Oficina da Net Logo

Galaxy X ou Galaxy F? Quais são os principais desafios da fabricante com o smartphone dobrável?

Quais são os principais desafios enfrentados pela Samsung no desenvolvimento do seu smartphone dobrável? Além disso, também tem a concorrente Xiaomi que revelou nessa semana o seu protótipo.

Por | @fsbeling Smartphones Pular para comentários

A Samsung planeja anunciar ao mercado um telefone dobrável, supostamente chamado de Galaxy X, Galaxy F, Galaxy Flex ou Galaxy Fold, ainda no primeiro semestre de 2019. Seja lá como ele será chamado, a grande expectativa é de que o dispositivo seja real e funcional, para que as pessoas realmente possam utilizá-lo. No entanto, um aparelho assim apresenta uma série de desafios, desde a sua criação até a obtenção de aplicativos melhores. 

Contudo, nesta semana, além da Samsung, a Xiaomi acaba de virar os holofotes para a sua criação, como noticiamos ontem (23). O vídeo divulgado pelo executivo Lin Bin demonstra o aparelho dobrável sendo manuseado por ele. Além disso, o executivo solicita que as pessoas deem o seu feedback sobre o aparelho, para então analisar se a companhia irá produzir ou não o dispositivo para comercialização.

O Wall Street Journal acredita que com o lançamento do Galaxy S10 marcado para 20 de fevereiro, a Samsung também poderá anunciar na data o seu telefone dobrável. Conforme os rumores, o telefone dobrável da Samsung terá uma tela de 4,5 polegadas na parte externa e uma tela de 7,3 polegadas quando aberto como um livro. A princípio, virá com o sistema operacional Android 9 Pie com a nova One UI da Samsung. Além disso, o usuário poderia realizar multitarefas em até três painéis na tela maior.  Leia em destaque: Moto G7: Motorola lançou nova família da linha G com preços de R$999 até R$1899.

Projetos de telefone dobráveis ​​que podem ser abertos como um tablet para se tornar um verdadeiro dispositivo dois-em-um têm grande potencial de sacudir uma indústria obsoleta que está vendo uma desaceleração nas vendas e na inovação. Com isso, ao que tudo indica a Samsung quer brilhar neste espaço, embora o fracasso signifique sofrer um impacto financeiro.

Neste sentido, definir um design para o telefone dobrável pode ser um dos passos mais importantes inicialmente, seguido de outros pontos importantes, como os listados pela CNET. Os maiores desafios que a Samsung, assim como as demais fabricantes de dispositivos dobráveis terão que enfrentar, serão os 9 pontos destacados abaixo.

1. Portátil 

O protótipo do telefone dobrável da Samsung foi revelado em novembro, então ainda não está claro o quão espesso será o dispositivo. Mas um telefone dobrável será mais espesso do que os aparelhos atuais, considerando que estaremos dobrando duas telas quando está no modo "fechado".

Bastante espesso quando fechado.Bastante espesso quando fechado.

O grande desafio neste aspecto será tornar o dispositivo mais fino, para que possa ser transportado normalmente no bolso, ou seja para que o Galaxy X ou Galaxy F não precise de um acessório para transportá-lo. Se um telefone dobrável for grande demais para as pessoas usarem diariamente, certamente perderá seu valor.

2. Dobrável

Parte do desafio da portabilidade é descobrir exatamente qual forma um telefone dobrável terá quando estiver fechado. Não espere que ele se dobre. Basta olhar para o FlexPai e o Microsoft Surface Book 2. Ambos têm uma dobradiça ou junção central flexível que dobra os lados planos. O resultado é um loop no qual você pode encaixar uma caneta.

Será que o celular dobrável do Samsung  irá se dobrar mais do que o Royole FlexPai?Será que o celular dobrável do Samsung irá se dobrar mais do que o Royole FlexPai?

A única razão pela qual o ZTE Axon M fecha é porque ele é composto de duas telas completamente separadas que podem ser empilhadas umas sobre as outras com uma dobradiça. Um telefone verdadeiramente dobrável, no entanto, pretende ser um painel ininterrupto que se inclina para dentro ou para fora em si mesmo. Hoje não há como superar o enorme desafio de engenharia de construir um dispositivo dobrável, não até que os materiais sejam aperfeiçoados.

3. Dispositivo premium

Ninguém quer comprar um dispositivo mais lento, mais antigo ou menos potente que um telefone padrão que custa menos. A câmera e o processador do telefone dobrável precisam ser tão bons quanto o Galaxy S10 padrão para tirar ótimas fotos e controlar a multitarefa nas duas telas do telefone. Este foi um grande problema com a ZTE Axon M, que usava componentes antigos para manter os custos sob controle.

