Review Watch Dogs 2, a redenção da Ubisoft com os hackers?

Confira a nossa análise do Watch Dogs 2 e descubra se o novo game da Ubisfot vale a pena ser comprado.

Por | @grasiel_grasel Games

Depois da imensurável decepção que foi o primeiro game da série, com Watch_Dogs sendo considerado como a maior decepção de 2014, Watch Dogs 2 seria a sequência que limparia o nome da Ubisoft, que nos últimos anos vinha sendo muito criticada por seus constantes lançamentos de jogos mal otimizados, principalmente da saga Assassin’s Creed. Com uma campanha de marketing bastante modesta, o novo sand box ambientado em um universo hacker chegou de fininho, tentando apagar as más impressões de seu antecessor e corrigir os seus problemas.

É interessante ver como a Ubisoft realmente se preocupou em trazer melhorias para Watch Dogs 2, ouvindo pedidos da comunidade gamer e adicionando diversas novidades no jogo, que ampliaram a experiência que já era bastante vasta no primeiro título da série. Mas, será que o game oferece o suficiente para chamar a atenção dos jogadores decepcionados?

Marcus Holloway, nickname “Retro”, é um hacker na cidade de São Francisco, no início do game ele está tentando invadir os servidores do ctOS 2.0 para apagar seus registros no sistema, pois ele foi uma das vítimas dos algoritmos de previsão de crimes da Blume e estava sendo constantemente vigiado. A conclusão desta tarefa dá ao protagonista a oportunidade de fazer parte de um grupo de hackers chamado DedSec, que busca acabar com a manipulação e monitoração que ctOS implica às vidas dos moradores da cidade.

Review Watch Dogs 2, a redenção da Ubisoft com os hackers?

No primeiro game vemos um pouco do DedSec, que parece utilizar o protagonista Aiden Pearce para mostrar à população da cidade de Chicago que o sistema do ctOS 1.0 é fraco e não merece confiança, no entanto, em Watch Dogs 2, vemos que o grupo da cidade de São Francisco é fã de Aiden, tendo até mesmo missões paralelas com a participação do personagem, citando os seus feitos vistos no final do título anterior.

O foco da história é baseado completamente no grupo hacker e suas ações, sendo cada um dos personagens muito bem introduzidos logo no começo do game. Temos o Josh, que é o mais introvertido e inteligente da turma, ele é pouco carismático, mas é muito bom em construir coisas. O Wrench é de longe o melhor personagem do game, ele possui uma máscara que reage ao seu humor utilizando emojis de caracteres, é muito bem-humorado e é certamente o mais nerd da turma, ele também é um bom engenheiro, mas é melhor desmontando coisas pra entender como elas funcionam. A Sitara é a responsável por manter a imagem do DedSec, ela é a artista e designer gráfica do grupo, mas também é uma boa hacker. Por último, mas não menos importante, temos o Horatio, que é o responsável por organizar as ações e coordenações táticas do grupo, um dos personagens que menos é explorado na trama e que, de acordo com os acontecimentos  da história, deveria ter sido melhor utilizado. Ao longo do game outros personagens surgem e tomam uma importância relevante na história, como T-Bone, personagem que fez parte de uma DLC do primeiro Watch_Dogs, mas é melhor que você mesmo os conheça, para evitarmos spoilers.

Review Watch Dogs 2, a redenção da Ubisoft com os hackers?

De maneira geral, todos os personagens do jogo são bem apresentados e relativamente bem desenvolvidos, desde os membros da DedSec até os membros da Blume ou dos rivais hackers Prime_Eight. É possível criar um vínculo de amizade com seus amigos, assim como de ódio com os inimigos, mostrando como a preocupação em desenvolvê-los é maior do que no primeiro game, embora que o clima do novo jogo não seja tão favorável a isto quanto seu antecessor.

A história do game é bastante linear, as únicas decisões que você pode tomar estão ligadas a como você vai passar por seus inimigos ou completar seus objetivos, se vai ser utilizando seus drones sem ser detectado ou "metendo o pé na porta" e utilizando diversas armas para matar todo mundo.

Watch Dogs 2 melhorou consideravelmente em muitos aspectos se comparado a Watch_Dogs, principalmente na jogabilidade. Absolutamente tudo foi melhorado e incrementado, novas mecânicas foram implantadas e elas melhoraram consideravelmente a experiência dos jogadores.

Marcus utiliza movimentos de parkour por toda São Francisco, que é cheia de prédios e construções que propiciam a utilização destes movimentos para levarem o protagonista a qualquer lugar. O capricho e a qualidade da animação são visivelmente maiores do que no primeiro game também.

O único aspecto da saga que precisa melhorar, caso ela tenha uma sequência, é a movimentação, direção e física dos veículos, que ainda estão muito longe de chegar na qualidade de jogos como GTA. A movimentação de carros e motos ainda é muito travada, principalmente das motos, nas quais é muito difícil cair, mesmo se você bater contra uma parede andando relativamente rápido com uma.

