus genes de si mesmo, e a outra metade da sua mãe (que ele também já tem em seu código), ou seja, os genes são idênticos. E esse problema não está somente na ligação direta mãe e filho ou pai e filha, mas sim em qualquer grau de ancestralidade. Para atenuar a tensão do ambiente, não consigo imaginar alguém tão louco ao ponto de querer testar esse paradoxo.

19 – Paradoxo da Duplicação Cumulativa

Acontece quando um objeto ou pessoa é removido de seu tempo originário, depositado em um outro momento, e, depois do retorno a um instante imediatamente anterior à primeira remoção, repete-se o processo, transportando-se sempre a pessoa ou o objeto removido para o mesmo tempo e local. Faça isso várias vezes e você terá diversas cópias do objeto/pessoa (o pessoal que fazia o cheat de duplicação de itens no vídeo game sabe do que eu estou falando). Caso você esteja se perguntando se não é a mesma coisa do Paradoxo da Acumulação, explicamos a diferença: naquele paradoxo há uma linha contínua ligando todas as cópias em sucessivas viagens, aqui, traçar essa linha não é possível.

20 – Paradoxo Metabólico

Mais um que envolve conceitos físicos da matéria avançados (todos os conceitos da física são avançados para mim). Acontece no momento em que o viajante perde sua integridade temporal quando transportado para o passado ou futuro devido ao seu metabolismo, ocasionada pela constante troca dos seus átomos originais por átomos da sua novíssima matriz temporal.

21 – Paradoxo da Substituição Temporal

Semelhante ao anterior, mas diferenciável por suas causas e consequências. Ocorre quando um viajante passa um longo período no passado. Acontece que como ele não é parte daquela matriz temporal obsoleta, ocorre uma substituição espontânea de todos os seus átomos por átomos do passado (sim, nossos átomos estão sempre se renovando, vide as células de pele que “morrem” e são substituídas diariamente). Segundo os teóricos, isso iria acabar gerando um novo indivíduo – considere o antigo viajante como um monte de átomos diluídos e integrado a outras formas – com novas memórias. Com isso a História mudará e a linha temporal original – o futuro – do viajante desaparece (pelo menos assim como ele a deixou quando viajou).

22 – Paradoxo Mnemônico 

Acontece depois da ocorrência de um Paradoxo de Alteração da História, de Descontinuidade ou então de um Paradoxo da Fraude que envolvam o próprio viajante. Isso é, quando ele afeta seu “eu” passado, embora ainda não tenha memoria desse evento de seu próprio passado.

23 – Paradoxo do Continuum 

Envolve o conceito de que tudo o que aconteceu ou irá acontecer já está registrado no “Continuum”, mais um conceito (MUITO) abstrato, e o passado até pode ser afetado, mas não modificado pelos viajantes. Até mesmo a própria viagem no tempo já estaria ali registrada. Nesse caso, não só o passado não poderia ser modificado como, por exemplo, um viajante do tempo que visitasse várias vezes certo momento ao longo de sua vida, acharia neste tempo todas as suas duplicatas desde a primeira visita (elas sempre estiveram lá, assim como ele sempre tinha essa viagem no tempo para fazer). Este paradoxo que talvez seja o mais complexo de ser imaginado acaba por afetar vários outros paradoxos e até mesmo o conceito de livre arbítrio. Aaah, e ele também pode ser chamado de Paradoxo do Universo em Bloco ou Paradoxo Fatalista.

24 – Paradoxo das Linhas de Tempo Alternativas 

Desdobra-se em:

24.1 –Linhas Paralelas Conjunturais

Aqui o passado não pode ser modificado, e, qualquer tentativa causará a criação de uma Linha de Tempo Alternativa (LTA), paralela à Linha de Tempo Original (LTO) a partir do ponto de mudança. O problema é que, se levarmos ao pé da letra, a simples chegada de um viajante do passado já causaria sua mudança (ou vai dizer que você vê isso ocorrer com frequência??), e por isso o viajante sempre “aterrissaria” numa LTA, antes mesmo que ele pudesse tomar qualquer possível ação no passado. Uma possível solução dize que isso só se aplicaria ao Paradoxo do Avô.

24.2 – Linhas Paralelas Estruturais

Já de acordo com essa variante, há infinitas LTAs, que se dividem (calma, tá acabando) em outras duas possíveis estruturas, dependendo da ação do aventureiro temporal:

24.2.1 – LTA Macroscópica

Aqui, sempre vai existir uma linha de tempo alternativa (LTA) para cada possível opção de alteração macroscópica da linha de tempo original (LTO).

24.2.2 – LTA Quântica

Por fim, de acordo com este raciocínio, sempre existirá uma LTA para cada possibilidade de escolha quântica para cada partícula subatômica do universo. Bom e aqui terminamos para não ter que entra em conceitos como Teoria das cordas ou do multiverso (pelo menos por enquanto).

E aí, o que achou? Qual sua preferida, no que você apostaria como mais provável, como solução? E se você não entendeu, não se preocupe, aliás, preocupe-se apenas se você entender 100%.

Conte-nos tudo nos comentários.

Mais sobre: viagem no tempo, ciência, espaço
Share Tweet
DESTAQUESRecomendado
Mais compartilhados
Comentários