ZTE AxonO smartphone com duas telas ZTE Axon M está disponível nos Estados Unidos por US$ 725.

na AT & T nos Estados Unidos por US $ 725 
na AT & T nos Estados Unidos por US $ 725 

Há também a questão de quão bom pode ser uma tela de plástico. O "Infinity Flex Display" da Samsung terá uma tela de 7,3 polegadas, com material plástico, assim como o FlexPai. As telas de plástico de antigamente eram horríveis. Porém, a Corning já estaria desenvolvendo um vidro dobrável fino o suficiente para um dia cobrir dispositivos dobráveis. 

Até lá, a Samsung terá que confiar na qualidade de construção detalhada e acabamentos exuberantes para fazer com que o seu telefone dobrável pareça mais sofisticado. "Os consumidores querem mais soluções em um pacote menor e expressaram isso por meio de seus padrões de compra", disse Stephen Baker, vice-presidente de análise da indústria do NPD Group. "Esta será a melhor maneira de atender à demanda do consumidor, mas é provável que haja um processo de vários anos antes que os preços, o software, os aplicativos e o próprio produto funcionem."

4. Tem que ser equilibrado

O ZTE Axon M alojou a bateria de um lado, o que fez com que o telefone parecesse estranhamente desequilibrado e difícil de usar. É o mesmo problema que os tablets têm quando você os usa no modo de teclado, ao contrário de um laptop, que com seus componentes eletrônicos sob o teclado, os tablets armazenam tudo atrás da tela. 

Smartphone dobrável e grosso demais é ruim de ser transportado.Smartphone dobrável tende, quando fechado, a ficar grosso demais para ser transportado, um desafio das fabricantes é deixá-lo mais fino.

A Samsung deve tomar cuidado para não deixar o telefone pesado demais para transportar confortavelmente. Os consumidores aceitarão um dispositivo uniformemente pesado, mas não desequilibrado.

5. Dobra

O ponto de flexão de um telefone dobrável é a "dobra" que percorre o meio da tela. Royole diz que a dobra do FlexPai durará mais de 200.000 flexões durante a vida útil do telefone - isso equivale a abrir ou fechar o telefone 548 vezes por dia durante um ano ou 274 vezes por dia durante dois anos.

A espessura dessa dobra também é importante, já que uma faixa no meio da tela vai impedir que a tela de 7,3 polegadas seja um painel ininterrupto como o de um verdadeiro tablet. A dobra da Samsung será suave e fácil de abrir todas as vezes? Essas e outras questões de durabilidade serão analisadas futuramente com o uso do dispositivo.

6. Câmera

Sabemos pelo Pixel 3 que você não precisa ter mais de uma câmera para tirar excelentes fotos com pouca luz e retratos, agora, manter esses recursos populares será necessário para que o telefone dobrável possa competir.

7. Aplicativos

É importante que o Google se comprometa a oferecer suporte ao Android em telefones dobráveis, preparando o caminho para que os aplicativos façam a transição sem problemas nas telas enquanto você abre e fecha o telefone.

Fazer com que os desenvolvedores de aplicativos e jogos modifiquem seus aplicativos para trabalhar em um telefone dobrável é a expectativa. Uma coisa é garantir que os aplicativos façam uma boa transição. Outra é aproveitar as três áreas ativas que o Google diz que suportará na tela maior.  "A menos que o dispositivo dobrável seja suportado por sistema operacional sólido e suporte a software, um telefone dobrável pode entrar na história como um truque", disse Werner Goertz, diretor sênior da empresa de análise Gartner.

Um jogo pode usar apenas uma janela, por exemplo, e um aplicativo de produtividade pode transformar um segundo painel em um teclado virtual em tamanho real. Os desenvolvedores com mais recursos provavelmente prepararão seus aplicativos primeiro.

8. Bateria

Quanto maior a tela, mais bateria consome. O dobrável Galaxy X ou então Galaxy F, precisará de reservas significativas de bateria se for durar o dia todo com essas duas telas. Mas as baterias não dobram e uma bateria grande é mais eficiente que duas menores.A Samsung terá que criar algumas soluções criativas para evitar que o dispositivo fique sem energia até o meio do dia. E os usuários podem ter que aceitar que o telefone dobrável precisará de mais recargas do que um telefone comum.

9. Preço

O telefone dobrável da Samsung não será barato. Conforme rumores ele deve ser comercializado com valores que oscilam entre US$ 1.300 a US $ 1.500. A Samsung vai querer recuperar os custos associados a uma lista de materiais, pesquisa e desenvolvimento, um novo processo de fabricação e campanhas de marketing. 

Inicialmente, a expectativa de venda é de poucas unidades enquanto a tecnologia ainda é nova. Entretanto, isso significa que a Samsung vai ganhar muito menos dinheiro com o que provavelmente é um telefone mais caro do que o carro-chefe Galaxy S10. Mas se o preço altíssimo não for apoiado por um design inteligente, um hardware robusto, bateria forte e uma experiência de usuário tranquila, o Galaxy dobrável da Samsung certamente não será um bom negócio.

 Fonte: CNET

Comentários
Carregar comentários