CEO do Google fala sobre importância de explorar a China

Esta é a primeira vez que Pichai comenta os planos do Google em relação a China e tudo ocorreu durante uma conversa com o jornalista Steven Levy.

Por Google Pular para comentários

Sundar Pichai, CEO do Google, comentou publicamente sobre os planos da empresa reentrar no mercado chinês através de um produto direcionado para buscas e notícias. Em comemoração ao 25° aniversário da Wired, para uma plateia, o executivo disse que o novo serviço seria capaz de atender 99% das consultas. Pichai disse que o mercado chinês é "importante para nós explorarmos", em razão do seu tamanho e também porque deverá se tornar a maior e lucrativa população do planeta.

"Queríamos saber como seria se o Google estivesse na China", disse Pichai. "É muito cedo, não sabemos se faríamos ou poderíamos fazer isso na China, mas sentimos que era importante para nós explorarmos. Eu acho que é importante para nós, dada a importância do mercado e quantos usuários existem. "

Esta é a primeira vez que Pichai comenta os planos do Google em relação a China e tudo ocorreu durante uma conversa com o jornalista Steven Levy. O projeto do Google, intitulado como Project Dragonfly, limita-se aos vazamentos internos e conversas de representantes do Google com o Congresso.

CEO do Google fala sobre importância de explorar a China.CEO do Google fala sobre importância de explorar a China.

Pichai descreve os planos da companhia como preliminares, e tudo ainda não passa de conversas, sendo que o trabalho deverá ser intensificado ao longo dos meses. Vale mencionar que vários funcionários do Google assinaram uma carta aberta para que a empresa abandonasse o projeto. Além disso, o Congresso e também a Casa Branca já expressaram a desaprovação, dizendo que o projeto é uma potencial ameaça à democracia e um modo de "fortalecer a censura do Partido Comunista e comprometer a privacidade dos clientes chineses", disse Mike Pence.

Pouco tempo atrás, o cientista Jack Poulson renunciou o seu cargo e criticou publicamente a empresa. "Fui compelido a renunciar ao meu cargo em 31 de agosto de 2018, na sequência de um padrão de tomada de decisão antiético e inexplicável da liderança da empresa", escreveu Poulson em sua carta de renúncia. "Isso culminou na recusa em divulgar informações sobre o Projeto Libélula, uma versão da Pesquisa do Google adaptada às exigências de censura e vigilância do governo chinês".

Bom, vamos aguardar e ver o que realmente o Google pretende apresentar, caso não desista no meio do caminho.

Fonte: The Verge

Compartilhe com seus amigos:
Rafaela Pozzebom
Rafaela Pozzebom Graduada em Letras pela UFSM e especialista em Tecnologias da Informação e da Comunicação aplicadas à educação
FACEBOOK //
Quer conversar com o(a) Rafaela, comente:
Carregar comentários
Quantos celulares a Motorola tem em linha?
5(15,53%)
10(54,04%)
15(12,42%)
20(9,94%)
26(8,07%)