Trek to Yomi não é destaque, mas tem qualidade técnica [Análise]

Trek to Yomi entrega uma boa jornada samurai, mas não alcança muito mais do que isso ao desperdiçar combate

Jornada é eficiente em muitos aspectos (Imagem: Oficina da Net/Gregory Felipe)
Jornada é eficiente em muitos aspectos (Imagem: Oficina da Net/Gregory Felipe)

Desenvolvido pela Flying Wild Hog e publicado pela Devolver Digital, Trek to Yomi apresenta o pacote completo de um bom e velho clichê samurai. Com a vingança sendo o que serve de impulso para sua trama e define toda jornada, o título também mostra um visual totalmente em preto e branco, levando os jogadores diretamente para a atmosfera encontrada nos grandes clássicos do cinema.

Em cenários 2.5D, Trek to Yomi brilha com sua direção de arte e jornada samurai, mas peca ao oferecer um combate que nunca "chega lá". É um jogo curto, que pode ser zerado entre 5 a 7 horas, e para falar a verdade não caminha rumo ao fantástico ou excepcional, mas se mantém eficiente em boa parte do tempo.

O jogo será lançado hoje (5) para PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series X, Microsoft Windows.

Uma verdadeira jornada samurai (Imagem: Oficina da Net/Gregory Felipe)
Uma verdadeira jornada samurai (Imagem: Oficina da Net/Gregory Felipe)

Uma jornada samurai

Controlando o jovem Hiroki, você embarca em uma verdadeira jornada samurai que se apoia nos maiores clichês que obras na temática podem oferecer, não que isso seja um problema já que tais elementos são bem utilizados e nunca parecem se aproximar de algo forçado ou estereotipado demais. Com a trama se iniciando ainda quando o protagonista é um menino, temos um salto temporal que avança para sua idade adulta, quando iniciamos nossa jornada em busca de justiça e vingança.

Um dos grandes trunfos do jogo é saber levar o jogador por caminhos não esperados, enquanto a trama explora elementos que, para mim, foram um tanto surpreendentes. Em uma jornada que fala muito sobre falhas pessoais, honra e vontade de alcançar justiça, o caminho samurai é constantemente questionado e utilizado como exemplo, enquanto o personagem principal carrega fardo e culpa por graves erros cometidos.

A busca por redenção e justiça (Imagem: Oficina da Net/Gregory Felipe)
A busca por redenção e justiça (Imagem: Oficina da Net/Gregory Felipe)

Tratando-se de uma jornada bastante pessoal, Trek to Yomi também mostra um caminho de amadurecimento e aceitação, enquanto Hiroki deve lutar contra sua própria culpa para atingir seu grande objetivo. Com pouca duração, o jogo não abre tanto espaço para um grande desenvolvimento de trama, mas é de se elogiar a forma como a jornada pessoal de Hiroki se desenrola de maneira natural e satisfatória mesmo com pouco tempo para isso.

A excelente direção de arte e o ótimo visual

O visual de Trek to Yomi também é um de seus destaques, podendo não ser tão bem aceito por alguns jogadores, mas acertando em cheio o coração daqueles que são apaixonados pela temática samurai. No meu caso, sempre fui fascinado por obras samurais, o que obviamente me fez acompanhar a jornada com outros olhos, mais amigáveis podemos dizer, mas não menos críticos por estar acostumado a consumir conteúdos excelentes dentro da temática.

Caso você seja um admirador dos filmes do grande Akira Kurosawa, o jogo publicado pela Devolver certamente fará com que lembre dos grandes longas do cinema. É verdade que talvez tal efeito seja mais forte nos que já estão acostumados com a ideia, mas o visual preto e branco consegue levar o jogador diretamente para a atmosfera necessária neste caminho samurai.

