Juíza decide que ferramenta utilizada para acessar iPhone deve permanecer em segredo

Juíza nega acesso à ferramenta usada pelo FBI para cessar iPhone.

Por | @oficinadanet Apple

O FBI, após várias tentativas frustradas de solicitar à Apple a quebra de sigilo do iPhone do terrorista Syed Farook, de San Bernardino, acabou encontrando um meio de acesso através de uma ferramenta de hack. A Apple, após isso, foi em busca de informações sobre o funcionamento de tal ferramenta e ainda sobre a vulnerabilidade explorada.

O processo foi classificado pelo bureau como secreto, e as tentativas do Associated Press, USA Today e Vice News de revelar a ferramenta usada na ocasião também falhou.

Juíza decide que ferramenta utilizada para acessar iPhone deve permanecer em segredo.Juíza decide que ferramenta utilizada para acessar iPhone deve permanecer em segredo.

Leia também:

A juíza Tanya Chutkan, que negou o pedido em uma sentença emitida em 30 de setembro, diz que os riscos envolvidos em nomear a empresa que forneceu a ferramenta, bem como o valor pago, são muito sérios para atender o pedido da Lei de Liberdade de Informação.

A divulgação faria com que a empresa se tornasse alvo de retaliação, que poderia acontecer através de hacks e exploits, e que muito provavelmente ela não conseguiria resistir, conforme Chutkan. Para completar, revelar o valor seria um recado para os “adversários” sobre a prontidão com que o FBI pode usar a ferramenta no futuro.

A magistrada ainda recusou o argumento de que a citação do ex-diretor do FBI, James Comey, sobre ter um preço “muito alto” se equipara a uma divulgação oficial que solicita uma versão mais ampla. Conforme a decisão, a informação precisava ser mais específica.

Para completar, mesmo que Comey tenha falado que a ferramenta só era válida em um iPhone 5c executando o iOS 9, o FBI poderia, em teoria, solicitar ao desenvolvedor que criasse uma implementação para conseguir expandir o seu uso para outros modelos. Assim, a juíza acredita que se o vendedor for exposto, isso poderia “prejudicar os futuros esforços do FBI para proteger a segurança nacional”.

Quem defende a privacidade diz que o FBI tendo esse poder pode representar um risco à liberdade de expressão. Ainda sem o conhecimento da brecha explorada, a Apple não possui a capacidade de proteger os usuários de outros ataques.

Mais sobre: apple iphone fbi
Share Tweet
Recomendado
Comentários
Carregar comentários
Destaquesver tudo