O questionamento sobre se jogos violentos podem influenciar no comportamento das crianças ainda é feito por muitos pais e pessoas que se interessam pelo assunto. O tema é muito polêmico. Já faz muito tempo que ronda a indústria de jogos. Alguns jogos já geraram muita polêmica e problemas. Um caso bem conhecido foi o massacre do Colégio Columbine, nos Estados Unidos. Dois jovens mataram doze estudantes e um professor. Ambos os jovens, na época, falaram que eram viciados em Doom e Quake, um jogo bem conhecido pelo grau de violência.



Na época, a associação do jogo com a atitude dos jovens assassinos foi imediatamente ligada. Muitos pais, então, evitaram que seus filhos tivessem contato com esse tipo de game e a todos que ensinam a matar e roubar. Já faz muito tempo que os jogos eletrônicos não passavam de brincadeira inofensivas de pula pula, passar por obstáculos entre outras coisas, atualmente intituladas como bobas e sem graça.

Jogos em Alta


O que está em alta nos dias atuais e são os recordistas em vendas, são aqueles jogos onde o jogador é um soldado sanguinário ou um bandido louco para matar. O que torna esse tipo de jogo popular e atrativo à crianças e jovens deve ser pela emoção em encarnar um personagem fictício e ter que percorrer obstáculos perigosos e ainda, destruir seus adversários. A grande atração deve-se ao fato que o que é feito na tela da TV ou do computador é considerado errado na vida real. Como sempre dizem "o proibido é sempre mais prazeroso".

Conforme pesquisas, a faixa etária que mais adquire e utiliza este tipo de jogo está entre os 12 e 25 anos. Doze anos parece um tanto jovem para ter acesso a tipo de game, porém, devemos lembrar que, nem sempre o jogador faz uso do jogo com o consentimento dos pais, pode sim, usufruir na casa de um amigo ou mesmo nas tão populares Lan Houses.

Pirataria


O aumento da pirataria também é um fator relevante na comercialização desses jogos, pois, mesmo que haja censura, nesse tipo de comércio ela inexiste, para tanto, o acesso é extremamente fácil e qualquer criança pode ter acesso. Alguns especialistas dizem que, uma criança pode sim ser influenciada por jogos violentos, porém, elas só adquirem um comportamento mais agressivo por outros fatores, como: desequilíbrio emocional já existente, maus tratos, violência doméstica, falta de educação e conversa por parte dos pais ou responsáveis, depressão, entre outros fatores.

Conforme um estudo realizado pela Universidade do Texas, que foi publicado no Journal of Youth and Adolescence, que foi aplicado com crianças hispânicas entre 10 e 14 anos, em uma cidade próxima a fronteira do México. Durante a pesquisa, foi solicitado às crianças que tivesse acesso e fizessem uso de jogos violentos ou mesmo que assistissem filmes do gênero. Após um ano, queriam observar o comportamento das crianças envolvidas. Após o tempo estipulado, os pesquisadores não observaram mudanças significativas de comportamento entre as crianças que tiveram acesso aos jogos e filmes violentos a àquelas que não tiveram. Porém, foi observado uma ligação de depressão e comportamento violento, especialmente nas crianças que já apresentavam algum transtorno em sua personalidade.

Jogos influenciam apenas crianças já conturbadas


Os especialistas de certa forma não estão errados, os jogos violentos só influenciam na vida de crianças que já possuem uma personalidade conturbada, seja por influência familiar, pelo meio em que vivem ou da sua própria natureza. Obviamente que alguns jogos violentos podem influenciar no comportamento das crianças, não significando que se tornarão assassinos ou algo parecido, pois, não podemos esquecer que elas estão na fase de crescimento e amadurecimento mental. Então, todas as crianças são diferentes, cada uma possui uma percepção da vida e o que os jogos significam a ela. Depressão, insônia, pesadelos, devem ser observados pelos pais. Porém, apenas culpar os jogos, é esconder a realidade vivenciada pela criança.

Definir o futuro das crianças, ou mesmo julgá-las por certas atitudes, por aquilo que jogam ou assistem não é a maneira correta de discutir o assunto. Devemos ter a capacidade de percepção que uma criança está em sua fase de formação. Então, não é um único fator que a tornará um perverso assassino. Um conjunto de fatores, sim, determinará a personalidade de uma criança. Então, você pai ou mãe, lembre-se, largar seus filhos na frente na televisão ou do video-game não é a melhor alternativa, mesmo que eles, talvez não sejam os grandes vilões do comportamento do seu filho. O que falta a àqueles que nem sempre possuem um comportamento adequado talvez seja um pouco mais de acompanhamento, educação, compreensão e principalmente carinho e afeto.