Oficina da Net Logo

Como usar a tecnologia para diminuir a ansiedade?

Você sabia que a tecnologia tem sido utilizada para acalmar e diminuir a ansiedade?

Por | @oficinadanet Tecnologia Pular para comentários

A tecnologia tem ajudado a monitorar e melhorar a saúde física no seu dia a dia e, agora chegou também, para cuidar da saúde emocional, mental e comportamental.

O objetivo desse artigo é mostrar como a Psicologia e a Tecnologia estão unidas para melhorar a sua qualidade de vida e o seu mental e emocional. O uso da tecnologia computacional pode promover recursos, que facilitam as pessoas no combate a ansiedade, ao estresse e a depressão. Percebeu-se que o desenvolvimento de Aplicativos para dispositivos móveis poderia auxiliar nesse processo, por ser um recurso tecnológico disponível e de grande portabilidade. O mundo moderno, além de possuir alta tecnologia, se encontra hiperconectado e com um volume de informações cada vez maior, criando assim uma população de pessoas ansiosos.

Chegou-se a culpar a tecnologia pelos efeitos negativos do estresse sobre os indivíduos, mesmo que não se possa negar a facilidade e o conforto que os novos recursos oferecem.

Ansiedade combatida com tecnologia?Ansiedade combatida com tecnologia? Leia em destaque: As tecnologias que morreram em 2018.

A ansiedade em certo grau serve como proteção e alerta, mas em níveis mais elevados pode se tornar um problema, já que prejudica as atividades da rotina diária das pessoas e gera grande mal-estar físico, como por exemplo a aceleração cardíaca, tremor, suor excessivo, angústia, medos, etc.

Os números de aplicativos para controlar o estresse e a ansiedade vêm crescendo dia após dia, e hoje podemos encontrar vários gratuitos.

Em 2017 foi divulgado o relatório global pela OMS - Organização Mundial da Saúde -, o alarmante número de 322 milhões de pessoas portadoras de transtornos de depressão e ansiedade em todo o mundo.  

O Brasil atinge 11,5 milhões de pessoas (5,8% da população) com depressão, enquanto distúrbios relacionados à ansiedade afetam mais de 18,6 milhões de brasileiros (9,3% da população).

O Cérebro

De acordo com Neurociência, o cérebro é provavelmente o órgão mais fascinante do corpo humano. Ele controla tudo: desde a respiração até nossas emoções e pensamentos. A alegria e a tristeza, o doce e o amargo, o claro e o escuro são sensações que produzem registros de ondas cerebrais tão distintas quanto as impressões digitais.

São por meio dessas descobertas, que hoje os cientistas conseguem criar algum tipo de emoção e sensação apenas modulando uma frequência de onda cerebral específica, que corresponde ao padrão de consciência desejado.

As emoções e os sentimentos seriam responsáveis por estabelecer uma “ponte” entre os processos racionais e não racionais. Por isto, podemos entender que basicamente emoções e pensamentos andam juntos e que quando ocorre uma sobrecarga de emoções ou de estresse, o sistema nervoso não consegue acompanhar.

Cada pessoa tem sua própria característica de ações das ondas cerebrais. Tendo um padrão e um ritmo, que incorpora as frequências Gama, Beta, Alfa, Teta e Delta em vários níveis. Através das execuções diárias, o cérebro as modula para se adequarem às determinadas tarefas.

O Brasil é considerado o país com a maior taxa de pessoas com transtornos de ansiedade no mundo, e o quinto em casos de depressão. E o que a Tecnologia tem a ver com isso?

Tecnologia somada à Psicologia

A tecnologia ofereceu novas possibilidades para os problema da ansiedade, o mundo virtual contribuiu para tratamentos em que a psicologia ajuda a melhorar a qualidade de vida destas pessoas e a apontar soluções a seus problemas.  

Sabe-se que o atendimento psicológico e a terapia contribuem para a melhoria da qualidade de vida de pessoas com transtorno de ansiedade e depressão. Pode-se usar a tecnologia do celular, por exemplo, como um aliado no combate à ansiedade e depressão.

