O começo da internet no Brasil

Veja como foi o histórico da internet aqui no Brasil que se iniciou em setembro de 1988. As conexões inicialmente foram feitas em setor acadêmico e somente anos depois foi destinada a usuários domésticos e empresas.

Por Internet 4 comentários
O começo da internet no Brasil

No livro de Érico Guizzo, Internet: O que é, o que oferece, como conectar-se (Editora Ática, 1999) demonstra como foi o histórico da internet aqui no Brasil que se iniciou em setembro de 1988. As conexões inicialmente foram feitas em setor acadêmico e somente anos depois foi destinada a usuários domésticos e empresas.

A internet no Brasil iniciou-se em setembro de 1988 quando no Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), localizado no Rio de Janeiro, conseguiu acesso à Bitnet, através de uma conexão de 9 600 bits por segundo estabelecida com a Universidade de Maryland.

Dois meses depois foi a vez da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) que também ligou-se à Bitnet, por meio de uma conexão com o Fermi National Accelerator Laboratory (Fermilab), em Chicago. Algum tempo depois, a Fapesp criou a rede ANSP (Academic Network at São Paulo), interligando a Universidade de São Paulo (USP), a Universidade de Campinas (Unicamp), a Universidade Estadual Paulista (Unesp) e o Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT). Mais tarde, ligaram-se à ANSP a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS).

Começo da internet no BrasilComeço da internet no Brasil

Recomendado
Em maio de 1989, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) também ligou-se à rede Bitnet, através da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), constituindo-se no terceiro ponto de acesso ao exterior.  Em 1981 foi fundado o Ibase (Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas), autônomo e apartidário o Ibase sempre teve como um de seus objetivos a disseminação de informações a sociedade civil. Isso incluía a democratização do acesso às redes de computadores no país.

Em meados da década de 80, o Ibase integrou-se a um projeto internacional chamado Interdoc. Sua finalidade era o uso do correio eletrônico para o intercâmbio de informações entre ONGs (organizações não-governamentais) de todo o mundo. Participavam do projeto dezenas de entidades da África, América Latina, Ásia e Europa. Contudo, o uso desse sistema ainda era extremamente caro. Fazia-se necessário encontrar meios alternativos para facilitar essa conexão internacional e reduzir os custos de comunicação. 

Alternex, um serviço internacional de mensagens e conferências eletrônicas pioneiro no país. Através do Alternex era possível trocar mensagens com diversos sistemas de correio eletrônico de todo o mundo, incluindo a Internet. O Alternex foi, portanto, o primeiro serviço brasileiro de acesso à Internet fora da comunidade acadêmica.

O brasileiro quer se conectar

Brasileiro quer se conectarBrasileiro quer se conectar

A situação permaneceu assim até meados de 94, quando a Internet ultrapassou as fronteiras acadêmicas e começou a chegar ao ouvido de muitos brasileiros. No dia 17 de julho daquele ano, o jornal Folha de S.Paulo dedicou a edição dominical do seu caderno Mais! à "superinfovia do futuro". E anunciava: "nasce uma nova forma de comunicação que ligará por computador milhões de pessoas em escala planetária".

Quase no final de 94, o governo brasileiro - que até então pouco tinha feito pela Internet no Brasil - divulgava, através do Ministério de Ciência e Tecnologia e do Ministério das Comunicações, a intenção de investir na nova tecnologia. A criação da estrutura necessária para a exploração comercial da Internet ficou a cargo da Embratel e da RNP.

No final de 94, a Embratel iniciou seu serviço de acesso à Internet em caráter experimental. Cinco mil usuários foram escolhidos para testar o serviço. Alguns meses depois, em maio de 95, o acesso à Internet via Embratel começou a funcionar de modo definitivo. Mas a exclusividade da Embratel no serviço de acesso a usuários finais desagradou à iniciativa privada. Temia-se que a Embratel e outras empresas de telecomunicações dominassem o mercado, criando um monopólio estatal da Internet no Brasil.

Diante disso, o Ministério das Comunicações tornou pública a posição do governo de que não haveria monopólio e que o mercado de serviços da Internet no Brasil seria o mais aberto possível.

Ainda nesta época, foi criado o Comitê Gestor Internet Brasil, com o objetivo de traçar os rumos da implantação, administração e uso da Internet no país. Participariam do Comitê Gestor membros do Ministério das Comunicações e do Ministério de Ciência e Tecnologia, representantes de provedores e prestadores de serviços ligados à Internet e representantes de usuários e da comunidade acadêmica. O Comitê Gestor teria ainda como atribuições principais: fomentar o desenvolvimento de serviços da Internet no Brasil, recomendar padrões e procedimentos técnicos e operacionais, além de coletar, organizar e disseminar informações sobre os serviços da Internet. 

