Pesquisadores acreditam que ataque maior que o WannaCry poderá acontecer

Malware, por ser silencioso, pode ter feito ainda mais vítimas no mundo.

Por | @RafaelaPozzebon Segurança digital

O ataque virtual que aconteceu na última semana ainda está rendendo alguns prejuízos em várias partes do mundo. De acordo com especialistas em segurança, a brecha usada no ataque também já foi utilizada em uma edição anterior, que pode ter vitimado mais máquinas e também usuários do que o atual. Até então, os números somam 200 mil computadores comprometidos no mundo todo.

Novo Wanna Cry?Novo Wanna Cry?O ataque anterior foi chamado de Adylkuzz, e utiliza a mesma arma EternalBlue desenvolvida pela NSA e vazada pelo grupo Shadow Brokers. A diferença é método usado: Ao invés de travar o computador e pedir resgate para liberá-lo, o malware instala um software para mineração da criptomoeda Monero, semelhante à Bitcoin, porém, que promete o anonimato de todas as transações.

De acordo com o especialista de segurança Proofpoint, o ataque teve início entre 24 de abril e 2 de maio, agindo de modo mais silencioso.

O modo de agir do Adylkuzz é muito direto, através da brecha EternalBlue, os computadores acabam infectados com um sistema chamado DoublePulsar, que acaba abrindo uma porta dos fundos para a instalação do AdyKuzz.

"As estatísticas iniciais sugerem que esse ataque pode ser em maior escala que o WannaCry, afetando centenas de milhares de computadores e servidores ao redor do mundo", informa a empresa

Diferentemente do WannaCry, não há nenhuma tela informativa sobre um computador infectado. Os sintomas são a perda de acesso a recursos de rede e também lentidão no computador. Sendo assim, por ser mais discreto, ele pode ter feito mais vítimas, o que o deixa impressionante e perigoso.

Para prevenção do Adylkuzz a prevenção é a mesma, ou seja, atualização do Windows.

  • Quer receber novidades sobre Ataque Ransomware?

    Preencha o formulário abaixo para se cadastrar:

  • Preencha para confirmar

DESTAQUESRecomendado
Siga nas redes
Mais compartilhados
O QUE LER EM SEGUIDA
Comentários
  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER

    As melhores publicações no
    seu e-mail

  • Preencha para confirmar