O sistema de combate do game é outro ponto um tanto ou quanto esquisito, principalmente pelo fato de Marcus utilizar um uma bola pendurada em uma corrente para lutar contra seus inimigos. Embora que o sistema funcione muito bem, o objeto em si se comporta de maneira esquisita e bastante travada, parecendo mais que ele está utilizando uma língua de sogra do que de fato uma bola presa a uma corrente. Por mais que seja meio infantil e sem sentido um personagem utilizar um objeto deste tipo como arma, se melhorarem a plástica de seus movimentos, talvez seja interessante revê-lo em um próximo jogo.

Watch Dogs 2 possui uma variedade de armas muito grande, sendo divididas entre equipamentos, armas do DedSec e armas militares, somando um total de 66 opções que vão desde um tazer e pistolas, a até shotguns, fuzis de assalto, rifles de precisão e lançadores de granadas. O interessante é a maneira como as armas são feitas pelos membros do DedSec no game: Em uma impressora 3D gigante.

Uma das novidades que mais agradaram certamente foi a adição dos drones ao game, o RC Jumper e o Quadcopter, que permitem ao jogador alcançar locais e invadir áreas repletas de inimigos sem ser notado, atravessando dutos de ar e passando por locais apertados que não seriam possíveis apenas com Marcus. É incrivelmente divertido realizar tarefas apenas com os drones, você pode literalmente completar várias missões apenas utilizando estes equipamentos, no entanto, se você preferir, pode acioná-los somente quando necessário, para desativar um sistema de segurança ou destravar uma porta. Vale lembrar que ainda é possível aprimorar as funções dos drones na árvore de habilidades do protagonista.

Review Watch Dogs 2, a redenção da Ubisoft com os hackers?

As mecânicas de hacking também foram bastante aprimoradas em relação ao primeiro Watch_Dogs, ainda mais elementos são hackeaveis e a grande maioria destes hacks podem ser aprimorados para que mais efeitos sejam adicionados ou intensificados. Utilizando a Nethack View você pode ver tudo o que pode ser hackeado à sua volta, assim como ver seus inimigos destacados em vermelho.

O sistema de experiência no jogo funciona de uma maneira um pouco diferente do convencional, contando seguidores, e não pontos de fato. Como o DedSec precisa do apoio da população para atingir seus objetivos, completar missões no game te garantem seguidores, que baixam o aplicativo do DedSec e ajudam o seu grupo fornecendo um pouco do poder de processamento de seus dispositivos.

As missões secundárias do game são, em sua grande maioria, bastante divertidas, elas são variadas e dificilmente te deixarão entediado. Você pode encontrar as mais diversas tarefas, das mais diferentes dificuldades, podendo ir desde um simples hackeamento a até a invasão de uma fortaleza repleta de inimigos.

Existem diversos objetivos extras no game para garantirem mais seguidores (xp) ao protagonista, eles estão ligados a aplicativos que você pode baixar no smartphone de Marcus, como o ScoutX, no qual você precisa tirar serlfies em pontos turísticos para ganhar likes, seguidores e comentários; Existe também o Driver SF, que funciona como um Uber no qual Marcus pode dar caronas para pessoas em troca de dinheiro, no entanto, existem condições em algumas corridas, algumas querem apenas passear, outras querem visitar pontos turísticos, tem também as que querem que você corra o máximo que puder e algumas querem que você realize um grande salto com o carro; Com o SongSneak Marcus pode adicionar mais músicas às suas playlists, como se elas fossem secrets descobertos enquanto você anda pela cidade, quando você ouvir qualquer música, basta utilizar o aplicativo para descobrir o seu nome e adicioná-la ao seu smartphone.

Review Watch Dogs 2, a redenção da Ubisoft com os hackers?

Ao longo de todo o mapa, diversos sacos de dinheiro e outros segredos estão espalhados e todos podem ser encontrados pelo GPS, no entanto, em alguns casos é necessário que você já tenha passado perto da localização deles para que eles fiquem marcados. O mesmo acontece com hacks de upgrades e hacks de pontos de habilidade para serem utilizados na árvore de habilidades.

Os gráficos do game são realmente surpreendentes, a beleza da cidade de São Francisco é muito bem representada e, com a extensa paleta de cores do game, tudo fica ainda mais bonito. Os detalhes não são lá os mais surpreendentes, mas o capricho da Ubisoft em melhorar a decepção que foi Watch_Dogs com certeza é perceptível.

Um dos maiores problemas do game é a otimização para o PC. Watch Dogs 2 é um jogo feito para consoles, para rodar a 30FPS, um patamar que não está a altura das exigências dos jogadores mais hardcore da plataforma. A maioria das reviews e análises que você provavelmente já viu na internet não tocam no assunto por terem sido feitas nos consoles, onde o game não sofre tão frequentemente com quedas de quadros, que chegam a ficar por quase 10 segundos travadas em uma média de 10FPS, mesmo com as configurações gráficas bastante reduzidas. Realmente, não entendo de hardware e posso estar cometendo algum engano, mas como minha máquina roda tranquilamente outros jogos como GTA V, The Witcher 3 e Far Cry Primal a 60FPS com configurações no High, certamente o jogo não recebeu a atenção que deveria para o atual padrão dos jogos de PC.

