Oficina da Net Logo

Jogadoras criam grupo para encontrar assediadores em games

Nada satisfeitas e cansadas de serem alvos de pessoas covardes, algumas jogadoras de elite de “Counter-Strike: Global Offensive” decidiram se unir e fundar o Bully Hunters.

Por | @oficinadanet Games

O assédio sexual e moral é um tema recorrente, dificilmente não encontramos alguma vítima desse comportamento. Na maioria das vezes, as vítimas são as mulheres. No mundo dos games, a situação não e diferente. Muitas jogadoras, aos serem questionadas, afirmaram que já foram xingadas e assediadas de modo esdrúxulo, ofensivo.

Em alguns casos, quando um jogador ouve uma voz feminina do outro lado, acaba atacando a pessoa, tratando-a como se fosse inferior. Infelizmente, tal comportamento, seja nas ruas, trabalho ou mesmo nos games, parece estar longe de acabar.

Nada satisfeitas e cansadas de serem alvos de pessoas covardes, algumas jogadoras de elite de “Counter-Strike: Global Offensive” decidiram se unir e fundar o Bully Hunters, grupo em que o objetivo é justamente caçar quem se diverte incomodando as mulheres.

Jogadoras criam grupo para encontrar assediadores em games.Jogadoras criam grupo para encontrar assediadores em games.

Leia também:

“Se você acha que o assédio é apenas parte do jogo, nós sabemos quem você é, sabemos como você joga e estamos indo atrás de você”, diz o vídeo divulgado pelo grupo de mulheres.

A ideia das mulheres não é retribuir os ataques, mas sim eliminando o sujeito após um acontecimento do gênero. Para que as mulheres não sofram retaliações, todas elas terão os seus nomes mantidos em segredo.

“ASSIM QUE UMA BULLY HUNTER FOR CHAMADA PARA O JOGO, ELA TERÁ A HABILIDADE PARA SE COMUNICAR DIRETAMENTE COM A VÍTIMA E OBSERVAR A SITUAÇÃO ANTES DE GARANTIR QUE A AJUDA É NECESSÁRIA,” EXPLICOU UMA REPRESENTANTE DA INICIATIVA. “ALÉM DISSO MAIS RELEVANTE, APÓS O JOGO A BULLY HUNTER PODERÁ AVALIAR A EXPERIÊNCIA E CLASSIFICAR SE O PEDIDO NÃO FOI VÁLIDO. A FERRAMENTA IGUALMENTE TERÁ UM SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO E DE RELATÓRIOS, PARA QUE SE ALGUÉM ESTIVER USANDO DE FORMA ERRADA A PLATAFORMA, ELA SEJA IMPEDIDA DE UTILIZÁ-LA.”

As moças não estão sozinhas, tanto a National Organization for Women quanto a Diverse Gaming Coalition já demonstraram apoio à causa e companhias como a SteelSeries e a CyberPowerPC igualmente aceitaram associar seus nomes ao grupo.

MAIS SOBRE Games mulheres assedio
SHARE
+ Notícias
Assine a nossa newsletter
Comentários