Cemitério virtual? Facebook terá mais contas de mortos do que vivos daqui 50 anos

O Facebook tem um lado assustador, de acordo com um novo estudo, que afirma que a plataforma de rede social pode ter mais usuários mortos do que vivos na próxima metade de século.

Por | @oficinadanet Facebook Pular para comentários

Nos próximos 50 anos, o Facebook poderá parecer um cemitério. Isso porque, de acordo com os acadêmicos da Universidade de Oxford, em 2069, os mortos poderiam superar o número de perfis vivos na rede social. O estudo, publicado pela Big Data & Society, descobriu o que deve acontecer com a rede social nos próximos 50 anos.

Cemitério virtual? Facebook terá mais contas de mortos do que vivos daqui 50 anos

Facebook - Em memóriaFacebook - Em memória

O número de usuários mortos no Facebook está crescendo cada dia. Em 2012, oito anos após o lançamento da plataforma, 30 milhões de usuários haviam morrido.

Hoje, tem mais de dois bilhões de usuários, e uma estimativa de 8000 usuários morre diariamente. Com base nas estatísticas de usuários do Facebook em 2018, os pesquisadores previram que o número de usuários mortos poderia chegar a pelo menos 1,4 bilhão, e potencialmente até 4,9 bilhões até o final do século.

Nos últimos anos, o crescimento da rede social diminuiu drasticamente. No cenário mais extremo, em que a plataforma não ganha novos usuários, o Facebook se tornará um cemitério virtual até o final do século, e isso inclui apenas perfis transformados em contas “Em memória” - lápides digitais que amigos e familiares podem visitar em memória do falecido.

A gigante da tecnologia reconheceu as implicações da morte on-line e lançou uma série de recursos para evitar o desconforto dos usuários - antes disso, os usuários podiam convidar seus amigos mortos para festas e eventos, ou desejar-lhes um feliz aniversário. As novas ferramentas “Em memória” permitem que as pessoas respeitem os mortos com um sistema de IA, para impedir que perfis falecidos surjam “de maneiras dolorosas”.

Ter a aquisição do Facebook pode não ser a pior coisa a acontecer, já que a maioria de nós vive deliberadamente ignorando a inevitabilidade da morte. A plataforma manterá você vivo em forma digital assim que morrer, preservando seus pensamentos, memórias, além de relacionamentos online. Nossa presença interminável on-line está mudando a maneira como morremos e, para os que ficaram para trás, está mudando a maneira como vivenciamos e lidamos com a morte.

Fonte: KBC Channel

 

Mais sobre: facebook, em memoria