Review Pumpkin Jack: Uma das maiores surpresas da oitava geração

A jornada do Lorde Abóbora tem alguns problemas, mas brilha em diversos momentos e se mostra extremamente prazerosa e divertida.

Um ótimo sucessor espiritual de MediEvil.
Um ótimo sucessor espiritual de MediEvil.

Com inspiração na lenda de Jack O'Lantern, que conta a história Jack o Miserável, Pumpkin Jack é o sucessor espiritual de MediEvil. Não há maneira menor de definir este título. O jogo, que Nicolas Meyssonnier praticamente desenvolveu sozinho, chegou este ano para PlayStation 4 e tornou-se uma excelente opção para aqueles que sentem falta de títulos no estilo da jornada de Sir Daniel Fortesque. Vale lembrar que Pumpkin Jack já estava disponível para PC, Nintendo Switch e Xbox One desde 2020.

O pária do Diabo

Ainda nos tempos medievais, a vida de todos era extremamente tranquila e sem muitos problemas. Com um dia a dia extremamente pacato, o Diabo resolve enviar um exército de monstros para acabar com a tranquilidade na terra.

Quando a humanidade se vê em meio ao desespero causado pelo Diabo e seu exército, um bruxo surge como a última esperança do bem para combater as forças do mal. É assim que Pumpkin Jack entra em ação... o homem que enganou o Diabo diversas vezes é enviado de volta para a terra dos vivos, com um corpo falso e uma cabeça de abóbora, para lidar com o bruxo e liberar o caos novamente pelo mundo, destinando a humanidade à danação.

Apesar de ser simples, a trama de Pumpkin Jack é bem escrita dentro de seu propósito. Com diversas sacadas e piadas irônicas, o título brinca com variados assuntos e é capaz de arrancar sorrisos dos jogadores durante os diálogos de Jack com outros personagens. Além disso, cada indivíduo encontrado pelo protagonista conta com carisma ou pelo menos algum tipo de mistério em torno de si, tornando assim praticamente todos os personagens cativantes e interessantes, enquanto são claramente bem utilizados no mundo em questão, aparecendo nos momentos certos para dar dinâmica ao enredo e à aventura.

Sim, é verdade que Pumpkin Jack se aproveita de muitos elementos e figuras já conhecidas, porém o faz muito bem, sem ter a intenção questão de esconder este fato. Um dos trunfos do título é saber aproveitar-se até mesmo de referências, às colocando de maneira natural durante a jornada.

Falando em referências, elas são muitas! Frases de personagens, lápides, troféus... Pumpkin Jack é um show de referências a diversas outras obras, incluindo sagas importantes como O Senhor dos Anéis, além de jogos de grande sucesso como Assassin's Creed. Esta característica foi muito bem utilizada, tornando o mundo do jogo ainda mais agradável e dando uma dose maior de carisma ao título.

Eu entendi a referência!
"Eu entendi a referência!"

Extremamente divertido

Pumpkin Jack é, de fato, um novo MediEvil. O jogo publicado pela Headup Games é um autêntico adventure 3d que flutua entre plataforma e hack and slash. Com seis fases diferentes, a aventura é composta por muitos combates, diversos puzzles para resolver e itens colecionáveis que podem ser encontrados. Entre os colecionáveis, os crânios de corvo podem ser trocados por novos visuais para Jack, modificando bastante a aparência do personagem para estilos completamente variados como samurai ou cowboy. Além disso, o jogo guarda outras surpresas interessantes para aqueles que desejam encontrar cada item escondido... prepare-se para ver Jack exibir habilidades "musicais".

Os puzzles não exigem muito do jogador, porém em grande parte cumprem sua função de propor certo desafio ao lado da diversão. Já os inimigos são variados e ajudam o jogo a manter-se longe da repetição. Algo que agrada é o fato de Jack receber novos poderes e habilidades ao longo de sua jornada, permitindo que o jogador possa trocar a qualquer momento entre cada novidade adquirida.

Falando em variedade, algo extremamente satisfatório para mim, foi perceber que o jogo oferece momentos perfeitos para quebrar a sensação de mesmice. Em muitas ocasiões o título coloca o jogador em uma situação completamente diferente dos combates, como é o caso de divertidos "passeios" a cavalo em alta velocidade. Os minigames, sejam puzzles ou corridas, são maneiras divertidas, e bem diferentes, de tirar o jogador da repetição. Com estes momentos, Pumpkin Jack ganha fôlego e consegue se manter empolgante e extremamente divertido.

Além de ser um personagem sinistramente interessante, o vendedor oferece bons visuais para Jack.
Além de ser um personagem sinistramente interessante, o vendedor oferece bons visuais para Jack.

Apesar de funcionar, a jogabilidade apresenta alguns problemas

Quanto à movimentação de Jack, existem alguns pontos que deixam a desejar. Na medida em que é prazeroso avançar pelos cenários, pulando, equilibrando-se e subindo em variadas estruturas, eu também senti que o pulo às vezes é problemático. Em certos momentos, Jack parece não ter mobilidade o suficiente para realizar alguns movimentos, ainda que com uma segurança, um pouco maior, você consiga avançar sem despencar muitas vezes em suas "escaladas".

Já no combate, que por sua vez também é divertido, Jack apresenta um problema semelhante. Mesmo com as diferentes armas e habilidades, os movimentos do protagonista não apresentam grande variedade e por vezes a jogabilidade mostra-se um pouco travada. Particularmente, acredito que um botão de defesa cairia muito bem no título, porém tudo o que temos é a esquiva.

Mesmo com problemas, Jack está sempre pronto para enfrentar seus inimigos.
Mesmo com problemas, Jack está sempre pronto para enfrentar seus inimigos.

Chefões semelhantes

É inegável que Pumpkin Jack poderia ser um pouco mais difícil do que realmente é. Isso fica ainda mais evidente quando enfrentamos os chefões do jogo.

Com um pouco de calma e atenção, o tempo em que você enfrentará cada chefe não será muito longo. Além disso, quase todos os combates contra chefões são extremamente semelhantes, exigindo movimentos e sequências parecidas. Aqui, existe uma pequena sensação de repetição, pois com chefes de aparências e estilos completamente diferentes, também seria interessante ver mais variedade na forma como estes confrontos ocorrem. Mas, é muito importante dizer que, ainda que apresentem muitas semelhanças, os chefes também são capazes de empolgar e oferecer momentos extremamente prazerosos.

O chefe final é quem mais foge do padrão estabelecido ao longo da jornada, tornando assim o confronto derradeiro único e grandioso. No meu caso, encerrei o jogo sentindo que o confronto final foi agradavelmente diferente dos demais, ganhando assim a importância que merecia.

O veredito

Pumpkin Jack é simples, porém extremamente divertido e prazeroso. Com grandes personagens, que mesmo sem dublagem conseguem ser carismáticos, o título é cativante e brilha em muitos momentos.

Para um projeto pequeno, Pumpkin Jack é um jogo gigante. Posso afirmar, sem nenhuma dúvida, que este é o segundo jogo mais divertido que tive o prazer de conferir até este momento de 2021. Não apenas isso, a jornada do Lorde Abóbora é uma das maiores surpresas que tive na oitava geração de consoles.

Nota: 8.5/10

Prós

  • Extremamente divertido
  • Personagens carismáticos
  • Minigames excelentes
  • Aventura e mundo cativantes

Contras

  • Jogabilidade um pouco travada em certos momentos
  • Chefões com desafios muito semelhantes
  • Combate poderia ser mais variado

🔥O POCO F4 É MUITO BOM 👇

Comentários
Minha foto
Insira um comentário