eXtreme Programming (XP) em 2 minutos

Extreme Programming ou XP como é chamado é um processo de desenvolvimento de software baseado em valores de simplicidade, comunicação, feedback e coragem. O objetivo do XP é assegurar que o cliente receba o máximo de valor a cada dia de trabalho da equipe de desenvolvimento.

Por | @oficinadanet Carreira em TI

O texto abaixo foi criado por Paulo Fernandes (eu) e Jefferson Lira como parte do artigo Como atender os requisitos arquiteturais de software usando métodos ágeis como SCRUM e XP.

Extreme Programming ou XP como é chamado é um processo de desenvolvimento de software baseado em valores de simplicidade, comunicação, feedback e coragem. O objetivo do XP é assegurar que o cliente receba o máximo de valor a cada dia de trabalho da equipe de desenvolvimento. Ele é organizado em torno de valores e práticas que atuam de forma harmônica e coesa para assegurar que o cliente sempre receba um alto retorno do investimento em software.

Os quatro valores fundamentais em que o XP se baseia são:
Feedback: fazer com que o cliente conduza o desenvolvimento diariamente a fim de garantir que a equipe direcione toda a sua atenção para aquilo que de fato irá gerar mais valor;

Comunicação: evitar o gasto de um valioso esforço na tentativa de trocar informações por meios de extensos documentos escritos que freqüentemente são interpretados de forma incorreta ou incompleta;

Simplicidade: garantir que seja desenvolvido apenas o suficiente para atender as necessidades atuais do cliente, desprezando qualquer funcionalidade não essencial;

Coragem: devido ao XP ser uma metodologia de software que se baseia em diversas premissas que contrariam os processos tradicionais de desenvolvimento de software, é preciso que todos da equipe tenham coragem para adotá-las e acreditar que, utilizando as práticas e valores do XP, serão capazes de fazer com que o software evolua com segurança e agilidade.

O XP tem alguns pontos fortes que auxiliam no processo de desenvolvimento, a citar:
Cliente Presente: a presença objetiva viabilizar a simplicidade dos processos, facilitar a comunicação com os desenvolvedores e permitir um ciclo continuo e rápido de feedback;

Jogo do Planejamento: reunião com o cliente a cada nova release a fim de definir quais funcionalidades devem ser implementadas de acordo com suas priorizações;

Stand Up Meeting: reunir com a equipe de desenvolvimento a cada manhã para avaliar o trabalho que foi executado no dia anterior e priorizar aquilo que será implementado no dia que se inicia;

Refactoring: é utilizado para manter sempre o software o mais simples possível de ser manipulado sem que estas alterações no código possam afetar as funcionalidades que já estão implementadas;

Código Coletivo: a idéia é que o código seja comunitário a todos os desenvolvedores, permitindo assim que todos possam alterar o código quando necessário sem ter que pedir autorização de outra pessoa;

Código Padronizado: a fim de permitir que o sistema seja o mais homogêneo possível, a equipe deve estabelecer padrões de codificação, viabilizando assim a facilidade de qualquer manutenção futura;

Metáfora: técnica para transmitir idéias de formas simples, através de uma linguagem comum que é estabelecida entre a equipe e o cliente;

Ritmo Sustentável: é recomendável que os desenvolvedores trabalhem apenas 8 horas por dia a fim de garantir o máximo de rendimento e permitir a produção de software com a melhor qualidade possível;

Design Simples: optar sempre pela simplicidade do design, viabilizando a agilidade durante o desenvolvimento, dado que o feedback deve ser rápido ao cliente;

Integração Contínua: a equipe de desenvolvimento deve garantir a integração de seus códigos com o restante do sistema diversas vezes ao dia;

Releases Curtos: visa à disponibilidade de funcionalidades rapidamente ao cliente para que ele possa utilizar o software no dia-a-dia e se beneficiar dele.

Desenvolvimento Guiado pelos Testes: visa o desenvolvedor escrever testes para cada funcionalidade antes mesmos de começar a codificá-las, possibilitando eles aprofundar o entendimento das necessidades do cliente;

Abaixo a Figura demonstra as práticas e os principais ciclos do XP:

eXtreme Programming (XP) em 2 minutos
Práticas e princípios do XP


A idéia da utilização do XP é voltada para projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência, desenvolvimento de sistema orientado a objeto, equipes pequenas e de preferência até 12 desenvolvedores. Este desenvolvimento deverá atender o modo iterativo ou incremental, objetivando que o sistema comece a ser implementado logo no início do projeto e ao longo do tempo adquirindo novas funcionalidades.

Mais sobre: extreme programming xp agile
Share Tweet
Recomendado
Comentários
Carregar comentários
Destaquesver tudo