Oficina da Net Logo

10 tecnologias da NASA que estão no nosso dia a dia

De travesseiros a aparelhos nos seus dentes. Confira um pouquinho do que foi possível na nossa vida graças à exploração espacialof

Por | @Evilmaax NASA 3 comentários

Muitas vezes vemos os números das missões espaciais e ficamos apavorados com tamanho "desperdício". Por que investir bilhões de dólares em uma sonda que vai ao espaço tirar fotos e não colocar esse dinheiro em necessidades mais úteis e urgentes como o problema da fome, seca ou aquecimento global?

A resposta poderia ser técnica e se resumir ao fato de que cada órgão tem seu orçamento e usa como for interessante aos seus propósitos, ou, ser mais prática e lhe responder com outra pergunta: Você tem ideia de quantos coisas que fazem parte do seu dia a dia que só foram possíveis após as pesquisas voltadas às missões espaciais?

A própria NASA responde essa pra você: Segundo eles já são cerca de 2000 tecnologias que saíram dos programas espaciais e foram parar aí na sua casa através do NASA Spinoff, o programa de transferência de tecnologia da NASA. E, muito embora, o nome que tenha lhe vindo na cabeça seja, provavelmente, o famoso "travesseiro da NASA", os benefícios que os astronautas, indiretamente, compartilham conosco vai muito além.

Confira agora 10 tecnologias que só temos acesso hoje graças à vontade do homem de explorar o universo. Leia em destaque: 10 tecnologias da NASA que estão no nosso dia a dia.

Palmilhas e tênis mais confortáveis

Quem não se lembra da clássica frase de Neil Armstrong "um pequeno passo para o homem, mas um grande passo para a humanidade" ? Você só não sabia que essa história de dar passos vai um pouco mais além, isso porque quando ele disse as célebres palavras ele estava fazendo uso de uma moda que seria adotada como padrão nos anos seguintes.

A roupa que ele e seus colegas de missão Apollo XI estavam usando já contava com uma tecnologia especial usada pela NASA para construir trajes espaciais mais resistentes e confortáveis para os astronautas. Anos mais tarde tal tecnologia seria incorporada aos tênis resultando na invenção das palmilhas.

Foram as técnicas de moldagem de borracha desenvolvidas pela NASA que tornaram mais fácil para as empresas calçadistas encaixar uma proteção em seus sapatos da mesma forma que a agência encaixava o isolamento de luz usado para proteger os astronautas em seus trajes.

O engenheiro Frank Rudy da NASA foi quem levou essas invenções para a indústria de calçados, propondo, eventualmente, o design capaz de absorver o choque dos nossos passos que foi usado nos tênis da Nike Air lançados nos anos 80 e comercializados até hoje após upgrades.

Já parou para pensar que graças à ciência que levou a gente até à Lua, você e as pessoas ao redor do mundo estão caminhando um pouco mais confortavelmente?

Você já tinha se dado por conta de como eles tem o estereótipo de astronauta?Você já tinha se dado por conta de como os tênis de Marty McFly têm o estereótipo de astronauta?

Celular com câmera

Uma das coisas mais úteis na Era da Informação em que vivemos é a nossa capacidade de registrar todos os momentos que quisermos através de camerazinhas que cabem na ponta dos nossos dedos. E como você deve estar imaginando por encontrar isso neste post, também temos que agradecer a NASA por mais essa.

Primeiro porque o próprio conceito de uma câmera digital foi desenvolvido pela primeira vez no Jet Propulsion Laboratory na década de 1960, quando o engenheiro Eugene Lally sugeriu o uso de uma grade de sensores de luz para capturar imagens fixas. Mas como toda versão inicial, ela ainda precisava passar por um processo de aprimoramento e assim seguiram-se os estudos.

Quando se trata de espaço, tamanho é documento e quanto menor e mais leve, melhor. Assim, nos anos 90, outra equipe do JPL encarregou-se de melhorar a tecnologia e após muito estudo conseguiu tornar as câmeras das espaçonaves significativamente menores. De quebra esse incremento melhorou a qualidade de imagem dessas câmeras, bem como sua velocidade de captura e duração da bateria.

Nesse ponto, ficou claro que essa tecnologia poderia ser adaptada para muito além do que telescópios, e muito além meeeesmo. Assim começou a invasão das minicâmeras com elas sendo embarcadas desde webcams e instrumentos médicos até canetas espiãs que você compra no AliExpress ou seu próprio smartphone.

