Pesquisa mostra que Microsoft Edge é mais seguro contra pishing que outros navegadores

Uma pesquisa feita pela empresa especializada em cibersegurança NSS Labs mostrou novos detalhes do Edge.

Por Microsoft Pular para comentários
Pesquisa mostra que Microsoft Edge é mais seguro contra pishing que outros navegadores

Recentemente, a Microsoft lançou o navegador Edge para Android e iOS como meio de continuidade de outras plataformas após o fim do Windows 10 Mobile. Deste modo, aos poucos, novos recursos estão sendo implantados no navegador, sendo a possibilidade de sincronização com o PC como um dos mais relevantes.

Uma pesquisa feita pela empresa especializada em cibersegurança NSS Labs mostrou novos detalhes do Edge. O navegador da Microsoft é mais seguro contra ataques de pishing do que o Google Chrome e o Mozilla Firefox.

Pesquisa mostra que Microsoft Edge é mais seguro contra pishing que outros navegadores.
Pesquisa mostra que Microsoft Edge é mais seguro contra pishing que outros navegadores.

O ataque de pishing ocorre quando os hackers criam sites falsos parecidos com os de bancos, órgãos governamentais ou até mesmo a atualização do próprio navegador ou sistema operacional. O usuário, ao clicar no link malicioso, no geral, acaba baixando e abrindo algum programa que tem a função de roubar informações.

A análise do NSS foi realizada durante 23 dias e mostrou que o Microsoft Edge foi capaz de bloquear 92,3% dos links de pishing. O Chrome, por sua vez, bloqueou, em média, 74,6% dos links e o Firefox, 61,1%.

Para completar, o estudo mostra também que o Edge teve um tempo de reação mais rápido em resposta a novas URLs de pishing. O navegador da Microsoft, segundo levantamento, tem taxa de proteção zero-hora de 81,8%. O Chrome possui taxa de 58,6% e o Firefox de 50,7%.

Confira o comunicado da NSS Lab em relação a pesquisa:

"Para proteger contra malware, os fornecedores de navegadores líderes de mercado providenciam serviços de reputação baseados em nuvem, que varrem a internet atrás de sites maliciosos e então categorizam o conteúdo de maneira adequada. Um navegador solicita a informação de reputação de uma URL específica e, se os resultados indicam que o site é 'ruim', o browser redireciona o usuário para uma mensagem de alerta que explica que aquele link é malicioso. Se um website é classificado como 'bom', o navegador não toma nenhuma atitude e o usuário continua sem saber que uma checagem de segurança acabou de ser feita."

Recomendamos ler:

Comentários:
Carregar comentários