WhatsApp soma prejuízo de US$ 232 milhões para o Facebook

Mesmo com prejuízo, WhatsApp não contará com publicidade para gerar lucros.

Por | @RafaelaPozzebon Redes sociais

O Facebook adquiriu o famoso aplicativo de mensagens instantâneas em janeiro deste em um acordo bilionário, ou seja, de US$ 22 bilhões. Porém, ao que tudo indica os lucros ainda estão longe de aparecer. Na última quarta-feira (28), o Facebook, através de documentos enviados à autoridade financeira dos Estados Unidos revelou que nos seis primeiros meses do ano o WhatsApp gerou prejuízo de US$ 232 milhões.

Os dados da situação financeiro do app fazem parte de documentos enviados pelo Facebook à SEC (a equivalente nos EUA à brasileira CVM).

Entre janeiro e junho de 2014 a receita registrada pelo WhatsApp foi de US$ 15,2 milhões, com alta de 453% em relação ao mesmo período do ano anterior, que foi de US$ 2,7 milhões.

No entanto, as perdas do aplicativo também foram grandes entre um ano e outro. Em 2013, o prejuízo foi de US$ 59 milhões, já em 2014, passou a US$ 232,2 milhões, com avanço de 293%.

De acordo com Mark Zuckerberg, cofundador e diretor-executivo do Facebook, ainda é cedo lucrar com o WhatsApp. Conforme o CEO, não há pressa em ganhar dinheiro com o mensageiro nem com a crescente lista de aplicativos do Facebook antes deles alcançarem um bilhão de usuários.

“A estratégia certa é focar em conectar as pessoas antes de transformá-las agressivamente em negócio”, disse Zuckerberg. “Pensamos que quando chegarmos a essa escala, as pessoas começarão a se transformar em um negócio significativo por si mesmas”.

Jahn Koum, um dos criadores e também diretor do WhatsApp, já comentou inúmeras vezes que não é favorável a utilização de publicidade no aplicativo para gerar lucros.

“Durante os próximos anos o nosso foco continuará sendo o crescimento”, disse Jahn Koum, em uma conferencia sobre dispositivos móveis da Re/Code em Half Moon Bay, Califórnia. “Agora vamos nos focar no crescimento sem fazer nenhum tipo de experimento com a monetização”.

Mais sobre: whatsapp, facebook, prejuizo
Share Tweet
DESTAQUESRecomendadoMais compartilhados
Comentários