A direção de arte é excelente (Imagem: Oficina da Net/Gregory Felipe)
A direção de arte é excelente (Imagem: Oficina da Net/Gregory Felipe)

Com cenários variados, que incluem pontes perto de cachoeiras, aldeias queimadas, florestas e mais, Trek to Yomi se destaca com uma direção de arte que certamente poderá ter destaque na temporada de premiações. Em muitos momentos, os cenários tornam a jornada ainda mais impressionante e carregam uma incrível grandiosidade, com a extrema beleza de grandes pinturas. É interessante perceber que o tom da jornada é fielmente acompanhado por esses cenários e ambientes, que conseguem manter o jogador preso dentro de uma atmosfera que envolve o sentimento de culpa e a busca por redenção. Há certa melancolia na beleza, e ela é perfeita para o que é entregue no jogo.

Além disso, enquanto explora os cenários você pode perceber inúmeros detalhes que fazem total diferença, como inimigos cavalgando em campos distantes, civis amargando a dor de ataques devastadores e outros elementos que tornam o cuidado artístico digno de aplausos.

O combate

O combate de Trek to Yomi talvez seja onde o jogo mais pecou, ainda que esteja longe de ser ruim. Com três dificuldades, o jogo pode ser conferido tanto por quem deseja acompanhar apenas a história quanto por quem deseja um desafio maior. No difícil você realmente terá que se esforçar para avançar, enquanto no normal a jornada já pode ser desafiadora.

Há precisão de movimentos e dominar o combate se torna prazeroso, já que Hiroki pode realizar diferentes ataques, incluindo alguns combos. O grande problema é que, apesar de ser eficiente, o combate ao meu ver não conseguiu o destaque que deveria. Em certos momentos você pode travar e morrer algumas vezes consecutivas, e finalmente superar essas etapas te trará a boa sensação de recompensa, mas não me pareceu o suficiente para que a total satisfação fosse atingida durante o gameplay.

O combate poderia ser melhor (Imagem: Oficina da Net/Gregory Felipe)
O combate poderia ser melhor (Imagem: Oficina da Net/Gregory Felipe)

Existe uma boa variedade de inimigos, incluindo alguns que eu realmente não esperava, mas todos podem ser derrotados com o mesmo golpe caso você não se obrigue a variar seus movimentos. Com uma boa lista de ataques e fluidez de movimentos, senti que o jogo poderia impor uma atenção maior ao jogador, exigindo que mais ações fossem exploradas durante os confrontos. Como isso não ocorre, o jogo pode tornar-se repetitivo enquanto repetir sempre as mesmas alternativas se mostra mais prático e convidativo.

É importante dizer que os controles funcionam muito bem, e isso deixa ainda mais evidente que o combate deveria ser melhor aproveitado. Além disso, ainda que os inimigos sejam variados, e alguns se mostrem mais fortes, em confronto eles demonstram pouca diferença uns dos outros, o que também decepciona. Outra coisa que incomoda é a falta de mais combates contra chefes e mais desafio nesses momentos, assim como encontrar confrontos mais diferenciados também seria bacana.

Fica a sensação que o combate nunca alcança o que poderia alcançar. Não é ruim, mas também não ultrapassa a barreira que o tornaria realmente empolgante.

O veredito

Trek to Yomi brilha com sua direção de arte e seu excelente visual, além de ser bastante eficiente em entregar uma verdadeira jornada samurai. Porém, ao desperdiçar parte do potencial de seu combate, o título não consegue alcançar um patamar que poderia ser mais elevado,

Sendo bastante curto, o jogo não permite a si mesmo oferecer a sensação de cansaço ao jogador, o que pesa positivamente. Tecnicamente acerta mais do que erra, de maneira bem considerável.

Trek to Yomi

7.4
Prós
  • Ótima direção de arte
  • Excelente visual
  • Uma verdadeira jornada samurai de qualidade
Contras
  • Inimigos poderiam ser mais variados
  • Combate poderia ser melhor
  • Faltam mais chefes e combates mais diferenciados

Análise feita com uma cópia de PS5 cedida gentilmente pela Devolver Digital

Perguntas frequentes

Quando Trek to Yomi será lançado?

Trek to Yomi chega no dia 5 de maio

Para quais plataformas Trek to Yomi será lançado?

Trek to Yomi será lançado para PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series X, Microsoft Windows

Adeus Google Pay; Olá Google Wallet no Android 13; Entenda

Comentários
Minha foto
Insira um comentário