Funcionários do Google apresentam nova carta para pressionar mecanismo de busca chinês

Mais de mil funcionários do Google assinaram uma carta protestando contra o projeto em agosto deste ano.

Por | @oficinadanet Google Pular para comentários

O polêmico mecanismo de buscas para a China está fazendo com que novamente os funcionários do Google se manifestem. Através de uma carta aberta, diz que o projeto tornaria o Google cúmplice de abusos dos direitos humanos pelo governo chinês. Sendo assim, é solicitado que a liderança do Google cancele o chamado “Projeto Libélula” e ainda acusa de ignorar as reclamações repetidas por parte dos funcionários.

Mais de mil funcionários do Google assinaram uma carta protestando contra o projeto em agosto deste ano. Agora, na carta publicada na Medium, as solicitações ainda são semelhantes, porém, tudo está sendo postado on-line e não mais circulando internamente.  "A liderança do Google não respondeu aos funcionários que levantaram dúvidas por meses", diz. "Até agora, não houve respostas satisfatórias."

A carta menciona os principais problemas com o Dragonfly (Projeto Libélula), dizendo que o isso ajudaria o governo chinês a estender o seu estado de vigilância, e que o Google está disposto a ceder a outros governos que pretendem censurar a internet.

Funcionários do Google apresentam nova carta para pressionar mecanismo de busca chinês.Funcionários do Google apresentam nova carta para pressionar mecanismo de busca chinês.

“A decisão de nossa empresa surge em um momento em que o governo chinês está expandindo abertamente seus poderes de vigilância e mecanismos de controle populacional. Muitos deles dependem de tecnologias avançadas e combinam atividade on-line, registros pessoais e monitoramento em massa para rastrear e classificar os cidadãos. Relatórios já estão mostrando quem tem o custo, incluindo Uigures, defensores dos direitos das mulheres e estudantes . Permitir que o governo chinês tenha acesso imediato aos dados do usuário, conforme exigido pela legislação chinesa , tornaria o Google cúmplice na opressão e nos abusos dos direitos humanos.

A libélula também permitiria a censura e a desinformação dirigida pelo governo, e desestabilizaria a verdade básica sobre a qual a deliberação popular e a dissidência se baseiam. Dada a supressão relatada pelo governo chinês de vozes dissidentes, tais controles provavelmente seriam usados ​​para silenciar pessoas marginalizadas e favorecer informações que promovam interesses do governo.

Recusamo-nos a construir tecnologias que ajudem os poderosos a oprimir os vulneráveis, onde quer que estejam. O governo chinês certamente não está sozinho em sua disposição para sufocar a liberdade de expressão e usar a vigilância para reprimir a dissidência. A Dragonfly na China estabeleceria um precedente perigoso, que tornaria mais difícil para o Google negar a outros países concessões semelhantes”, diz a carta.

Fonte: The Verge