Oficina da Net Logo

O Detector de mentiras polígrafo é confiável?

Se você sempre ficou em dúvida se os famosos detectores de mentira, que prometem revelar quando uma pessoa está falando a verdade ou ocultando ela com base em fatores fisiológicos, chegou a hora de descobrir a verdade.

Por | @oficinadanet Ciência Pular para comentários

A máquina conhecida como polígrafo é popularmente conhecida como capaz de detectar mentiras. Comumente usado em investigações criminais nos Estados Unidos (no Brasil o uso desta máquina não é permitido), este dispositivo realmente mede a excitação nervosa. Ele opera com a premissa de que, se uma pessoa está dizendo a verdade, ela permanecerá calma. Mas será que na prática ela funciona?

Polígrafo deriva de poli = “muitos” e grafo = referente a gráficos e à escrita. O polígrafo, criado por John Larson em 1921, é uma máquina capaz de gerar muitos gráficos simultaneamente, com medições de vários fatores fisiológicos humanos: O ritmo da respiração, a pressão sanguínea, os batimentos cardíacos e o suor na ponta dos dedos da pessoa examinada. Nos julgamentos, o teste nunca é aceito como prova definitiva, mas pode servir de base para uma decisão jurídica.

PolígrafoPolígrafo

O Detector de mentiras polígrafo é confiável?

Julgamento por provação Leia em destaque: A história de Williamina Fleming, de empregada doméstica à astrônoma.

O detector de mentiras pode ser considerado uma variante moderna da velha técnica de julgamento por provação. Uma bruxa suspeita foi jogada em um rio caudaloso com a premissa de que, se flutuasse, estaria aproveitando poderes demoníacos.

Tais técnicas nunca tiveram muita credibilidade. Um sujeito que passou no teste tinha uma probabilidade razoavelmente alta de afogamento, que era pelo menos preferível a ser queimado na fogueira como uma bruxa.

Ninguém morre em um teste de polígrafo, é claro, e os resultados são em grande parte, inadmissíveis nos tribunais. No entanto, uma pessoa que é de outra forma exonerada pela evidência, pode suportar o risco legal de ser injustamente incriminada, aos olhos dos investigadores.

Embora as máquinas de polígrafo pareçam científicas e avaliem respostas como a sudorese e a taxa de pulsação aumentada com extrema precisão, elas são rudimentares em sua concepção. Na verdade, elas não são mais sofisticadas do que uma antiga provação árabe para detectar mentirosos.

No teste árabe, uma lâmina de faca aquecida foi pressionada na língua do sujeito. Se ele estivesse dizendo a verdade, sua língua não se queimaria. A ideia é que quando as pessoas estão nervosamente excitadas, a boca fica seca porque o nervosismo suprime a salivação. Em princípio, o sistema de detecção de mentiras envolvido é exatamente o mesmo que para um teste de polígrafo.

O polígrafo funciona?

Tem havido muita controvérsia sobre se os detectores de mentiras funcionam. Alguns especialistas afirmaram que, numa alta proporção de pessoas, os testes que em que o equipamento falhou , posteriormente confessaram seus crimes. Por outro lado, o teste gera muitos falsos positivos, isto é, pessoas que estão dizendo a verdade, mas cujo teste de polígrafo sugere que elas estão mentindo.

Enquanto a American Polygraph Association reivindica índices de acertos de mais de 90%, críticos de peso como o já falecido geneticista comportamental, estudioso de mentiras e professor emérito de Psicologia e Psiquiatria na Universidade de Minnesota, David Lykken, colocam a taxa de acerto do polígrafo em cerca de 65%, o que é apenas um pouco melhor do que os 50% corretos obtidos jogando cara ou coroa com uma moeda.

Curiosamente, o polígrafo é muito bom em identificar os mentirosos, mas não faz melhor do que o acaso em detectar pessoas honestas, de acordo com Lykken. Em outras palavras, há uma chance de 50% de que um teste de polígrafo diga que uma pessoa honesta está mentindo (uma taxa de “falso positivo” de 50%).

Já é ruim o suficiente que os testes do polígrafo sejam tão indiretos, levando alguns pesquisadores a procurar por evidências mais diretas de análise, através de análises cerebrais. Outra grande fraqueza é que o teste pode ser falsificado.

Na administração normal do teste, os técnicos confiam em respostas que sabem ser verdadeiras, para fornecer uma linha de base contra a qual as respostas enganosas podem ser julgadas como um aumento da excitação nervosa. Um dos meios mais eficazes de fingir o teste é aumentar a excitação que acompanha as respostas honestas, de modo que é difícil detectar o aumento da excitação que acompanha, teoricamente, as mentiras.

 

O fato de que o teste pode ser falsificado desta maneira também destaca a subjetividade com a qual os examinadores julgam os resultados, pois há pouca padronização de procedimentos de uma mudança, quando o polígrafo indica mentir.

Dúvidas sobre testes de polígrafo cresceram na comunidade científica, até que o Conselho Nacional de Pesquisa dos Estados Unidos - uma organização de cientistas - realizou uma avaliação sistemática e concluiu que o teste carece de validade científica.

Em 1998, o Supremo Tribunal dos EUA agiu para restringir seu uso em processos judiciais. Em particular, os advogados de defesa não podem mais usar provas de que seu cliente conseguiu com um teste de polígrafo para estabelecer a inocência de um crime.

Mesmo que o teste do polígrafo seja desacreditado em procedimentos legais, seu uso também diminuiu em outros cenários, e os empregadores não podem usá-lo como uma técnica para recrutar funcionários honestos. Para o governo norte americano, isso é uma exceção. Do ponto de vista científico, não há razão para administrar um teste de polígrafo. 

Comentários
Carregar comentários