Então, da próxima vez que você tirar uma selfie pense com carinho no programa espacial.

d

Roupas de banho

Logo após as Olimpíadas de 2004 uma nova parceria da NASA chamou a atenção de todos: Speedo, a maior fabricante de roupas de mergulho do mundo. Pode parecer estranho, concordo, mas há uma boa razão que explica tudo isso.

Uma das melhores maneiras dos nadadores aumentarem sua velocidade é reduzindo o arrasto gerado pela água quando eles dão as braçadas para se movimentarem. Por coincidência (mentira, é tudo muito bem planejado) a NASA está repleta de pesquisadores que se debruçam diariamente sobre a dinâmica de fluidos e avançam no estudo do arrasto, empuxo, entre outros.

Na verdade, a NASA tem até uma diretoria especializada que trabalha apenas para buscar reduzir o arrasto e aumentar a eficiência das espaçonaves. Pois foram eles que contribuíram com o desenvolvimento do maiô LZR Racer fabricado pela Speedo.

Incorporando os testes feitos nos laboratórios da NASA e com designs projetados matematicamente, a parceria resultou em um processo que reduziu o arrasto em 24% a mais do que nos trajes anteriores. Se essa porcentagem de redução pudesse ser aplicada em sua totalidade ao tempo dos nadadores o recorde mundial masculino de 50 metros livre do brasileiro César Cielo diminuiria dos 21.3 segundos para 16.1 segundos! 

Claro que quando o recorde foi estabelecido, em Pequim, 2008, César Cielo já estava usando a nova técnica, mas foi só para dar um exemplo. Outro exemplo, esse bem mais prático, é ver um gráfico da evolução dos recordes após a parceria NASA x Speedo e a diferença que os novos trajes de alto desempenho tiveram nas marcas estabelecidas.

Só para exemplificar: na primeira Olimpíada que estrearam, em 2008, os nadadores que usaram o LZR Racer quebraram 13 recordes mundiais. Não precisa ser um cientista da NASA para ver a diferença que eles fazem. 

s

Coisas via satélite

Em dias de tv digital é cada vez mais difícil encontrar uma pessoa que tenha presenciado a triste cena onde alguém fica em cima do telhado dando mexidinhas milimétricas na antena e perguntando aos berros para alguém que está lá embaixo se melhorou o sinal da transmissão ou não. E o grande responsável por diminuir cada vez mais essa cena tão clássica do interior brasileiro é ela mesma, a NASA e suas contribuições à comunicação sem fio.

Não vou entrar no mérito de explicar como foram inventados os satélites, mas se você clicar na caixinha aqui do lado ou clicar aqui, vai conferir a história completinha. O que importa para nós aqui é que após o lançamento de um grupo bem-sucedido de satélites militares nos anos 50 e 60, a NASA resolveu disponibilizar a tecnologia para uso de civis ao ajudar a construir o primeiro satélite comercial da AT&T (uma das maiores operadoras de telefonia dos EUA), que decolou em 1962.

Os resultados foram imediatos e rapidinho tínhamos coisas via satélite para facilitar nossa vida, como o próprio sinal de Tv que acabou com a historinha de trepar no telhado para consertar o chuvisco. O melhor de tudo foi que as pesquisas continuam até hoje, gerando melhorias no sinal transmitido e até a vida útil dos próprios satélites e impactando em boa parte do mundo moderno seja previsão do tempo e sinal de GPS que você usa em seu celular até a internet via satélite que é a única e caríssima opção caso você more em alguma cidade isolada do interior do país.

Agradeça aos satélites (e a NASA) por esta vida confortável que leva hojeAgradeça aos satélites (e a NASA) por esta vida confortável que leva hoje

Comidas de bebê

Eu nunca tive um filho, mas creio que deve ser uma coisa muito difícil. São tantas responsabilidades e decisões a serem tomadas que terão impacto direto sobre uma vida que eu penso que poucas coisas podem ser tão assustadoras e recompensadoras. Por exemplo: Qual o melhor alimento para um bebê? Será que ele é alérgico a alguma coisa? Será que tal comida vai fazer mal? Difícil responder essas perguntas, hein? Mas não tão difícil quanto alimentar astronautas no espaço, certamente.

É por isso que a NASA contratou os serviços da Martek Biosciences Corporation - empresa especializada em criar alimentos a partir de fungos e microalgas cultivadas especialmente para a alimentação - para fazer um suplemento nutricional que os seus astronautas pudessem consumir em missão. Pois bem, acontece que ao explorarem o uso dessas algas para criarem versões espaciais dos suplementos, os pesquisadores descobriram variações capazes de produzir dois ácidos graxos que - olha a coincidência - também são encontrados no leite materno!!

