Galáxia mais distante do Universo é encontrada por astrônomos

Nesta sexta-feira o site do Telescópio Espacial Hubble anunciou que astrônomos encontraram a galáxia considerada mais distante do Universo, ao qual viajou 13,3 bilhões de ano-luz para chegar à Terra.

Por | @oficinadanet Pular para comentários

Nesta sexta-feira o site do Telescópio Espacial Hubble anunciou que astrônomos encontraram a galáxia considerada mais distante do Universo, ao qual viajou 13,3 bilhões de ano-luz para chegar à Terra. A galáxia, que foi batizada “MACS0647”-JD”, nasceu 420 milhões de anos após o Big Bang, explosão que originou o Universo, quando nosso Universo tinha apenas 13,7 bilhões de anos.

A descoberta da nova galáxia só foi possível em virtude da combinação dos poderosos telescópios Spitzer e Hubble, disse o comunicado. Inicialmente, os astrônomos haviam visto apenas fogo, após, recorreram ao zoom mais poderoso disponível.

O fenômeno, denominado “lente gravitacional”, foi teorizado por Albert Einstein, ao qual, há quase um século, o cientista previu em sua teoria da relatividade, que objetos de grande massa, como um conjunto de galáxias, teriam um campo gravitacional tão forte ao qual teriam a capacidade de desviar os raios de luz.

De acordo com o comunicado, através de um telescópio de grande potencia que foi possível observar a galáxia, pois sem o efeito da lupa não seria possível detectá-la.  "Sem essa amplificação, observar essa galáxia teria sido uma proeza hercúlea", enfatizou Marc Postman, um dos chefes da pesquisa.

Nas imagens captadas aparece muito pequena e por este motivo os cientistas acreditam que se trata das primeiras etapas de formação de uma galáxia. De acordo com as primeiras impressões, o diâmetro é de apenas 600 anos- luz, muito pouco se comparado ao da Via Láctea, que é de 150 mil anos-luz.

"Este objeto pode ser um dos muitos blocos de construção de uma galáxia", explicou o cientista Dan Coe, do Space Telescope Science Institute e autor principal do estudo sobre esta descoberta, ao qual será publicada no mês de dezembro, no The Astrophysical Journal.