O Google+ iniciou a área de jogos dentro da rede social, anunciado a alguns dias aqui. Para não ficar para traz, o Facebook que já a muito tempo faz isto, iniciou uma melhora na interface para jogos dentro da mega rede.

Dois itens foram adicionados às normas. O primeiro estabelece que os aplicativos devem recompensar os usuários com "moeda virtual" ou "bens virtuais" em troca de ações que não envolvam terceiros, ou seja, dentro do próprio aplicativo. Remunerações que envolvam ações de terceiras partes devem obrigatoriamente ser realizadas pelo Facebook Credits, sistema de pagamento da rede social. Isso impede que usuários tenham benefícios em jogos sociais, por exemplo, ao fazer download de barras de ferramentas, ringtones e outros bens do provedor da aplicação. Além disso, o engajamento dos usuários para entrar em jogos sociais, ver vídeos ou participar de fóruns não pode ser recompensado dentro de aplicativos.


O segundo item proíbe aplicativos do Facebook de integrar, linkar, promover, distribuir ou redirecionar o usuário para qualquer outra plataforma social concorrente do Facebook. A nova medida está de acordo com a política para anúncios - que não permite propaganda da concorrência dentro da rede social.  A proibição pode, contudo, bloquear diversos aplicativos de inúmeros sites, alguns amplamente usados com o Twitter, Foursquare, Flickr e, claro, o rival Google+. Por enquanto, o Facebook não bloqueou nenhum aplicativo que não condiz com as novas regras.

O Facebook, que recebeu 100 produtores de jogos em um evento em sua sede na noite de quinta-feira, anunciou novos recursos que melhorarão a experiência de jogar em seu site, bem como um afrouxamento das restrições aos modos pelos quais os produtores podem comercializar seus games na rede social. As mudanças expandirão os tipos de notificação que os usuários do Facebook vêem quando seus amigos estão jogando no site, atenuando restrições adotadas no ano passado que provocaram queixas entre os produtores de jogos.