Oficina da Net Logo

Uma hora de videogame diário ajuda na saúde de crianças, diz estudo

Estudo realizado na Universidade de Oxford diz que jogar videogame por uma hora pode ajudar a saúde, deixando as crianças e adolescentes mais sociáveis e menos hiperativas.

Por | @oficinadanet Games Pular para comentários

Segunda-Feira, 04 de agosto de 2014; um estudo publicado na revista médica “Pediatrics”, diz que jogar videogame faz bem a saúde, mas calma, o uso do mesmo é em dose homeopática. O estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Oxford, que juntou cerca de 5000 menores com idade entre 10 a 15 anos, indicou que uma hora de videogame diário faz bem a saúde, deixando a criança mais sociável, fazendo com que ela consiga mais amigos, que se expresse melhor e que não fique hiperativa.

Mas todo “medicamento” digamos assim, possui uma contraindicação, e nesse caso pode ser o uso excessivo do aparelho, que concluiu que aqueles que jogam videogame por mais de três horas por dia apresentam efeitos prejudiciais a sua saúde, bem como dificuldade de ajuste social. Segundo a pesquisa, isso se deve ao fato do menor não ocupar o seu tempo livre com outras atividades, bem como o esporte ou a socialização com outras pessoas.

O estudo foi comandado pelo psicólogo experimental Andrew Przybylski, onde ele pediu que os menores qualificassem as horas que passam a frente do videogame ou computador em um dia normal. Na sequência, Andrew também solicitou aos participantes que classificassem diversos fatores, entre eles: satisfação com a vida, relacionamento com os amigos, probabilidade de ajuda a pessoas com dificuldade e níveis de hiperatividade e falta de atenção.

Cerca de 75% dos participantes declararam que jogam videogame diariamente, onde em comparação com outros grupos, bem como os que nunca jogam, os que jogam uma hora por dia ou menos e os que jogam mais de três horas diárias, ficou bem evidente que os que jogam menos de uma hora por dia pareceram estar mais satisfeitos com suas vidas e assim também apresentaram maiores níveis de interação social positiva, menos dificuldade com questões emocionais e menores níveis de hiperatividade. Já o grupo que passou mais de três horas jogando videogame teve os piores resultados. Leia em destaque: Lançamentos de jogos da semana (12/11 a 18/11).

Para o psicólogo e o administrador do estudo, Andrew Przybylski, é necessário que as regras e diretrizes que colocam limites para o uso desta tecnologia levem a sério essas evidências, onde ele ainda declara dizendo que: “Em um ambiente polarizado entre aqueles que acreditam que os games possuem um papel extremamente benéfico e aqueles que os consideram prejudiciais, o estudo pode fornecer um ponto de vista mais sutil, pois jogar videogame da à criança uma linguagem comum; se uma criança não fizer parte desta conversa, ela poderá ficar de fora de tudo isso”, concluiu.

MAIS SOBRE: #videogame  #estudo  #psicólogo  #Oxford
Comentários
Carregar comentários