Oficina da Net Logo

YouTube baixa latência nas transmissões ao vivo

Antes era possível encontrar um atraso de até 10 segundos, agora o tempo pode ser reduzido para apenas alguns segundos.

Por | @oficinadanet Youtube Pular para comentários

Os streamings de vídeo, no geral, parecem que estão ocorrendo em tempo real, porém, os desafios tecnológicos normalmente impedem que tais fluxos possam ser transmitidos rapidamente, o que resulta em um atraso de segundos, que é chamado de “latência”.

O YouTube, porém, encontrou uma solução que pode reduzir tal atraso. A partir de hoje, terça-feira (5), os publicadores de conteúdo na plataforma poderão escolher uma configuração de “latência ultrabaixa”, o que permite que os vídeos cheguem ao público praticamente em tempo real.

Youtube diminui latência em transmissõesYoutube diminui latência em transmissões

Leia também: Leia em destaque: Mulher invade sede do YouTube e comete suicídio após ferir pessoas.

Antes era possível encontrar um atraso de até 10 segundos, agora, com a nova configuração o tempo pode ser reduzido para apenas “alguns segundos”, conforme diz o gerente de vídeos ao vivo do YouTube, Kurt Wilms, para o Mashable. No entanto, ele não determinou um tempo exato. Em algumas pesquisas, sites mostram o valor de 1.74s de atraso, o que é realmente impressionante.

Para completar, a companhia está adicionando novos recursos de moderação de comentários para transmissões ao vivo. Os criadores também podem optar pela ferramenta de moderação automática de comentários, que é capaz de filtrar os textos identificados como spam ou mesmo relacionados a algum tipo de abuso.

Também será possível rever manualmente os comentários filtrados e determinar quais as palavras ou frases devem ser barradas.

Para completar, o YouTube ainda está atualizando o seu aplicativo para o sistema operacional iOS para poder ser compatível com a ferramenta ReplayKit da Apple, o que permite a transmissão da tela do iPhone diretamente para o YouTube.

MAIS SOBRE: #Youtube  #Google  #Internet  #latência
Comentários
Carregar comentários