Entenda como funciona o Implante Coclear

A tecnologia definitivamente é uma coisa boa, e para provar isso basta demonstrar como ela ajuda muitas pessoas com deficiências. Confira aqui tudo sobre o Implante Coclear para deficientes auditivos.

Por Tecnologia 2 comentários
Entenda como funciona o Implante Coclear

Dentre as vantagens que a tecnologia traz para nossa sociedade, não estão apenas dispositivos voltados para entretenimento, conectividade ou segurança. A tecnologia também é capaz de mudar vidas daqueles que sofrem com deficiências. Uma das tecnologias mais impressionantes do que se trata à deficiências são os Implantes Cocleares, dispositivos projetados para pessoas com perda auditiva grave de alta frequência, mas que ainda têm a capacidade de ouvir frequências mais baixas.

O implante coclear é muito útil  para crianças que nasceram sem audição e ainda tem o cérebro em desenvolvimento ou para pessoas que perderam a audição mas que já ouviram em algum momento na vida, como os idosos, que tem perda auditiva relacionada à idade e que não têm mais nenhum benefício auditivo ao usar aparelhos auditivos tradicionais (ampliadores do som).

Entenda como funciona o Implante Coclear
Como funciona o Implante Coclear

 

Diferenças entre o Implante Coclear e aparelhos auditivos tradicionais

Entenda como funciona o Implante Coclear

 

Tanto os aparelhos auditivos quanto os implantes cocleares são dispositivos eletrônicos utilizados para melhorar a audição, mas a forma como eles fazem isso é o que os torna muito diferentes.

Enquanto os aparelhos auditivos amplificam os sons eventualmente processados ​​pela cóclea (o principal órgão da audição), o implante coclear não amplifica os sons, mas transforma os sons em energia elétrica, que estimula diretamente o nervo auditivo, contornando as partes danificadas da cóclea.

Embora ambos os tipos de dispositivos funcionem para pessoas com perda auditiva neurossensorial (permanente), os implantes cocleares são tradicionalmente recomendados para pessoas com perda auditiva severa a profunda, enquanto os aparelhos auditivos são recomendados para pessoas com perda auditiva leve a severa. 

Um implante coclear tem duas partes: o receptor interno, que é implantado cirurgicamente diretamente na cóclea, e o microfone externo juntamente com o processador de transmissão magnética, que se encaixam atrás da orelha e no lado da cabeça. A energia elétrica que é enviada para os eletrodos na cóclea é enviada para o cérebro.

Um aparelho auditivo tem três partes básicas: um microfone que capta o som, um amplificador que faz o som mais alto e um alto-falante que fornece o som amplificado para o canal auditivo. Uma vez que o som chega ao canal auditivo, ele viaja para o tímpano, depois para o ouvido médio (ossos) e termina na cóclea, onde será enviado ao cérebro.

Uma breve história do Implante Coclear

Confira uma visão geral da história do implante coclear e entenda melhor a lenta progressão e os avanços que levaram à tecnologia atual.

Em 1800, Alessandro Volta conseguiu estimular seu ouvido interno usando corrente elétrica.

Em 1957, André Djourno, primeiro professor de física médica, e Charles Eyriès, o segundo otologista parisiense, tentaram restaurar a função do nervo facial de um paciente acometido por extenso colesteatoma bilateral, que também o deixou surdo, usando um fio com corrente elétrica. A função do nervo facial não foi restaurada, mas o paciente experimentou sensações auditivas.

Em 1961, William House, um otologista de Los Angeles, e John Doyle, um neurocirurgião, introduziram um fio de ouro dentro da cóclea (scala tympani), através do canal auditivo e testado. Eles relataram percepções auditivas, percebendo também a mudança na sonoridade quando o nível de estimulação variou. 

Dr. William House
Dr. William House

Demorou dez anos para que House desenvolvesse um dispositivo de canal único. Este dispositivo, conhecido como House/3M, foi implantado pela primeira vez em 1972, e continuou a ser usado até 1985.

Nesse meio tempo, Graeme Clark, professor de otorrinolaringologia de Melbourne, reuniu em 1967 uma equipe para conduzir pesquisas básicas sobre a fisiopatologia da surdez profunda em animais, e sobre a tolerabilidade dos materiais implantados. Seus esforços se materializaram em criação do primeiro sistema de implante coclear multicanal, em 1984, pela Cochlear Company.

Graeme Clark
Graeme Clark

Na Europa, Kurt Burian, um professor austríaco de otorrinolaringologia, lançou, em 1975, sua própria pesquisa e desenvolvimento de um dispositivo único não multicanal. Seu trabalho foi continuado por seu aluno, Ingeborg Hochmair e seu marido Erwin Hochmair, em Innsbruck. O seu trabalho culminou em 1982 com o lançamento do implante MedEl.