Hoje, é possível se consultar com um psicólogo online, sem precisar sair de casa. Isso evita o estresse do trânsito, a distância do consultório e a falta de tempo para comparecer a uma consulta já que são oferecidos horários e dias flexíveis.

Psicologia online

O atendimento online é destinado a pessoas maiores de 18 anos, e para os menores de idade é necessário uma autorização escrita pelos pais ou responsáveis. Todas as informações trocadas com o Psicólogo são sigilosas, confidenciais e pautadas no Código de ética profissional.

A nova resolução do CFP (Conselho Federal de Psicologia) publicada em 11 de maio de 2018 contribui para a ampliação do atendimento da Psicologia através do uso de tecnologias. Novos serviços também serão ofertados como: aplicação de testes, psicoterapia, seleção de pessoal e outros.

A plataforma “Psicologia Viva”

A plataforma Psicologia Viva é uma forma de conectar psicólogos com os pacientes através do atendimento online, possibilitando a realização de psicoterapia de qualquer lugar do mundo a um custo acessível, seguindo rigorosamente as normas do CFP (Conselho Federal de Psicologia).

Através da plataforma resolveram-se as três grandes dores dos pacientes relatadas em uma pesquisa realizada com 1.000 usuários, os problemas para buscar auxílio são: custo de acesso ao serviço, falta de tempo e não saber qual profissional pode ajudar.

O atendimento é online, através do “consultório virtual”, que conecta o usuário ao psicólogo especialista em suas necessidades como: o autoconhecimento e desenvolvimento pessoal, o psicólogo que atua com terapia de casais, ou que atua com depressão, ansiedade, síndrome do pânico dentre outros.

Cada psicólogo tem uma página personalizada que corresponde a um consultório virtual, com sistema de agendamento e pagamento. Além de sessões tradicionais de terapia, a startup oferece um serviço de desenvolvimento de competências comportamentais para médias e grandes empresas.

E, a partir de Novembro de 2018 se oferecerá um leque de serviços psicológicos como: aplicação de testes psicológicos validados pelo CFP, orientação vocacional e profissional, seleção de pessoal, entrevista por competência e outros.

Aplicativos utilizados pelos Psicólogos e pacientes

Os aplicativos possuem algumas denominações particulares tais como: aplicativo para celular, aplicativo móvel, aplicativo mobile. Mas, em grande parte das vezes, escutamos apenas ser chamado de App (application).

A função de um App, portanto, é ajudar a resolver e solucionar problemas simples do cotidiano das pessoas que na maioria das vezes começa logo quando a pessoa acorda com seu App de despertador e segue seu dia usando vários outros para cada função específica. São inúmeras as possibilidades devido ao seu poder de aplicação e flexibilidade na mobilidade.

Vários aplicativos de saúde mental já estão disponíveis, incluindo o Mindset,  Mindshift, que possuem jogos de relaxamento e dicas para um estilo de vida saudável, e o PTSD Coach, um aplicativo criado para ajudar as pessoas atingidas por um transtorno de estresse pós-traumático. O Meditation Oasis é um aplicativo que possui um guia com meditações para aliviar o estresse e a ansiedade.

The MindSet

Mindset

O aplicativo “The Mindset” é o  primeiro app para mudança de comportamento do Brasil as pessoas têm as suas demandas emocionais, comportamentais ou relacionais, que acabam por gerar problemas sentimentais, de aprendizagem, de comunicação ou nos relacionamentos pessoais ou profissionais.

Muitas vezes, quando menos se espera, alguém faz algo sem pensar ou age como não queria. Mostra como a pessoa pode lidar com a sua emoção, ansiedade, depressão.

O que é o The Mindset?

Mindset é a habilidade mental que toda pessoa possui para empregar seus conhecimentos, decisões, comportamentos, ações e sentimentos. Traduzido muitas vezes como “mentalidade”, o Mindset permite a adaptação diante das adversidades e ampliações de suas habilidades mentais, relacionais e conectivas, favorecendo mudanças de comportamento.