Os bugs e glitches acontecem com certa frequência no game, mas nada que seja o suficiente para atrapalhar a experiência do usuário. Delay de render, pessoas atravessando paredes, ficando presas em um teto falso no ar, carros atravessando npcs e cercas, dentre outros, no entanto, estes bugs são até normais em outros jogos, só a frequência que eles aparecem é um pouco maior em Watch Dogs 2.

Outro aspecto um tanto ou quanto decepcionante é a destruição dos veículos, que evoluiu muito pouco em relação ao que vimos em Watch_Dogs, sendo que o primeiro game tem um dos piores sistemas de dano em veículos que já vi. A destruição de cenários também não é “grandes coisas”, por vezes você quebra cercas e postes como se eles fossem feitos de isopor e quase explode o carro ao bater em alta velocidade em um banquinho de madeira.

A inteligência artificial dos npcs foi mais um dos aspectos consideravelmente melhorados, agora os inimigos são muito mais inteligentes, escutam seus passos mais facilmente e não ignoram um portão hackeado abrindo e fechando infinitamente, como se nada estivesse acontecendo. Podemos dizer que agora sim existe um certo desafio se você quiser se infiltrar em uma fortaleza repleta de inimigos, mesmo que ele seja um pouco reduzido com a utilização dos drones.

A dublagem do jogo é muito bem feita e combina bastante com os personagens, tendo somente alguns problemas de sincronia em alguns momentos, mas este é um aspecto que vem melhorando cada vez mais na indústria, afinal, a preocupação das publishers e desenvolvedoras com a recepção do público brasileiro está visivelmente aumentando a cada ano, o que é excelente.

Pessoalmente não costumo gostar muito de modos online em jogos ao estilo sandbox, no entanto, jogar com algumas pessoas aleatórias em Watch Dogs 2 foi surpreendentemente positivo e divertido. Você tem a opção de deixar o seu jogo aberto para que pessoas possam te encontrar na cidade do game, assim como pode entrar em uma missão cooperativa e continuar com o seu parceiro depois de concluí-la.

De maneira geral, o modo online em Watch Dogs 2 é bem simples, nada muito incrível e cheio de coisas como em GTA V, mas o simples fato de você ter mais um hacker ao seu lado para levar São Francisco abaixo é muito interessante, principalmente se vocês precisarem da ajuda um do outro para escapar de uma perseguição policial pesada.

Review Watch Dogs 2, a redenção da Ubisoft com os hackers?

A única parte chata de jogar online é o modo Invasão, que ainda não consigo entender como a Ubisoft considera ele algo legal. Uma pessoa literalmente invade o local onde você está e começa a roubar os seus dados, você precisa encontrar a localização dela em um perímetro e matá-la. Simples, não é mesmo? O problema é que a invasão pode acontecer a qualquer momento que você estiver nas ruas da cidade, não interessa o que você esteja fazendo, e isto é chato pra caramba. Ainda bem que é possível desativar a opção de permitir que invasores entrem na sua sessão.

Existe também o modo Caçada, no qual um jogador está fugindo da polícia e você é acionado para ajudá-la a capturar o suspeito. Este modo sim já é mais interessante e divertido, pois sua jogatina não é atrapalhada por estes eventos, assim como eles só acontecem com o jogador se ele cometer algum crime e a polícia o estiver perseguindo.

Embora que a otimização para o PC poderia ser melhorada e alguns gliteches sejam notáveis, a diversão proporcionada por Watch Dogs 2 com certeza paga o seu preço. Hackear uma cidade inteira com ainda mais recursos do que Watch_Dogs, utilizando drones e equipamentos nerds de ponta é muito divertido, e você certamente perderá horas somente utilizando estes recursos para completar missões secundárias e alcançar objetivos escondidos.

Embora a história do game seja infantil demais em alguns momentos, ela também sabe ser inspiradora em alguns outros. Utilizar todo um universo nerd para ambientar o game, com referências de jogos, cinema e qualquer outro assunto relacionado à cultura pop foi extremamente inteligente, tornando este um recurso para aproximar o jogador cada vez mais dos personagens.

Review Watch Dogs 2, a redenção da Ubisoft com os hackers?

Não tenha dúvidas que você terá muitas horas de diversão jogando Watch Dogs 2. Se você focar apenas na história, é provável que com cerca de 18 horas de gameplay você consiga concluir o game. Cumprindo objetivos secundários e procurando secrets, finalizei o jogo em 22 horas, ainda muito longe de concluir 70% dele.

Você pode até não gostar da diferença drástica de uma história dramática e pesada como a de Watch_Dogs em relação a de personagens que acabaram de deixar a adolescência e sonham com um mundo sem as atrocidades do capitalismo, pichando muros ou hackeando satélites, mas admita, você certamente sentiu algum interesse em ser um hacker mais uma vez.

Mais sobre: WatchDogs WatchDogs2 Ubisoft
Share Tweet
Recomendado
Comentários
Carregar comentários
Destaquesver tudo

Siga nossas contas no Twitter