 

MedEl
Prós e contras do Implante Coclear
MedEl

 

Benefícios do Implante Coclear

Prós e contras do Implante Coclear

Existem alguns benefícios ao se obter um implante coclear:

  • Aumenta as capacidades de audição (Embora um implante coclear não seja uma garantia de que a audição irá melhorar, isso geralmente acontece, facilitando a comunicação e o funcionamento diário do paciente.);
  • Pode substituir a necessidade de linguagem de sinais ou leitura labial;
  • Proporciona aumento de oportunidades na educação e no local de trabalho;
  • Permite que as crianças portadoras de deficiência auditiva permaneçam em escolas tradicionais;
  • Melhora as habilidades de fala;
  • Aumenta a segurança (Ser capaz de ouvir avisos externos de perigo diminui a probabilidade de ferimentos, como uma sirene de ambulância alertando a pessoa para sair do caminho.);
  • Possibilidade de assistir TV sem legendas;
  • Possibilidade de fazer chamada telefônica.

Riscos do implante coclear

Riscos gerais de anestesia

A anestesia geral é o sono induzido por drogas. E essas drogas podem afetar as pessoas de maneira diferente. Para a maioria das pessoas, o risco de anestesia geral é muito baixo. No entanto, para algumas pessoas com certas condições médicas, é mais arriscado.

Riscos da cirurgia de implantação coclear

  • Lesão do nervo facial - este nervo passa pelo ouvido médio para dar movimento aos músculos do rosto. Fica perto de onde o cirurgião precisa colocar o implante e, assim, pode ser ferido durante a cirurgia. Uma lesão pode causar um enfraquecimento temporário ou permanente, ou uma paralisia total no mesmo lado da face do implante, embora seja bastante raro isso acontecer.
  • Meningite - esta é uma infecção do revestimento da superfície do cérebro. As pessoas que têm estruturas de orelha interna anormalmente formadas parecem estar em maior risco desta complicação rara, mas séria. 
  • Esvaziamento do líquido cefalorraquidiano - o cérebro é circundado por líquido que pode vazar de um orifício criado no ouvido interno, ou em outro lugar de um orifício na cobertura do cérebro, como resultado do procedimento cirúrgico.
  • Vazamento de líquido perilinfático - o ouvido interno ou a cóclea contém fluido. Esse fluido pode vazar pelo orifício que foi criado para colocar o implante.
  • Infecções ou sangramento no local da cirurgia.
  • Ataques de tontura ou vertigem.
  • Zumbido no ouvido operado.
  • Distúrbios do paladar - o nervo que dá sensação de gosto à língua também passa pelo ouvido médio, e pode ser ferido durante a cirurgia.
  • Dormência ao redor da orelha.
  • Granuloma reparativo - é o resultado de uma inflamação localizada, que pode ocorrer se o corpo rejeitar o implante.
  • Pode haver outras complicações imprevistas a longo prazo.

Outros riscos associados ao uso de implantes cocleares

Pessoas com implante coclear:

  • Pode ouvir sons de forma diferente. As impressões sonoras de um implante diferem da audição normal, de acordo com pessoas que podiam ouvir antes de se tornarem surdas. No início, os usuários descrevem o som como "mecânico", "técnico" ou "sintético". Essa percepção muda com o tempo, e a maioria dos usuários não percebe essa qualidade de som artificial após algumas semanas de uso do implante coclear.
  • Perda da audição residual. O implante irá destruir qualquer audição remanescente na orelha implantada.
  • Pode não ouvir tão bem quanto os outros que tiveram resultados bem sucedidos com seus implantes.
  • Pode não ser capaz de entender bem a linguagem. Não há teste que uma pessoa possa fazer antes da cirurgia, que irá prever quão bem ele ou ela entenderá a linguagem após a cirurgia.
  • Pode ter que removê-lo temporária ou permanentemente se uma infecção se desenvolver após a cirurgia de implante. No entanto, esta é uma complicação rara.
  • O implante pode falhar. Nessa situação, uma pessoa com um implante precisaria de uma cirurgia adicional para resolver esse problema, e seria exposta novamente aos riscos da cirurgia.
  • Pode não ser possível atualizar seu implante quando novos componentes externos estiverem disponíveis. As peças implantadas são geralmente compatíveis com peças externas aprimoradas. Dessa forma, à medida que os avanços na tecnologia se desenvolvem, é possível atualizar seu implante alterando apenas suas partes externas. Em alguns casos, no entanto, isso não funcionará, e o implante precisará ser refeito.
  • Pode não ser capaz fazer alguns exames e tratamentos médicos . Esses tratamentos incluem:
    • Imagens de ressonância magnética. A ressonância magnética está se tornando um método de diagnóstico mais rotineiro para a detecção precoce de problemas médicos. Até mesmo estar perto de uma unidade de imagem de ressonância magnética será perigoso, porque pode desalojar o implante ou desmagnetizar seu ímã interno. A FDA aprovou alguns implantes, no entanto, para alguns tipos de estudos de ressonância magnética realizados sob condições controladas.
    • neuroestimulação.
    • cirurgia elétrica.
    • terapia eletroconvulsiva.
    • radioterapia iônica.
  • Dependerá de baterias recarregáveis (diariamente) para audição.
  • Pode danificar o implante. Prática de esportes, acidentes automobilísticos, escorregões e quedas, ou outros impactos perto do ouvido podem danificar o implante. Isso pode significar a necessidade de um novo implante e mais cirurgia. Além disso, talvez o novo implante não funcione tão bem quanto o antigo.
  • É caro. Substituir partes danificadas ou perdidas pode ser caro.
  • Terá que usá-lo para o resto da vida. Durante a vida de uma pessoa, o fabricante do implante coclear pode sair do mercado. Se uma pessoa será capaz de obter peças de reposição ou outro serviço ao cliente no futuro é incerto.
  • Terá que ter cuidado com a eletricidade estática. A eletricidade estática pode danificar temporária ou permanentemente um implante coclear. Pode ser uma boa prática remover o processador e o fone de ouvido antes de entrar em contato com materiais geradores de eletricidade estática, como telas de TV, monitores de computador ou tecidos sintéticos. Para obter mais detalhes sobre como lidar com a eletricidade estática, entre em contato com o fabricante do implante.
  • Menor audição de sons suaves e sons altos, é necessário alterar a sensibilidade do implante. 
  • Pode desenvolver irritação onde a parte externa esfrega na pele, e tem que removê-lo por um tempo.
  • Não pode molhar. Danos causados ​​pela água podem ser caros para reparar, e a pessoa pode ficar sem ouvir até que o implante seja consertado. Assim, a pessoa precisará remover as partes externas do dispositivo ao tomar banho, tomar banho, nadar ou participar de esportes aquáticos, ou utilizar uma proteção, que normalmente é vendida pelo próprio fabricante.
  • Pode ouvir sons estranhos causados ​​por sua interação com campos magnéticos, como aqueles próximos a máquinas de triagem de passageiros em aeroportos. 

Vale a pena fazer implante coclear?

Como vimos neste artigo, a implantação coclear deve ser uma decisão bem pensada, pois é algo permanente, e você vai passar por um processo cirúrgico delicado, bem como um longo processo de recuperação e adaptação. Ainda assim, mesmo com diversos riscos, muitas pessoas que já fizeram o procedimento cirúrgico não se arrependem, tendo em vista que tiveram uma nova oportunidade de ouvir como antes.

Eu pessoalmente conheço alguns implantados, e nenhum deles se arrependeu da decisão. Porém, é importante levar em conta todos os contras, e inclusive os valores que estão em jogo. Todo o processo, se pago integralmente pelo paciente, é estimado em mais de 100 mil reais, entre exames, cirurgia, compra do aparelho externo e ativação/mapeamento. 

Quando à isso, saiba que existe uma lei brasileira que garante ao deficiente auditivo o direito de fazer o procedimento por conta do plano de saúde, como mostra a ADAP - Associação dos Deficientes Auditivos

Os planos de assistência à saúde são regulados no Brasil pela Lei nº 9656, de 03 de junho de 1998, e pela Resolução 387/2015 da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar). Esses dois dispositivos legais estabelecem que todos os convênios contratados a partir de 1999 devem cobrir os procedimentos previstos na Resolução, que inclui o Implante Coclear.

Se você não tem plano de saúde privado ou convênio particular, saiba que o SUS também fornece implante coclear. Para esclarecer mais dúvidas, consulte um otorrino.

Compartilhe com seus amigos:
Comentários:
Minha foto
  • Minha foto
    Adilson Fontana    •    5 meses

    RECUSEI 3 DESSES ICs
    NAO VALE A PENA

    PREFIRO FICAR SURDO KKKKK
    SURDO PÓS LINGUAL E BEM TKILO..

    SAUDAÇÕES

  • Minha foto
    Priscilla Cunha Kinast    •    5 meses

    Entendo, na verdade vai muito do que o deficiente ou surdo deseja. Meu marido usa IC há mais de 7 anos e está muito satisfeito. Porém, ele ficou surdo após adulto, nunca usou libras e acabava ficando apenas com a linguagem labial para se comunidar (o que é bem ruim, usar apenas isto). Para ele o IC foi uma benção. Mas para o surdo que se comunica por libras, e que principalmente está inserido na comunidade surda, realmente pode não fazer sentido o IC, pois é um risco sem tantos benefícios.