The Mindset é a primeira ferramenta para celular concebida especialmente para a conquista de êxito pessoal a partir da gestão dos sentimentos e da percepção. Seus treinamentos foram desenvolvidos a partir do estudo de passos e estratégias mentais utilizadas por pessoas que têm comportamentos de excelência.

Com metodologia elaborada para atender ao perfil de cada usuário, The Mindset se adapta para auxiliar na conquista de suas próprias histórias de sucesso.

Carol S. Dweck, professora de psicologia na Universidade Stanford e especialista internacional em sucesso e motivação, desenvolveu, ao longo de décadas de pesquisa, um conceito fundamental: a atitude mental com que encaramos a vida, que ela chama de "mindset", é crucial para o sucesso. Dweck revela de forma brilhante como o sucesso pode ser alcançado pela maneira como lidamos com nossos objetivos.

O mindset não é um mero traço de personalidade, é a explicação de por que somos otimistas ou pessimistas, bem-sucedidos ou não. Ele define nossa relação com o trabalho e com as pessoas e a maneira como educamos nossos filhos. É um fator decisivo para que todo o nosso potencial seja explorado.

A psicologia dos jogos

A psicologia dos jogos utiliza de jogos e outros aplicativos que ajudam nos tratamentos cognitivos para a ansiedade. Tais tratamentos baseiam-se na necessidade de ajudar o paciente a ignorar uma ameaça, tal qual um rosto zangado, por exemplo, fazendo com que o paciente se concentre em um rosto risonho e feliz.

Os resultados deste trabalho foram publicados em 2014 na revista Clinical Psychology Science já mostravam que os pacientes que jogaram por pelo menos 25 minutos estes jogos, estiveram menos apreensivos e se tornaram mais confiantes, relatando inclusive que se sentiam menos ansiosos ou preocupados do que antes.

O processo que utiliza a psicologia aliada aos jogos é chamado de “Attention-bias Modification Training” ou Treinamento de Modificação da Atenção, e atualmente já é tido como um dos tratamentos mais eficazes para a redução da ansiedade. A psicologia empregada no uso dos videogames, por exemplo, ajuda inclusive a tratamentos específicos em outras áreas da medicina.

Em um tratamento fisioterápico, por exemplo, no qual o profissional utiliza a forma lúdica para trabalhar os músculos que o paciente necessita exercitar. Além disso, os jogos ajudam também o terapeuta a perceber com clareza as dificuldades dos pacientes e comparar os desempenhos das outras sessões.

Em pacientes que sofreram AVC, por exemplo, a psicologia dos recursos utiliza o videogame como forma de estimular o paciente a se exercitar, recuperando força e destreza. Em outros casos, ajudando também na recuperação do equilíbrio e da locomoção.

Phobious

Disponível desde 2014, este aplicativo tem como objetivo ir além de um aplicativo móvel simples. Na verdade, ele é projetado como um tratamento para fobias, embora também possa ser usado para outros tipos de transtornos, como o transtorno obsessivo-compulsivo. Este aplicativo de psicologia é baseado na terapia de dessensibilização sistemática através da exposição gradual virtual. 

Ele está disponível tanto para Android quanto para iOS e pode ser usado com óculos 3D, para tornar essa experiência fóbica mais real. É claro que aconselhamos não usá-lo para substituir sessões com o psicólogo, uma vez que ele é projetado para ser um complemento a essas sessões.

3D Brain (DNA Learning Center)

O estudo do sistema nervoso é um dos principais campos da psicologia. Entretanto, é difícil saber em detalhes qual estrutura está envolvida em uma função, delimitar sua ativação ou como as conexões entre os neurônios estão interligadas. Aí reside a utilidade do 3D Brain, pois além de oferecer essa informação, permite localizar e observar em três dimensões todas as estruturas e áreas cerebrais.

Aplicativos para Crianças com Autismo

Já existem aplicativos  que podem facilitar e estimular as habilidades de comunicação e interação dos pequenos com transtorno do espectro autista (TEA), além de ajudar a reduzir o estresse causado por dificuldades de linguagem e eventuais mudanças na rotina.

