Telescópio Hubble capta imagens inéditas do cometa 21/Borisov

O cometa passou muito perto do telescópio, que por sua vez captou imagens privilegiadas e inéditas do cometa, trazendo novas informações sobre o objeto.

Por Ciência Pular para comentários
Cometa 2I/Borisov, - Imagem: Divulgação - nasa.gov
Cometa 2I/Borisov, - Imagem: Divulgação - nasa.gov

O telescópio Hubble captou imagens privilegiadas do cometa 21/Borisov, que passou somente a 300 milhões de quilômetros de distância do telescópio. Se trata do evento astronômico que aconteceu mais próximo do telescópio até o momento, e rendeu material inédito do comenta em questão.

Se descobriu que o comenta 2I/Borisov, é na realidade 15 vezes menor do que se pensava anteriormente. Pela qualidade inédita das imagens, o registro permite aos cientistas explorarem e analisarem muito melhor os detalhes do cometa, sua superfície e demais características.

"O Hubble nos dá a melhor noção do tamanho do núcleo do 2I/Borisov, que é uma parte muito importante do cometa", contou em comunicado o astrônomo David Jewitt, da Universidade da Califórnia em Los Angeles, nos Estados Unidos.

O pesquisador ainda revela que o raio do cometa é menor do que um quilômetro, o que permitiu a reavaliação da importância do corpo e também para calcular melhor a massa de objetos similares da Via Láctea. . Outro dado conhecido pelos cientistas é que o núcleo do Borisov só pode ser avistado a no mínimo 298 quilômetros de distância. Por isso, as imagens tiradas de perto do cometa nos permitem ver uma nuvem de gás e poeira do seu núcleo congelado.

O 2I/Borisov foi descoberto pela primeira vez no fim de agosto de 2019 para que um mês depois se percebesse que se tratava de um objeto em movimento que se movia a 150 quilômetros por hora. Indícios de água foram encontrados no cometa também este ano - a hipótese é que ele libera cerca de 19kg de água por segundo enquanto viaja pelo espaço.

Comentários:
Carregar comentários