Oficina da Net Logo

Trump promete isenção de impostos para Apple

O governo chinês já está colocando barreiras aos EUA como os sucessivos atrasos em portos do país.

Por | @oficinadanet Apple

A administração de Donald Trump está começando uma guerra comercial com a China. Levando em consideração o fato, várias empresas dos Estados Unidos estão em busca de meios para lidar com o assunto, já que a China pode boicotar a cadeia de produção de algumas delas.

Tim Cook, CEO da Apple, após comentar o quanto é desfavorável a essa guerra comercial, revelou em uma nova entrevista que Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, prometeu que os produtos da empresa não serão taxados.

Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, prometeu que os produtos da Apple não serão taxados. Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, prometeu que os produtos da Apple não serão taxados.

Leia também:

De qualquer forma, Trump ainda possui preocupação de que alguns componentes dos iPhones sejam inclusos na lista de produtos que estão sujeitos a taxação nos EUA. Para completar, a Apple está propensa a sofrer problemas comerciais na China, como forma de Pequim penalizar as medidas adotadas por Trump.

O governo chinês já está colocando barreiras aos EUA como os sucessivos atrasos em portos do país. Por enquanto, produtos de tecnologia não estão enfrentando problemas no país. De qualquer modo, a Apple já se prepara para enfrentar problemas em sua cadeia de suprimentos.

De acordo com o analista Gene Musnter, da empresa de investimentos Loup Ventures, Tim Cook está disposto a enfrentar todas as barreiras para manter a Apple lucrativa. Para completar, a Maçã tem aumentado o seu investimento em lobby no congresso dos Estados Unidos com a finalidade de impedir quer a empresa seja prejudicada pelas decisões de Trump.

Ainda é cedo para saber se realmente os produtos da Apple não irão receber as taxas impostas pelo governo estadunidense. De qualquer forma, vários jornais apontam que Cook está em constante contato com Larry Kudlow, conselheiro econômico do governo, e assim evitar possíveis problemas operacionais com a Apple.

VIA: New York Times

COMPARTILHE
Comentários
Carregar comentários