Oficina da Net Logo

Júpiter ganha 12 novas Luas

O Minor Planet Center, da União Astronômica Internacional, após as observações, foi o responsável por calcular as órbitas dos corpos celestes recém-descobertos.

Por | @oficinadanet Ciência Pular para comentários

Entre os planetas do Sistema Solar, Júpiter sempre foi campeão em número de Luas. Nesta terça-feira foi anunciado que o planeta ganhou mais 12 satélites, com isso, um somatório de 79 Luas.

O conjunto foi avistado pela primeira vez pelos astrônomos do Instituto Carnegie, de Washington D.C. (EUA), em 2017. Porém, somente agora ocorreu a comprovação definitiva do fato.

Júpiter ganha 12 novas Luas.Júpiter ganha 12 novas Luas.

A descoberta astronômica aconteceu por acidente. Os cientistas estavam em busca de objetos distantes do Sistema Solar, porém, perceberam corpos celestes gravitando ao redor de Júpiter. Leia em destaque: Por que a Terra Plana é uma besteira e como provar isso.

"Procurávamos planetas além de nosso Sol. Como Júpiter estava 'perto' dos campos de busca, acabamos sendo capazes de procurar por novas Luas a seu redor", explica o astrônomo Scott Sheppard.

Entre os planetas que mais possuem Luas do Sistema Solar, Saturno aparece na segunda posição, com 62 satélites. Urano possui, até o momento, 27 Luas conhecidas. Netuno, 14; Marte, 2; e a Terra, uma Lua. Mercúrio e Vênus não contam com satélites naturais.

O Minor Planet Center, da União Astronômica Internacional, após as observações, foi o responsável por calcular as órbitas dos corpos celestes recém-descobertos.

"O processo todo levou um ano. Já que são realizadas várias observações antes de confirmar se um objeto realmente orbita em torno de Júpiter", explica o astrofísico Gareth Williams, diretor do centro de pesquisa.

Entre as 12 novas Luas, nove delas integram um grupo distante que orbita em sentido oposto à rotação do planeta. Estes satélites levam aproximadamente dois anos para conseguirem dar uma volta completa em Júpiter.

Já, dois dos satélites recém-descobertos giram no mesmo sentido que a rotação de Júpiter. O percurso total leva menos de um ano.

"Por fim, a última descoberta é de um corpo celeste excêntrico, que tem uma órbita diferente de todas as outras Luas jupiterianas", diz Sheppard. "Trata-se ainda da menor Lua conhecida de Júpiter, com menos de um quilômetro de diâmetro”.

Conforme os astrônomos, a rota irregular dos satélites irá acarretar em uma colisão, causando uma enorme explosão que poderá ser vista da Terra. Isso tudo deverá levar bilhões anos.

Comentários
Carregar comentários
  • NEWSLETTER

    As novidades de tech no seu
    e-mail, inscreva-se grátis ;)