Para lidar com mudanças: Minha rotina especial

Em português, o aplicativo ajuda a organizar atividades do dia a dia e a diminuir a ansiedade quando necessária a inclusão de uma atividade diferente, como visita ao médico ou uma viagem. Segue a linha da ferramenta First Then, permitindo planejamento detalhado e instrução para o passo a passo de atividades, mesmo as mais simples, como ir ao banheiro e escovar os dentes. O Aplicativo não é gratuito. Disponível para Android e iPad.

Tradução de comandos em voz: Livox

Vencedor de prêmio da ONU de melhor aplicativo de inclusão, o Livox (Liberdade em voz alta) foi criado pelo analista de sistemas pernambucano Carlos Pereira, pai de uma menina com paralisia cerebral, e já traduzido para 25 línguas.

Traduz para comandos em voz os símbolos tocados na tela pelo usuário. A vantagem é que possibilita a comunicação de pessoas não apenas com dificuldades de comunicação, mas também com dificuldades motoras.

Já conta com repertório de mais de 12 mil imagens, que direcionam para alternativas bem específicas. Por exemplo, a criança pode escolher comer uma massa e o tipo de molho. Ele conta com informações específicas para usar o aplicativo de acordo com o tipo de deficiência da criança.

Comunicação rápida: Tobii

Totalmente baseado em símbolos muito objetivos, permite a comunicação rápida de necessidades para crianças com TEA que não se expressam verbalmente.

Possibilita construir frases específicas e informar sobre necessidade de ida ao banheiro, dores, fome, vontades, preferências por lugares e atividades. É possível baixar preview gratuito em português no iTunes.

Fazer relatos: Story Creator

Permite a criação de histórias rápidas para que a criança se comunique e conte suas vivências por meio de desenhos, com a possibilidade de inserir fotografias e convidar um adulto para narrar a história desenhada. Pode ser adquirido pelo iTunes.

Mensagens instantâneas: Tippy Talk

Em inglês, mas totalmente visual, permite a comunicação instantânea por celular entre crianças com TEA e os pais ou outros adultos. A criança pode montar frases com símbolos, que chegam por mensagem de texto ao celular da pessoa com quem ela deseja se comunicar. Pode ser baixado na Google Play ou na Apple Store.

Conclusão

Conclui-se que a Psicologia aliou-se a Tecnologia para tratar a ansiedade, o estresse e a depressão, integrando o conhecimento da neuropsicologia aplicada à tecnologia da informação, desenvolvendo aplicativos cuja finalidade é eliminar a ansiedade, estresse e criar mudanças comportamentais profundas, entre outros benefícios.

Observa-se que cada vez mais o número de aplicativos para controlar o estresse e a ansiedade vem crescendo dia após dia nas lojas das diferentes plataformas móveis. É a expansão do movimento de olhar para si mesmo e cuidar melhor da qualidade de vida.

Graças à tecnologia, que às vezes não desliga as pessoas do trabalho ou da vida corrida, soluções interessantes trazem funções para acalmar, mapear crises de ansiedade e até exercícios de relaxamento e meditação.

Conclui-se que o diagnóstico do transtorno de ansiedade não é simples de ser feito. E os aplicativos ajudam a entender e trazem ferramentas para controlar crises.

Mas somente um profissional qualificado pode avaliar, diagnosticar e passar um tratamento, ou seja, os apps podem ser um passo para quem quer iniciar uma terapia ou relaxar um pouco, mas é fundamental o acompanhamento psicológico.

Referências:

  • DWECK, Carol S. Mindset: a nova Psicologia do sucesso. Rio de Janeiro: Objetiva, 2018.
  • MIKE, George. Mindsets: Altere Suas Percepções, Crie Novas Perspectivas e Mude Seu Modo de Pensar. Petrópolis: Editora Vozes, 2018.

 

Autora: 
Leonor Medeiros Campos: Psicóloga há trinta e cinco anos. Atua como psicóloga clínica com a Psicologia Positiva e aTerapia Cognitvo-comportamental.

Você tem Telegram? Então inscreva-se grátis aqui no canal do Oficina da Net e recebe todas as notícias pelo mensageiro.

MAIS SOBRE: #psicologia  #tecnologia  #ansiedade  #saúde
Comentários
Carregar comentários