O carro é um projeto do Google, que vinha trabalhando em segredo para criar veículos que andam sozinhos. Os carros usam um software de inteligência artificial que percebe qualquer objeto perto do veículo e reproduz decisões tomadas por um humano.

Quem circulou pelas ruas de Los Angeles e San Francisco recentemente pode ter visto um carro Toyota Prius com um cilindro de metal esquisito no teto. Mais difícil de notar era o fato de que a pessoa ao volante não estava dirigindo.

Os carros são monitorados por dois funcionários do Google. Um fica no banco do motorista, mas só dirige em caso de emergências. O segundo técnico fica no banco de passageiros, controlando o software de navegação. Sete carros do Google já andaram mais de 1,6 mil quilômetros sem intervenção humana e mais de 220 mil quilômetros com intervenção humana moderada.

Google: muito além da busca

As pesquisas do Google sobre carros automáticos provam que as ambições da empresa vão muito além da ferramenta de busca. O projeto também sai do típico cenário do Vale do Silício, muito mais focado em rede sociais e mídia digital para cinema.

Em um teste dos carros automáticos do Google, um modelo Prius saiu da sede da empresa, cerca de 50 quilômetros ao sul de San Francisco e se infiltrou no trânsito da cidade sem problemas. Ele andou no limite de velocidade local, informação embutida no banco de dados do veículo. O dispositivo sobre o teto do carro produziu um mapa detalhado dos arredores.

Várias personalidades

O carro pode ser programado com várias modalidades de direção. Desde cautelosa, na qual é mais provável que dê a vez para outro carro, até agressiva, quando é mais provável que tome a dianteira.

Christopher Urmson, engenheiro de robótica da universidade de Carnegie Mellon, estava ao volante durante os testes, mas não dirigia o carro. Para tomar o controle do veículo ele tinha três alternativas: pressionar um botão vermelho, pisar no freio ou girar o volante. Durante os testes ele interveio duas vezes. A primeira quando um ciclista desrespeitou um sinal vermelho e a segunda quando um carro à frente parou e deu ré para entrar numa vaga.

Projeto começou em Stanford

O projeto do carro automático foi concebido por Sebastian Thrun, 43 anos, diretor do laboratório de inteligência artificial da Universidade de Stanford. Ele também é funcionário do Google e o criador do serviço Street View.

Em 2005, ele liderou uma equipe de Stanford que criou o carro automático Stanley. O projeto foi o vencedor de um concurso realizado pela Darpa, agência científica do governo dos Estados Unidos, e ganhou um prêmio de US$ 2 milhões. No concurso, o Stanley andou sozinho por mais de 200 quilômetros no deserto da Califórnia.

Além do time de 15 engenheiros trabalhando no atual projeto, o Google contratou mais de dez pessoas, todas com histórico perfeito de direção. Elas foram contratadas para ao volante durante os testes, ganhando US$ 15 por hora. O Google usa seis carros Prius, da Toyota, e um Audi TT no projeto.

Os pesquisadores dizem que o Google ainda não tem um plano para criar um negócio a partir desse projeto. Thrun é conhecido com um promotor do potencial de veículos robóticos para tornar as estradas mais seguras. Essa é também uma visão de Larry Page, cofundador do Google, segundo várias pessoas envolvidas no projeto.

O carro que anda sozinho é um exemplo da vontade do Google de apostar em tecnologias que podem não dar resultado a curto prazo, afirma Thrun. Mesmo os mais otimistas não acreditam que essa tecnologia chegue ao mercado em menos de oito anos.

Uma das possibilidades de lucro para o Google é fornecer informação e serviços de navegação para fabricantes de carros automáticos. A empresa pode até mesmo oferecer o sistema de graça, como faz com o Android, plataforma de smartphones.

Estudo começou nos anos 1960

Cientistas e engenheiros vêm projetando veículos autônomos desde os anos 1960. Mas um avanço importante ocorreu apenas em 2004, quando uma equipe do Pentágono iniciou o concurso de carros-robôs.

A primeira edição do concurso foi um fracasso. Mas, em 2005, a equipe de Thrun projetou o Stanley. O carro ganhou uma corrida contra um rival criado pela Universidade Carnegie Mellon. Menos de dois anos depois, outra edição do evento provou que veículos autônomos podiam andar com segurança em ambientes urbanos.

Os avanços são tão grandes que Thrun soa como um evangelista quando fala de carros autônomos. Segundo ele, há potencial para reduzir o consumo de combustível, diminuir a taxa de acidentes e construir automóveis mais leves.

Há até mesmo a possibilidade ainda distante de carros que não precisam de ninguém ao volante. Esses veículos seriam acionados eletronicamente, o que permitiria que as pessoas compartilhassem os veículos. Assim, seriam necessários menos carros, o que reduziria a necessidade de estacionamentos.

E, claro, os carros poderiam salvar os humanos deles mesmos. "Podemos mandar duas vezes mais mensagens de SMS enquanto dirigimos, sem culpa?", pergunta Thrun. "Sim, podemos. Mas só se os carros andarem sozinhos".