Cientistas encontram método possível de armazenamento de CO2

O grupo de estudiosos conseguiu bombear emissões de carbono para dentro da terra e transformar o gás em sólido para armazenamento em alguns meses.

Por Ciência Pular para comentários
Cientistas encontram método possível de armazenamento de CO2

Os cientistas conseguiram, pela primeira vez, injetar dióxido de carbono (CO2) no solo de basalto vulcânico e assim solidifica-lo. Esta pode ser uma excelente alternativa para o armazenamento do gás de efeito estufa, que está associado ao aquecimento global, disse o estudo publicado na quinta-feira (9) na revista Science. O estudo faz parte do projeto-piloto Carbfix lançado em 2012 na usina geotérmica de Hellisheidi, na Islândia.

O grupo de estudiosos conseguiu bombear emissões de carbono para dentro da terra e transformar o gás em sólido para armazenamento em alguns meses. O processo é muito mais rápido que o esperado, que sugeriam uma demora de centenas ou até de milhares de anos.

Cientistas encontram método possível de armazenamento de CO2

Para o experimento, os cientistas e engenheiros experimentaram combinar o CO2 e também outros gases com água e canalizar a mistura para o subsolo. Eles tinham o objetivo de desenvolver um método eficaz de armazenamento de CO2.

A usina de Hellisheidi é a maior instalação geotérmica do mundo, que fornece energia para a capital Reykjavik. Para que as turbinem funcionem, a água vulcânica é aquecida com energia geotérmica subterrânea.

Os pesquisadores já haviam sugerido esse método de captura e armazenamento de gás carbônico, porém, sempre houve dificuldades para desenvolver a tecnologia necessária.

O basalto em contato com o CO2 e a água produz uma reação química que resulta em um mineral calcário branco. O que os cientistas não sabiam era o tempo que o processo levaria. Alguns estudos davam conta que poderia levar milênios.

No entanto, o aproveitamento do basalto subterrâneo de Hellisheid se mostrou bastante eficiente, com 95% do CO2 injetado solidificado em menos de dois anos.

"Isso significa que podemos bombear para o subsolo grandes quantidades de CO2 e armazená-lo de uma maneira muito segura em um curto período de tempo", disse o coautor do estudo Martin Stute, hidrologista no Observatório da Terra da Universidade de Columbia.

"No futuro, poderíamos pensar em usar isso para usinas nucleares em lugares onde há muito basalto - e há muitos lugares assim".

Grande parte dos experimentos anteriores não funcionou porque injetaram CO2 puro em renito ou aquíferos salinos, em vez de misturar o gás com água e armazená-lo no basalto.

O basalto é uma rocha porosa, rica em cálcio, ferro e magnésio. Tais minerais são necessários para solidificar o carbono para que seja armazenado, disseram os pesquisadores.

Compartilhe com seus amigos:
Rafaela Pozzebom
Rafaela Pozzebom Graduada em Letras pela UFSM e especialista em Tecnologias da Informação e da Comunicação aplicadas à educação
FACEBOOK //
Quer conversar com o(a) Rafaela, comente:
Carregar comentários
Últimas notícias de Ciência