Com isso eles perceberam que poderiam fortalecer e suplementar a dieta de bebês caso esses compostos fossem adicionados nas refeições de bebês que não podem ou não conseguem se alimentar de leite materno.

E se alimentar um bebê é uma das suas preocupações neste momento, fique de olho nos rótulos que dizem conter DHA (Ácido docosa-hexaenoico) ou ARA (Ácido araquidônico). Infelizmente não há testes suficientes que comprovem que um bebê alimentado com essas substâncias irá se tornar astronauta no futuro, mas pelo menos você pode ficar feliz em saber que seu filho(a) já está se alimentando como um.

Imagem meramente ilustratitvaImagem meramente ilustratitva

Aparelho dental invisível

Para colocar um foguete no espaço você precisa dos materiais certos. Por isso que os engenheiros da NASA estudaram meses e meses o tópico de resistência dos materiais na faculdade; tudo para depois passar a vida profissional inteirinha deles procurando por materiais que possam ser leves e duráveis ao mesmo tempo - de preferência aqueles que possam se adaptar aos problemas e resolver as broncas que eles enfrentam no dia a dia.

Em uma dessas buscas eles encontraram um material chamado alumina policristalina translúcida (abreviação TPA) que foi desenvolvida para ajudar no rastreamento dos raios infravermelhos. Após alguns anos servindo aos seus propósitos iniciais uma empresa chamada Unitek viu que ela poderia ser usada para resolver um problema diferente e assim o TPA foi trazido para o nosso dia a dia. A transição ocorreu, mais precisamente, em 1986, quando ela passou a ser usada para o cuidado ortodôntico.

A Unitek estava procurando por um material que fosse forte o suficiente para agir como aparelho e conseguir puxar os dentes ao seu lugar correto, mas translúcido ao ponto de reduzir o constrangimento que vem com o tratamento (principalmente para crianças). Foi um casamento improvável entre tecnologias, mas a produção dos aparelhos “invisíveis” foi um sucesso entre os consumidores, afinal, um material é um material e usarmos ele para buscar um infravermelho ou fixar dentes só depende da aplicação dada por nós.

d

Membros artificiais

Estava achando tudo até aqui um tanto quanto supérfluo? Então olha só esse caso: Próteses artificiais.

Ok, tá certo que o conceito de prótese já existe há séculos, quando desde antes de cristo se acoplava pedaços de madeira para simular uma perna ou braço perdido, porém se você um dia vir a precisar de algum membro postiço nos dias de hoje, pode agradecer à NASA por torná-los mais fortes, baratos e funcionais.

Até antes da agência espacial entrar nesse ramo as próteses eram criadas usando moldes de amido de milho e gesso. Como resultado desse processo tínhamos membros pesados e frágeis, o que os tornavam impraticáveis para a grande maioria das pessoas.

Sabendo dessa dor dos pacientes e empenhados em melhorar as coisas, o Centro de Próteses e Órteses da Harshberger se dirigiu até a NASA em busca de ajuda. Para a equipe de cientistas que construiu tanques externos para os ônibus espaciais, alguns braços e pernas não poderiam ser muito difíceis de desenvolver, afinal de contas.

Os cientistas aeroespaciais mostraram à equipe da Harshenberger seu isolamento de espuma que protegia os tanques do calor enquanto permanecia leve e durável e o mesmo caiu como uma luva para encaixar membros artificiais. Ao reduzir o peso de suas próteses eles também reduziram os custos para os pacientes ao mesmo tempo em que puderam aumentaram a escalabilidade da produção. No geral, essa parceria foi uma grande vitória para quem perde um membro em alguma fatalidade.

d

Joystick

De roupas de natação a próteses, de aparelhos dentários a ... videogames. Ou parte deles, pelo menos.

Antes dos joysticks viverem seus dias de glória nos consoles e jogos de computador, eles começaram sua carreira de modo sério, sendo usados pela primeira vez pela Marinha dos EUA que precisava achar uma maneira capaz de dar maior controle ao modo como eles pousavam os aviões. O problema com eles era que as versões iniciais eram grandes e desajeitadas, sendo impossíveis de serem encaixadas em um controle gamer convencional. Mesmo assim, em um lugar eles eram mais do que adequados: no controle das naves espaciais, notavelmente nas missões Apollo.

