TV digital: novos riscos à segurança

Fazer compras, efetuar pagamentos ou marcar a consulta médica - tudo isso pelo controle remoto, sem se levantar do sofá. Essas são algumas das promessas da TV digital. Mas assim como caixas eletrônicos, lojas virtuais e transações via celular, a TV digital deve ser mais um alvo para os piratas virtuais.

TV digital: novos riscos à segurança

Fazer compras, efetuar pagamentos ou marcar a consulta médica - tudo isso pelo controle remoto, sem se levantar do sofá. Essas são algumas das promessas da TV digital, que começou a ser implantada no Brasil em dezembro de 2007 e ainda não emplacou. Tudo indica que o sistema vá para frente ainda este semestre com a liberação do Ginga, middleware que permite a interatividade e, assim, ações como as listadas acima.

Mas nem tudo é colorido nem com imagem e som em alta definição. Assim como caixas eletrônicos, lojas virtuais e transações via celular, a TV digital deve ser mais um alvo para os piratas virtuais. É o que alertou o CPqD em evento sobre segurança realizado nesta quinta-feira (05/03) em Campinas, interior de São Paulo.

"A TV digital é algo que está em processo [de desenvolvimento]. Ninguém sabe o que será daqui três, cinco ou dez anos", observa Alexandre Braga, analista de segurança do CPqD. Ele friza, porém, que o sistema tem potencial para incluir grandes parcelas da população e se tornar uma plataforma de diversos serviços, como T-banking, T-commerce ou T-gov. O desafio é garantir a interação sem que isso prejudique os envolvidos.

A preocupação atinge todos as áreas. Os fabricantes e desenvolvedores temem a falsificação de hardwares e softwares; provedores de serviço se preocupam com os chamados "gatos" e o mau uso da rede; provedores de conteúdo se preocupam com a disseminação de cópias sem a observância dos direitos autorais; e o usuário final, claro, com sua privacidade e a proteção total de seus dados.

Braga aponta que a Associação Brasileira de Normas Técnicas já especificou regras para o controle de cópias. E, agora, o que está em discussão são os mecanismos de segurança para os aplicativos. Além disso, Braga sugere que determinados softwares e hardwares venham criptografados para evitar a ação dos criminosos eletrônicos.

"O que recomendamos é que cada fabricante procure um órgão competente para avaliar o grau de segurança de seu equipamento antes de coloca-lo no mercado", conclui.

Fonte / Autor: B2B MAGAZINE de Thiago Borges

O melhor celular intermediário para importar?

Conteúdo relacionado

Realme GT Master: Celular Premium da marca chega ao Brasil; confira preços e ficha
Celulares

Realme GT Master: Celular Premium da marca chega ao Brasil; confira preços e ficha

Lançado dia 19 de outubro de 2021 no Brasil, o Realme GT Master Edition chega para ser o carro-chefe de tecnologias da fabricante.

Qual a diferença entre as portas HDMI da sua TV?
TV Digital

Qual a diferença entre as portas HDMI da sua TV?

Se você quer aproveitar melhor suas portas HDMI na sua TV, e principalmente, se você tem uma TV 4K e quer usar um dispositivo 4K nela, é fundamental entender qual a diferença entre as portas HDMI da sua TV.

Por que o NTSC e PAL ainda são importantes na era da HDTV?
TV Digital

Por que o NTSC e PAL ainda são importantes na era da HDTV?

Nesta nova era, estamos vivendo tempos de grandes avanços tecnológico no consumo de imagens e vídeos. Mas é difícil de entender como a TV Digital e a HDTV estão ligadas aos padrões de televisão analógica, como o NTSC e o PAL-M.