Receita bloqueia entrada de jogos importados no Brasil

Receita Federal impede a entrada de vários títulos no Brasil. O motivo para o fato: o órgão ainda não decidiu como classificar os produtos.

Receita bloqueia entrada de jogos importados no Brasil

A Receita Federal impediu a entrada de alguns games importados ao Brasil. Assim, algumas lojas poderão atrasar a chegada de alguns títulos, disse o G1. No entanto, não é de hoje que os obstáculos começaram a ser enfrentados no país, entre março e julho, muitos jogos não conseguiram entrar no país, pois o órgão não decidiu como classificar tais produtos.

A classificação ficaria com brinquedo, pela Receita Federal. As distribuidoras, por sua vez, preferem que seja classificado como software. Além da distribuição ser afetada pelo bloqueio, os valores também deverão sofrer mudanças.

Os estados do Paraná e São Paulo seriam os mais prejudicados em decorrência da falta de decisão.  Vários pacotes ficaram travados para uma inspeção.  O motivo para o fato não foi revelado, porém, acredita-se que pode ter sido em decorrência de alguma denúncia, um estudo apresentado à Receita ou mesmo pela desconfiança do órgão pela grande chegada de games de fora do Brasil.

5 Fones Bluetooth, qual comprar?

Conteúdo relacionado

Sem internet? Experimente 10 ótimos jogos offline para Android em 2021
Aplicativos

Sem internet? Experimente 10 ótimos jogos offline para Android em 2021

Nada pior do que estar entediado e sem acesso à internet. Mas relaxa, pensando em tornar seu momento desconectado mais divertido, separamos 10 jogos offline para Android.

Projeto de lei pretende criminalizar jogos eletrônicos no Brasil
Games

Projeto de lei pretende criminalizar jogos eletrônicos no Brasil

O assunto chegou ao Senado Federal na semana passada, que aprovou uma audiência pública requisitada pelo senador Eduardo Girão (Pode-CE) para comentar o assunto.

YouTubers recebem incentivos para falarem bem de alguns games
Games

YouTubers recebem incentivos para falarem bem de alguns games

Após quase dois anos de investigações, a Comissão Federal de Comércio (FTC) dos Estados Unidos chegou a conclusão que a Warner Bros pagou para que alguns canais no YouTube.