CADASTRE-SE

A idade deve ser mencionada no currículo?

2 Comente abaixo André Vinícius

Mencionar a idade no currículo é um tema tão controverso que chegou a ser objeto de um Projeto de Lei que proibia a exigência da declaração de idade no documento profissional. O projeto 2861/97, que visava punir quem discriminasse pessoas mais velhas, foi arquivado em 2007.

Mencionar a idade no currículo é um tema tão controverso que chegou a ser objeto de um Projeto de Lei que proibia a exigência da declaração de idade no documento profissional. O projeto 2861/97, que visava punir quem discriminasse pessoas mais velhas, foi arquivado em 2007.

Ainda assim, o emprego formal em 2008 cresceu nas faixas etárias acima de 40 anos, comparado com 2007. Segundo dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), na faixa etária entre 40 e 50 anos, a contratação aumentou 4,45%; entre 50 e 64 anos, 8,17%; e acima de 65 anos, 7,24%.

“Dependendo do cargo, a idade pode ser um diferencial. Por exemplo, para um gestor é importante o profissional ter acima de 40 anos, pois retrata o grau e o tempo de experiência no segmento”, explica o consultor de carreiras André Munhoz, sócio-diretor da Consultoria Munhoz Fernandes, de São Paulo.

Objetivo - Segundo ele, o currículo deve ser prático e fácil de ser visualizado e compreendido pelos profissionais de Recursos Humanos. “A idade não irá pesar desde que a empresa esteja buscando aquele profissional. É muito mais simples do que pensamos”, diz.

Para Munhoz, a idade deve sempre ser mencionada. Ele comenta que já descartou currículos com falta de informações que julga serem necessárias para a sua avaliação.

Sem idade - Mas há quem defenda não colocar a idade no documento, sob pena de ser barrado logo no início do processo seletivo, justamente, por conta do preconceito que ainda existe nas empresas.

Denise Abreu, que tem 45 anos e trabalha com eventos, é uma delas. “Não escrevo a idade para ter mais chances de ser chamada para a entrevista. Prefiro enfatizar outras informações como qualificações profissionais.”

Além de não citar a idade - e afirmar que nunca a revela –, uma relações-públicas, que não quis se identificar, diz que elimina ainda os empregos antigos que não têm relevância com o cargo pretendido e tampouco menciona o ano de sua graduação. “Apenas coloco o nome da faculdade e o curso. Mas, escrevo detalhadamente toda a minha experiência em cada evento, tudo o que fiz e como fiz.”

Mesmo com o risco de terem o currículo descartado por falta de informações, ambas contam que estão empregadas e que sentem que só conseguiram a entrevista porque não disseram quantas velas de aniversário já tinham soprado.

Fonte: IG Empregos


Recomendamos:
 
Comentários:



TOPO