Apesar do mercado promissor, as coisas continuaram assim, meio capengas, por todo o ano de 95. A Embratel e o Ministério das Comunicações não facilitavam as iniciativas dos provedores privados: a estrutura necessária não estava totalmente implantada e havia indefinições sobre os preços a serem cobrados. Mesmo assim, uma dezena de provedores já operava até o final de 95 conectados à Internet através da Embratel. Outros, como a IBM e a Unisys, começaram a implantar suas próprias conexões internacionais.

A Internet decola no país

O grande boom da rede aconteceu ao longo do ano de 1996. Um pouco pela melhoria nos serviços prestados pela Embratel, mas principalmente pelo crescimento natural do mercado, a Internet brasileira crescia vertiginosamente, tanto em número de usuários quanto de provedores e de serviços prestados através da rede.

Uma das provas de que a Internet realmente havia decolado no Brasil veio no dia 14 de dezembro de 1996, quando Gilberto Gil fez o lançamento de sua música Pela Internet através da própria rede, cantando uma versão acústica da música ao vivo e conversando com internautas sobre sua relação com a Internet.

Compartilhe com seus amigos:
Nicolas Muller
Nicolas Muller Fundador do Oficina da Net, trabalha com internet desde 2004. Entusiasta de tecnologia, hoje coordena a redação do site, responsável pela análises de smartphones. Foi programador por 10 anos e agora jornalista por profissão.
FACEBOOK // INSTAGRAM: @nmuller99 // TWITTER: @nmuller99
Quer conversar com o(a) Nicolas, comente:
Carregar comentários
Últimas notícias de Internet
  • Emoticons no teclado

    Emoticons no teclado

    Aprenda como fazer emoticons para Facebook e Twitter. Aprenda como usar os emoticons dos principais sites de relacionamento e alguns outros genéricos usando a tecla Alt

  • Correios anunciam fim da greve

    Correios anunciam fim da greve

    Ontem foi decidido, cumprindo a determinação do Tribunal Superior do Trabalho (TST), através de assembleias realizadas por todo o país, que os Correios encerraram a paralização a partir das 22h. Confira os detalhes!

  • Os 10 maiores canais do YouTube no mundo e no Brasil

    Os 10 maiores canais do YouTube no mundo e no Brasil

    Organizamos algumas listas com os 10 maiores canais do YouTube por diferentes perspectivas. Atualizado dia 29 de agosto de 2019. São quatro listas, duas a nível mundo, duas a nível Brasil.

  • As melhores ferramentas para encontrar passagens aéreas baratas em 2019

    As melhores ferramentas para encontrar passagens aéreas baratas em 2019

    Existem certamente mais de 100 mecanismos de busca de voos, mas qual é capaz de trazer os melhores para preços e voos flexíveis? Se você está programando sua próxima viagem, aqui você terá as melhores dicas e as melhores ferramentas para isso.

  • Internet 4G da Oi é medíocre quando comparada a Tim, Claro e Vivo

    Internet 4G da Oi é medíocre quando comparada a Tim, Claro e Vivo

    A internet 4G está crescendo no Brasil, mas ainda é um problema nas zonas rurais do país. Nas zonas urbanas, é possível ter uma boa conexão estável oferecida pela Claro, Tim e Vivo. A Oi ainda é um problema.

  • O que é um roteador ou acess point (AP) dual band?

    O que é um roteador ou acess point (AP) dual band?

    Está cada vez mais comum planos de internet fixa com velocidades acima de 100MB com tecnologia de fibra ótica. Ao mesmo tempo, conteúdos veiculados por streaming estão ficando cada vez mais comuns. Para isso é necessário o dual band, conheça!

  • Saiba a diferença entre internet ADSL, HFC e GPON (fibra)

    Saiba a diferença entre internet ADSL, HFC e GPON (fibra)

    No intuito de esclarecer as dúvidas quanto a tecnologia de internet fixa utilizada pelas operadoras de telecomunicações, iremos abordar neste artigo sobre as principais diferenças entre a tecnologia ADSL, HFC e fibra.

  • Claro Flex é "barato" por apenas três meses?

    Claro Flex é "barato" por apenas três meses?

    O novo plano controle Claro Flex, que é uma promoção muito interessante da operadora, disponibilizando até 10GB de internet por mês a baixo custo, teve seu regulamento reformulado.