Foi só depois de sair do planeta Terra que um joystick passou a ser usado para fins de divertimento e não apenas para fins de pousar uma aeronave de alguns bilhões de dólares, mais precisamente em 1969, com o lançamento do Missiles, videogame da Sega. Com ele os jogadores podiam se mover em quatro direções enquanto disparavam tiros com um botão acoplado. Ainda assim eles eram enormes e faltava aquele detalhezinho que tinha nas versões militares que permitia manobras mais complicadas a acuradas.

Então, de onde vieram esses controladores pequenos, sensíveis e multidirecionais que usamos hoje nos controles do Playstation 4 Xbox One?

Do programa do ônibus espacial, é claro! Depois de estudar os controladores de simulação de voo que eram usados no Johnson Space Center, a empresa de jogos Thrustmaster desenvolveu um controlador ultrarrealista que permitia que a mesma tecnologia fosse usada através de uma porta de jogos padrão nos consoles. O resultado foi uma inovação satisfatoriamente nerd e real que demonstra o potencial da tecnologia e dos jogos.

Detalhe da cabine do ônibus espacial Discovery lançado em 1984Detalhe da cabine do ônibus espacial Discovery lançado em 1984

Implantes auditivos

Como qualquer grande organização que se preze, a NASA tem boa parte de sua fama justamente por conquistar as mentes mais brilhantes de seu tempo e proporcionar a elas as melhores oportunidades para crescimento e desenvolvimento de suas pesquisas. Um desses exemplos foi Adam Kissiah, o inventor do implante coclear.

E aqui cabe uma explicaçãozinha já que tal tipo de tecnologia, embora seja algo indispensável para quem precisa, não é comum de ser vista no dia a dia. Implante coclear é um dispositivo eletrônico que é utilizado por pessoas surdas que não tem condições de escutar ou compreender a fala sem ele. Como não pode funcionar ampliando o som captado - como um aparelho auditivo comum - o implante coclear ignora os receptores de som defeituosos no ouvido para então disparar sinais elétricos diretamente no nervo auditivo do implantado. Todo o processo é feito através de um pequeno microfone que capta sons e os converte em pulsos elétricos.

Mas voltando ao Kissiah, embora ele tenha sido o inventor do dispositivo usado por dezenas de milhares de pessoas, o próprio Kissiah não tinha qualquer formação médica. Na NASA ele trabalhava como engenheiro de instrumentação eletrônica quando uniu seu conhecimento de engenharia para contornar seus próprios problemas de audição.

Kissiah foi, inclusive, introduzido no Hall da Fama da Tecnologia Espacial dos EUA em 2003, e hoje é um dos melhores exemplos de como o pensamento multidisciplinar pode mudar vidas para melhor.

g

Espuma com memória

E não poderíamos terminar esse post sem falar deles, os famosos travesseiros da NASA, é claro, aquelas maravilhas que parecem te abraçar quando você deita neles.

Pode parecer uma preocupação banal, mas evitar que os astronautas tenham dor nas costas é imprescindível para o sucesso de uma missão espacial. Afinal, se em uma tripulação de 3 pessoas 1 delas se lesionar significa que 33% de toda a população do universo capaz de consertar um problema na Estação Espacial naquele momento está impossibilitado de manusear ferramentas, fazer as spacewalks, etc.

Assim eles se debruçaram nos projetos até criar uma espuma que fosse confortável o suficiente e que pudesse revestir os assentos de suas aeronaves evitando que os astronautas dessem um mal jeito na coluna durante um lançamento atribulado.

Após sua invenção em 1969, o criador Charles Yost desenvolveu uma empresa para comercializar seu produto. Ele continuou a melhorar sua tecnologia (e lucrar com ela também, é claro), que passou a ser usada em tudo, desde camas médicas até capacetes para motociclistas (e travesseiros, logicamente).

A empresa de Yost também foi reconhecida pela NASA e entrou para o Hall da Fama da Tecnologia Espacial pelo baixo custo e alta usabilidade do material desenvolvido.

Quem aí vai dormir feito um astronauta hoje?

Note como a espuma desenvolvida pela NASA se adapta perfeitamente à coluna de quem se deita sobreNote como a espuma desenvolvida pela NASA se adapta perfeitamente à coluna de quem se deita sobre

Se você gostou de saber que tem muita coisa da NASA envolvida no seu dia a dia deixe um comentário para incentivar uma parte 2, afinal tem muuuuita coisa que devemos à Agência Espacial Norte-americana e que podemos lotar uma segunda lista.

Hey, acompanhe todas as notícias do Oficina da Net no Telegram. Inscreva-se grátis.

MAIS SOBRE: #nasa  #ciencia
Comentários