Apple se manifesta sobre acusação de sonegação

Denúncia já preocupa investidores da Apple.

Por | @oficinadanet Apple

Após o vazamento de 13.4 milhões de arquivos do Paradise Papers, que conta com dados de empresas e pessoas com contas em paraísos fiscais, a Apple acabou se manifestando sobre o assunto. Vale mencionar que alguns dos documentos vazados fazem referência a empresa da Maçã que supostamente possui contas na ilha de Jersey, um paraíso fiscal.

Apple se manifesta sobre acusação de sonegação.Apple se manifesta sobre acusação de sonegação.

Leia também:

A Apple, com as informações vazadas, acabou se vendo obrigada a comentar o assunto, já que o tema vem preocupando os investidores da empresa. Confira a nota da Apple envida à imprensa:

“A Apple acredita que todas as empresas têm a responsabilidade de pagar seus impostos e, como maior contribuinte do mundo, a Apple paga cada dólar que deve em todos os países ao redor do mundo. Estamos orgulhosos das contribuições econômicas que fazemos aos países e comunidades onde fazemos negócios.

 

Apresentamos alguns fatos em resposta ao relatório do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação. Agora listamos algumas imprecisões desses relatórios:

 

  • As mudanças que a Apple fez em sua estrutura corporativa em 2015 foram especialmente projetadas para preservar seus pagamentos de impostos aos Estados Unidos, e não para reduzir seus impostos em qualquer outro lugar. Nenhuma operação ou investimento foi movido da Irlanda.
  • Longe de ser "intocado pelos Estados Unidos", a Apple paga bilhões de dólares em impostos para os EUA com a taxa legal de 35% sobre a renda do investimento de seu dinheiro no exterior.
  • A taxa de imposto efetiva da Apple sobre os ganhos no exterior é de 21% - um valor facilmente calculado a partir de registros públicos. Esta taxa tem sido consistente por muitos anos.”

Paradise Papers

O escândalo, nomeado de Paradise Papers, foi realizada sob investigação do Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação, que envolve 382 jornalistas de 96 veículos, sendo que analisaram mais de 13.4 milhões de arquivos de paraísos fiscais. Empresas como Apple, Nike e ainda personalidades como Lewis Hamilton aparecem nos documentos. Além disso, também aparece o nome do ministro da fazendo do Brasil Henrique Meirelles, ministro Blairo Maggi e o empresário Jorge Paulo Lemann.

Mais sobre: apple iphone investidores
Share Tweet
Recomendado
Comentários
Destaquesver tudo