Por que é mais vantagem para a Nasa enviar mulheres a Lua e a Marte?

Além da questão de igualdade de gênero, entenda quais são os outros motivos lógicos que fizeram a Nasa optar por usar astronautas mulheres em vez de homens em suas próximas missões - Lua e Marte.

Por Ciência Pular para comentários
Por que é mais vantagem para a Nasa enviar mulheres a Lua e a Marte?

Está decidido! A Nasa anunciou sua decisão de enviar mulheres astronautas ao espaço em 2024, além disso, indicou que é provável que a próxima pessoa a pisar na lua e o primeiro ser humano a pisar em Marte, sejam pessoas do sexo feminino. Mas, além da questão de igualdade de gênero, que de fato já seria um bom motivo pra essa decisão, há outros motivos que levam a Agência Espacial Norte Americana a escolher as mulheres.

Kate Greene participou de uma missão simulada a Marte e descobriu que as tripulações do sexo feminino gastavam menos da metade das calorias dos tripulantes do sexo masculino. Menos de metade! Estavam todos exercitando aproximadamente a mesma quantidade - pelo menos 45 minutos por dia durante cinco dias consecutivos por semana -, mas suas necessidades metabólicas eram calibrados de maneiras radicalmente diferentes.

Kate Greene passa o tempo em Kate Greene passa o tempo em 'Marte' como parte da simulação da NASA

Durante uma semana, o homem mais metabolicamente ativo gastou uma média de 3.450 calorias por dia, enquanto a mulher menos metabolicamente ativa consumiu 1.475 calorias por dia. Era raro uma mulher na tripulação chegar a consumir 2.000 calorias em um dia e é comum para tripulantes masculinos excederem as 3.000 calorias.

Os requisitos de calorias de um astronauta importa significativamente ao planejar uma missão. Quanto mais comida uma pessoa precisa para manter seu peso em uma longa jornada espacial, mais comida precisará ser enviada ao espaço e armazenada. Quanto mais comida é lançada, mais pesada é a carga útil. Quanto mais pesada for a carga útil, mais combustível será necessário para colocá-la em órbita. Quanto mais combustível for necessário, mais caro será o lançamento.

No início dos anos 2000, Alan Drysdale, um analista de sistemas em suporte avançado de vida contratado pela NASA, fez um estudo sobre o problema dos corpos de astronautas. Ele usou como base um documento da NASA sobre métricas fisiológicas, chamado STD-3000 (agora revisado para STD-3001), que detalha necessidades e efluentes para uma variedade de tipos de corpos. Drysdale descobriu que uma mulher pequena usaria menos da metade dos recursos de um homem. 

Drysdale, que não trabalha mais com a Nasa, é enfático ao dizer que a agência espacial desperdiça dinheiro, e não considera abordagens de economia de custos como uma tripulação de astronautas menores. Ele diz que seus cálculos sugerem que todas as coisas são iguais, que uma tripulação lançaria por metade do custo da carga útil. "As mulheres pequenas não demonstraram ser menos inteligentes do que as mulheres grandes ou homens grandes, então não há razão para escolher pessoas maiores para uma tripulação de voo quando é o poder do cérebro que você quer", diz Drysdale. "A coisa mais lógica a fazer é levar mulheres pequenas ao espaço."

Próxima viagem a Lua

Em 11 de dezembro de 2017, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, emitiu a Diretiva de Políticas Espaciais-1, uma mudança na política espacial do país, que encarregou a NASA da criação de um programa inovador e sustentável de exploração que enviaria astronautas de volta à Lua. 

Nomeado Projeto Artemis, a Deusa da Lua e irmã gêmea de Apolo na mitologia grega, este projeto acelerou os esforços para levar a NASA de volta à Lua. No entanto, com tanto foco dedicado a voltar para a Lua, há preocupações de que outros projetos sejam negligenciados - como o desenvolvimento da Plataforma Orbital Lunar - Gateway, uma futura estação espacial em órbita lunar, destinada a servir como um hub de comunicações movido a energia solar, laboratório de ciências, módulo de habitação de curto prazo e área de espera para rovers e outros robôs. 

Quando o SPD-1 foi assinado, várias prioridades foram consideradas essenciais para viagens de retorno à Lua. Estes incluíram o desenvolvimento contínuo do Sistema de Lançamento Espacial (SLS), o desenvolvimento adicional e o teste do Veículo de Tripulação Multiuso Orion (MPCV), e entre agências governamentais, indústria privada e parceiros internacionais.

O objetivo final da Artemis é estabelecer uma presença humana sustentável na Lua até 2028, demonstrar novas tecnologias, lançar as bases para empresas privadas construírem uma economia lunar e demonstrar a capacidade de lançamento restaurada das Américas. A palavra sustentável é fundamental e está de acordo com o que a NASA vem buscando desde meados dos anos 2000.

Primeira pessoa em Marte provavelmente será mulher

O administrador da NASA, Jim Bridenstine, falou que o primeiro astronauta a pisar em Marte provavelmente será do sexo feminino. A declaração foi dada no Science Friday, um programa de rádio de ciência e tecnologia.

Em um ponto da conversa, Bridenstine fez uma pergunta à co-fundadora da Grab Your Wallet Alliance, Shannon Coulter, que perguntou em um tweet se uma mulher estaria envolvida no próximo pouso na Lua. Em resposta ele disse que "A resposta é sim, na verdade, é provável que seja uma mulher - a primeira pessoa próxima na Lua. Também é verdade que a primeira pessoa a pisar em Marte provavelmente seja uma mulher." A missão a Marte está programada para a década de 2030. 

Bridenstine disse que a agência espacial está comprometida em ter um "amplo e diversificado conjunto de talentos". Atualmente, 34% dos astronautas ativos da NASA são mulheres. Embora a diferença de gênero ainda não tenha sido superada completamente, é uma mudança significativa, considerando que em 1978 eram apenas seis mulheres (incluindo Sally Ride) astronautas americanas. 

 Nicole Aunapu Mann, Anne McClain, Jessica Meir e Christina Hammock Koch - quatro astronautas da Nasa.

Além disso, as mulheres compreendiam metade dos astronautas selecionados em 2013, e 5 dos 12 astronautas de 2017, bem como metade da classe mais recente de diretores de voo.

Com informações do Slate.

Compartilhe com seus amigos:
Priscilla Kinast
Priscilla Kinast Estudante de Ciência e Tecnologia na UFRGS - Universidade Federal do RS, apaixonada por inovações tecnológicas, mistérios da ciência, bem como filmes e séries de ficção científica
FACEBOOK // INSTAGRAM: @priscillakinast // TWITTER: @prkinast
Quer conversar com o(a) Priscilla, comente:
Minha foto
    Últimas notícias de Ciência